08/04/2015

Sempre Foi Você - Capítulo 2





Joseph


Joseph Jonas aceitou outra taça de champanhe do garçom enquanto abria caminho pela festa lotada. A taça estava fria, e gotas geladas de água escorreram por seus dedos onde ele a segurava. Tomando um gole, ele deu uma olhada rápida no salão em busca de alguém – qualquer pessoa – interessante para conversar.

Ele estava usando seu terno de sempre, com uma camisa branca feita sob medida e uma gravata preta. O terno caía como uma luva, e o paletó se assentava suavemente sobre seus ombros largos. As calças tinham o tamanho perfeito para sua cintura estreita. Ele tinha o físico de alguém que praticava diversos esportes.

Desde que chegara a Londres, tinha conseguido agir como um jovem de vinte anos pela primeira vez em muito tempo. Usava jeans, camisetas e moletons sem que uma única sobrancelha se erguesse. Frequentava pubs, bebia cerveja e flertava com garotas bonitas, a maioria das quais sua mãe consideraria muito abaixo da sua condição social.

Infelizmente, esse tipo de festa o lembrava um pouco demais sua casa, sua mãe e os amigos dela da alta sociedade.

Vendo o pai e Claire num canto do salão, ele se acotovelou entre a
multidão de convidados para alcançá-los. Enquanto andava, ouvia trechos de conversas.

– Claro, John está de plantão para quando o bug do milênio atacar…

– Mal posso esperar o rio de fogo! Bob Geldof é tipo um Gandalf
contemporâneo…

Ele não entendia nada daquelas conversas. Já achava difícil decifrar o sotaque, imagine compreender o que exatamente os ingleses diziam.


– Joseph – Claire o viu quando ele estava a um metro deles. Joseph aproximou-se e beijou a madrasta no rosto. Ela cheirava a lavanda e rosas, e pousou uma mão sobre a lapela dele. – Sempre fica tão bonito de terno. E parece tão mais velho.

– E você está espetacular como sempre, Claire – ele respondeu. Ela alisou o vestido e abriu um sorriso enorme.

– Seu sedutor. Está cada dia mais parecido com seu pai.

Com sua visão periférica, ele avistou alguém se aproximando deles.
Quem quer que fosse, estava usando preto e branco. Imaginou que fosse alguém da equipe do buffet.

– Posso oferecer uma chipolata Cumberland em massa choux, com mel e mostarda? – Joseph reconheceu a garota. Ele a vira no salão mais cedo, e era difícil não reparar no seu cabelo escuro e pele pálida.

– Parece um enroladinho de salsicha pra mim – Claire sorriu para a
garota. Elas pareciam íntimas demais para uma garçonete e sua
empregadora. – Demi Lovato, este é meu marido, Steven Jonas, e meu enteado, Joseph.

– Ouvi muito sobre você, Demi – o pai dele falou primeiro. – Claire acha que eu devia fazer reverência ao conhecer você.


As sobrancelhas de Joseph se uniram em confusão. Como raios eles conheciam essa garota? Ela não parecia o tipo de pessoa que frequentava festas como aquela. Ela era pura energia concentrada, aparentemente sem filtro verbal.

– Talvez eu faça reverência pra você – Demi sorriu.
– Gostaria disso. Acho que nunca ganhei reverência de uma moça bonita como você – Steven era todo sorrisos e charme natural. Seu flerte inocente fez Demi corar. Joseph olhou-a fascinado enquanto o sangue subia ao rosto dela, fazendo sua pele brilhar.

Demi voltou-se para Claire.

– Quanto champanhe ele já bebeu?

Ela também sofria o mal da modéstia excessiva dos ingleses. E Joseph queria vê-la envergonhada outra vez.

– Demi Lovato, é um prazer conhecê-la – ele tomou sua mão e a ergueu aos lábios, esperando um tremor, um suspiro. Qualquer coisa. Nada. 

Ela só o encarou, com seus olhos brilhando, divertidos, enquanto
ele soltava sua mão.

– Idem, garoto-Columbia. Quase não te reconheci de black tie. Te faz parecer mais velho.

Garoto-Columbia? O terno o fazia parecer mais velho? Por que o pai ganhava olhares tímidos e rosto corado e ele recebia respostas ácidas?

– Bem, garota gótica, peço desculpas por atordoá-la com meu vestuário – ele arrastou as palavras de propósito, sabendo que sarcasmo era a forma mais baixa de humor.

Demi voltou-se para lançar-lhe um sorriso.

– Foi um prazer conhecer todos vocês. Tenho que encher o resto dos seus convidados de entranhas de porco enfiadas em salgadinhos – disse isso e saiu, dirigindo-se a um grupo no outro canto do salão. Joseph observou-a se afastar, admirando o modo como sua saia preta apertada se aderia à bunda redonda.

Steven tinha erguido uma sobrancelha. 

Havia uma expressão especulativa em seu rosto bonito enquanto encarava o filho. Joseph não disse nada, só balançou a cabeça e sorriu. Depois que bateu a meia-noite e eles cantaram “Auld Lang Syne”, Joseph saiu para o saguão, pensando em ir para a cama. 

Então viu Demi sentada no topo das escadas, ao lado de uma figura pequena que se parecia muito com sua irmã.

Ele e Ruby eram próximos, apesar de morarem em países diferentes. Joseph se preocupava constantemente com ela. Ela não era uma garota de dez anos típica, que adorava coisas cor-de-rosa e fazer compras. Era peculiar e engraçada, lia livros como se não houvesse amanhã, e amava desenhar tudo o que visse pela frente. Era diferente, e isso a tornava um alvo. Ele sabia que ela odiava a escola e o desprezo das outras meninas.

Mesmo aqui, em Londres, ela era tratada como uma espécie de pária. Subindo as escadas em silêncio, ele decidiu espiar a conversa, antes de chamar a atenção delas para sua presença. Pelo que podia ouvir, era Ruby quem mais falava. Isso era incomum.

– … não, eu meio que gostava das Spice Girls. Mas odeio a Britney Spears, e a Christina Aguilera é terrível. Quer dizer, elas foram Mouseketeers, pelo amor de Deus.

– O que é Mouseketeers? – o tom de Demi era gentil e alegre. Mais alguns passos e ele poderia ver o rosto dela.

– Do Show do Mickey Mouse. Eles fazem umas danças estúpidas, e
esquetes e coisas assim. É tão idiota – a voz de Ruby era baixa, como se ela soubesse que não deveria estar fora da cama conversando com uma desconhecida no topo da escadaria de mármore.

– Parece o Inferno na Terra. Graças a Deus você saiu dos Estados Unidos enquanto podia.

Ruby riu.

– Prefiro Nine Inch Nails. Trent Reznor é o cara.

Dessa vez, Demi riu também.

– Não acredito que uma menina de dez anos gosta de Nine Inch Nails. É culpa do seu pai. Claire me disse que ele é um grande fã de Marilyn Manson.

– Ah, meu Deus. Não, não, não. Ele fica se confundindo entre Marilyn Manson e Marilyn Monroe. Ele é fã da loira, não do cantor. É tão constrangedor.

Joseph gargalhou com as palavras de Ruby. Steven sempre tentava se manter atualizado com as últimas tendências, e normalmente fazia um papelão. Não que se importasse; a habilidade de rir de si mesmo era uma das melhores qualidades do pai.

– É você, Joseph? Está espiando de novo? – a voz de Ruby soou com clareza.

Ele subiu os últimos degraus, vendo a irmã sentada ao lado de Demi, encostada nela enquanto conversavam. As pernas de Demi estavam dobradas, os joelhos contra o peito. Era difícil não encarar as panturrilhas dela.

Demi ergueu os olhos para ele.

– Você pegou a gente. Agora você vai ser um bom garoto-Columbia e manter segredo ou vamos ter que amordaçá-lo?

Joseph ficou tentado a responder com um comentário obsceno, mas mordeu a língua, lembrando que a irmã estava ali.

– O que está fazendo aqui em cima, tampinha? Achei que você não queria vir à festa – ele abriu um sorriso indulgente para Ruby. – Se soubesse que ela queria participar, teria ficado feliz em ser seu acompanhante.

– Queria ver a celebração à meia-noite. Seria péssimo se alguém me perguntasse o que eu estava fazendo quando o novo milênio chegou e eu dissesse que estava escondida na minha cama, toda antissocial.

Joseph fez uma careta. Às vezes ela era adulta demais, e percebia coisas demais. Ele odiava que ela se sentisse uma aberração.

– Mas estou com sono agora – Ruby continuou. – Demi, me leva pra cama? – ela levantou os braços, parecendo uma criança de novo.

– Deixa eu te ajudar, Demi – ele disse, gostando subitamente de como o nome dela soava na sua língua. Ele se virou para Ruby e pegou-a nos braços. – Sua carruagem a aguarda, princesa.

Ruby riu enquanto ele a carregava ao longo do corredor, erguendo uma mão à boca para abafar o som, de modo que os convidados lá embaixo não percebessem sua presença. Demi seguiu logo atrás deles, deixando Joseph consciente da sua presença.

Sentindo-se dócil, Ruby encostou a cabeça no ombro do irmão mais
velho.

– Obrigada, Joseph. Você é um ótimo irmão mais velho.
– Melhor que Nathan?

Joseph carregou Ruby até o quarto dela, contorcendo-se suavemente para fazer as pernas dela passarem pela porta.

– Nathan não é um irmão, é um animal. Toda vez que me vê, ele me joga no ar. Sempre fico com medo que não vá me pegar – a voz de Ruby estava arrastada de sono.

Ele colocou-a na cama e a cobriu.

Demi estava de pé, na porta, observando-os. Sorrindo para ela, ele podia sentir surgirem pequenas rugas ao redor dos olhos. Quando ela devolveu o sorriso, com os cantos de seus lábios carnudos curvando-se para cima, ele sentiu algo desabar em seu estômago.

– Bem, tampinha, prometo que sempre estarei aqui pra te pegar –
Joseph sussurrou, beijando a testa da irmã. Ruby já estava dormindo, sua respiração suave saindo num ritmo tranquilo.

– Sua irmã é um doce – Demi disse, quando ele a encontrou na porta. – É o oposto das minhas irmãs más. Você tem sorte.

– Você tem irmãs?

– Meias-irmãs – ela respondeu. – Gosto de me lembrar que só somos meio parentes. Elas são o demônio encarnado em gêmeas de onze anos. Já acham que sou inferior a elas socialmente.

– Parecem adoráveis – ele arrastou a fala outra vez. Algo brilhou nos olhos de Demi.

– São ótimas. Podemos trocar, se você quiser – isso o fez sorrir. As irmãs dela pareciam exatamente o tipo de criança que tratariam Ruby como lixo.

– O que você está fazendo aqui em cima, aliás? Não deveria estar
enfiando canapés na garganta de convidados indefesos?

Era engraçado como ele se sentia leve, lá em cima com Demi, longe da festa e da multidão.

– Estou numa pausa. Tenho… – Demi olhou o relógio. – Quinze minutos ainda.

– Nossa, tantas coisas que você poderia fazer com esses quinze minutos… possibilidades infinitas – ele sorriu, deixando o corpo roçar contra o dela enquanto saíam no corredor. – Gostaria de ir pro meu quarto?

– Deus do céu! Você não perde tempo, né? – Demi exclamou, fazendo Joseph reexaminar o que tinha dito exatamente.

– Ah, merda, não quis dizer isso – ele torceu as mãos, nervoso. – Sério, não era uma cantada. Não que você não seja bonita ou algo assim. O que quis dizer foi… tenho um PlayStation, um Tony Hawk, e dois controles com nossos nomes neles. Quer se juntar a mim? – ele estava corado agora, chocado com a própria obtusidade e com a resposta dela.

– Nesse caso, como posso recusar? Mas já te aviso que sou
completamente inútil em jogos.

Enquanto Joseph montava o PlayStation no quarto, Demi foi examinar sua estante, observando os CDs como se estivesse tentando descobrir de que tipo de música ele gostava. Ele sorriu quando viu a testa dela franzida de perplexidade. Seu gosto era eclético; era difícil categorizá-lo quando os CDs iam de Puccini a Prodigy.

– Você tem umas coisas legais. Nem quero saber quanto vale essa coleção – ela passou os dedos sobre as lombadas plásticas dos CDs. Joseph suprimiu um sorriso, decidindo que seria tolo contar a ela que essa era só uma pequena parte da sua coleção e que ele tinha milhares de outros CDs em Manhattan.

– Quer ir primeiro? – os olhos deles se encontraram. 

Ele sentou no tapete, encostando as costas contra a cama e dobrando as pernas. Demi foi até ele e sentou-se ao seu lado, abanando a cabeça para recusar o controle oferecido.

– Vai você primeiro, eu assisto e aprendo.

Três manobras aéreas, dois saltos mortais e uma derrapagem depois, e seu “medidor especial” estava completo. Ele fez mais algumas manobras especiais, exibindo-se um pouco para Demi.

– Você faz parecer tão fácil – ela reclamou.

– Tudo é fácil quando você sabe como fazer. Eu não durmo bem, então pratico bastante. Sua vez.

Demi pegou o controle e olhou para a tela da tevê com uma
determinação sombria. O skatista se moveu lentamente sobre o corrimão antes de cair da beirada. Tentando de novo, ela franziu a testa em frustração quando a mesma coisa aconteceu.

– Sou péssima nisso – ela se queixou, encarando a tela.
– Vem cá, vou te ajudar – Joseph fez um gesto para o chão, indicando onde Demi deveria se sentar. 

Ele ficou quase chocado quando ela engatinhou até ele, acomodando-se entre suas pernas e encostando as costas contra seu peito. Envolvendo-a com os braços, ele colocou os dedos sobre os dela enquanto ela segurava o controle, e lhe mostrou quais botões apertar para fazer um salto aéreo.

A sensação das costas dela esfregando-se contra seu peito e da bunda dela contorcendo-se contra sua virilha o deixou instantaneamente duro.

Sua ereção pressionava a coluna dela. Com apenas duas finas camadas de tecido entre a pele deles, ele tinha certeza de que ela conseguia sentir.

Demi virou-se com uma expressão divertida. Ela levantou uma
sobrancelha trocista.

– Você gosta mesmo desse jogo, hein.
– Não leve pro lado pessoal. Fico duro só de assistir National Geographic.

Ela gargalhou, balançando a cabeça. As mãos dele ainda estavam sobre as dela, e ele mostrou como ela podia combinar um salto aéreo com uma derrapagem.

– Nossa! Ganhei pontos especiais. Sou o cara. O. Cara. – Demi se
contorceu de felicidade por ter conseguido algo além de uma queda.

Quando ela se moveu, seu corpo esfregou-se contra a ereção dele, fazendo ele estremecer com o prazer doloroso que o movimento causava.

Olhando para o relógio, Joseph ficou quase aliviado ao ver que a pausa dela tinha terminado.


Sempre Foi Você - Capítulo 1





Demi



31 de dezembro de 1999

A mala já deveria ter aparecido. Ela olhou a esteira de bagagem passar por ela, carregando malas de todos os tipos. Talvez sua surrada mala marrom estivesse com vergonha de ser vista entre as Louis Vuitton e Henk.

Demi conhecia a sensação.

Ela estava roendo as unhas de novo. Elas já estavam comidas, e o esmalte preto que tinha passado apenas dois dias atrás já estava descascando. Sua madrasta não conseguia entender por que ela não optava por uma francesinha “muito mais elegante”, e por que ela não ia regularmente ao salão. Por fim, vendo sua mala descer pela esteira, Demi tentou passar por uma cansada mãe de dois filhos à sua frente. A mulher segurava uma criança pequena em um braço, a outra estava movendo um carrinho ritmicamente para a frente e para trás, como se ninasse um bebê.

– Com licença – murmurou Demi, inclinando-se para apanhar a alça da mala. 

Ela endireitou o corpo enquanto a puxava até o chão cinza de ladrilhos. Estava pesada, cheia de equipamentos de esqui e casacos de inverno. Ela mal tivera tempo de usá-los.

Demi não devia estar viajando hoje. Ela devia estar no chalé de seu pai em Val D’Isere, junto com a madrasta e as meias-irmãs de onze anos. Mas o pai estava decepcionado com ela desde o início. A primeira vez que a olhara bem, tinha torcido o nariz de desgosto.

– Você fez alguma coisa diferente com o cabelo? – o olhar dele estava cheio de decepção raivosa.

Demi tentara disfarçar um sorriso em resposta ao eufemismo da frase dele. Desde a última vez que o vira ela tinha se tornado gótica. Tingiu o cabelo de um ruivo escuro e mudou a maquiagem. Agora tinha a pele pálida e os lábios escuros. Completava o visual com uma saia preta esvoaçante e um espartilho preto apertado.

A lembrança da expressão furiosa de Philip enquanto examinava seu novo estilo fez os lábios de Demi se curvarem em regozijo. Ela ergueu a mala para um carrinho de bagagem, e o peso deixou seus movimentos desajeitados.

Philip estivera quase apoplético com seu novo estilo, e Olivia tinha
decretado que Demi deveria ficar dentro do chalé o tempo todo, temendo que um dos amigos deles pudessem vê-la. Demi deveria ser o segredinho deles durante a semana. Mas depois de dois dias lendo e se empanturrando de chocolate, ela estava entediada.

Ela descobrira que Philip, Olivia e suas irmãs estavam planejando passar o ano-novo na casa de campo de um amigo, a cerca de oitenta quilômetros de Val D’Isere – e ela não estava convidada. Uma briga enorme se seguiu, o que resultou no banimento de Demi do chalé e a colocou no próximo voo para Londres (um gasto considerável para Philip).

Ela jurou para si mesma que, agora que tinha quase dezoito anos, nunca mais se submeteria à tortura de outro feriado alpino. Se seu pai queria passar tempo com a filha mais velha – e, na mente de Demi, isso não era uma certeza –, então teria que ir a Londres para vê-la.

Demi e a mãe eram “pobres de Londres”. Em qualquer outra parte do país teriam vivido confortavelmente, numa casa de tamanho razoável com jardim e garagem. Mas a renda de Diana com planejamento de festas lhes permitia pagar apenas um flat apertado de dois quartos perto de Putney. Desde o momento em que fugira do casamento com Philip Vincent e da sociedade de Manhattan, Diana recusara todo o dinheiro vindo dele. Não se importava que ele comprasse coisas para Demi, mas não aceitava um único centavo para si mesma.

Quando Demi chegou em casa no fim da tarde, estava escuro lá fora. A rua estava iluminada pelo suave brilho laranja dos postes, ladeada por casas vitorianas com varandas de tijolos vermelhos e ornamentadas, com acabamento descascando e paredes decrépitas. Demi amava a fachada requintada daquelas varandas antigamente grandiosas, com seus pórticos brancos e caminhos de azulejos pretos e brancos – elas faziam um contraste nítido com o barulho e a modernidade da vida londrina.

Ela vasculhou a bolsa em busca das chaves, sabendo que Diana estivera fora o dia todo, organizando a festa anual dos Jonas. Embora Demi nunca os tivesse conhecido, sabia que eles estavam entre os melhores clientes de sua mãe. O réveillon era sempre a noite mais atarefada do ano. E o fato de ser a entrada do ano dois mil só deixava as coisas piores.

Demi não estava no flat nem dois minutos quando o telefone começou a tocar. Uma olhada para o visor mostrou que já havia três mensagens na secretária eletrônica. Alguém obviamente estava com pressa para falar com ela ou Diana. Ela sinceramente esperava que não fosse o pai.

– Alô?
– Demi? Graças a Deus você está em casa! Está tudo bem? O voo foi bom? – Diana quase não parou para tomar fôlego. – Querida, três das meninas pegaram aquele vírus de inverno e estão vomitando. Preciso que você coloque um uniforme e venha me ajudar. A festa vai ser um desastre! – ela abaixou a voz para a última frase, e Demi se perguntou quem mais estava no cômodo com ela.

– Certo, me dê o endereço – Demi apoiou o telefone entre a orelha e o ombro enquanto pegava um pedaço de papel.

– Cheyne Walk, número cinco. Em Chelsea. Pegue um táxi e eu pago depois. Ah, e Demi… – a voz de Diana baixou mais uma oitava. – … você pode maneirar no visual? – Demi recitou, sabendo exatamente o que a mãe ia dizer.

Depois de tomar um banho, remover o esmalte e suavizar a maquiagem, Demi conseguiu encontrar um táxi livre. Seu cabelo ruivo-escuro estava preso num coque apertado, e os cosméticos em seu rosto eram suaves e mal perceptíveis. Ela estava usando um uniforme típico de garçonete: saia preta curta com uma camisa branca simples.

Quando chegou à casa, bateu a aldrava pesada de bronze na elegante porta preta algumas vezes. Um homem de uniforme abriu. Ela não o reconheceu, então não podia ser um dos empregados de Diana. Os Jonas eram ricos o bastante para manter empregados em tempo integral.

Quando entrou, o esplendor a fez perder o fôlego. O saguão se abria para os três andares da casa, com uma escada de mármore subindo numa curva para o segundo andar. Bem no meio do chão ornado de azulejos estava a maior árvore de Natal que ela já vira. Luzes brancas discretas brilhavam até a estrela no topo. Devia ter pelo menos seis metros.

– Viu algo que gostou? – a voz arrastada, com sotaque americano, era muito irritante. 

Ela virou a cabeça e viu um jovem ao pé da escada. Sua calça jeans larga e escura pendia quase obscenamente de seus quadris estreitos. Ele usava uma camiseta preta apertada, em que se podia ler Columbia em letras azuis.

O rosto dele… Deus, o rosto dele! O maxilar era largo, os lábios carnudos, o nariz reto e os olhos verdes-musgo. A testa lisa era emoldurada por cabelos castanho-claros cuidadosamente penteados. Ele se parecia com todos os engomadinhos de Manhattan que ela já tivera o azar de conhecer.

Ela inspirou rapidamente, olhando o garoto-Columbia direto nos olhos.

– Não muito. Só estava me perguntando se Charlie Brown estava
sentindo falta de sua árvore de Natal.

Demi virou-se e foi até a cozinha, mal ouvindo a risada dele enquanto se afastava. Ela mordeu o sorriso que estava ameaçando escapar dos seus lábios.

A noite tinha acabado de ficar interessante.

Sua mãe estava no meio da cozinha, com uma colher em uma mão e um walkie-talkie na outra. Aquela não era uma típica cozinha requintada de carvalho e granito. Essa era toda de aço inoxidável com fornos profissionais; o tipo de cozinha que qualquer chef mataria para ter. Era difícil imaginar alguém usando o fogão de dez bocas só para cozinhar um ovo.

– Demi, querida, é tão bom ver você – Diana contornou a ilha central e jogou os braços ao redor da filha. 

Ela relaxou no abraço da mãe, apertando os olhos enquanto sentia a infelicidade e o estresse dos últimos dias evaporar. 

Ela sentira falta da mãe.

– É bom ver você também.
– Estou tentada a ligar pro seu pai e dizer o que penso dele. Não acredito que ele tratou você desse jeito, aquele imbecil arrogante, filho da…
– Mãe, não tem problema – Demi abriu um sorriso encabulado para ela.
– Acho que o discurso que fiz provavelmente foi o bastante para nós duas. Só quero esquecer isso agora.

– Diana, querida, precisa de ajuda com alguma coisa? – uma voz suave veio da porta da cozinha. 

Demi virou-se e viu uma mulher baixinha sorrindo para elas. Seu rosto em formato de coração era emoldurado por delicados cachos castanhos.

– Acho que temos tudo sob controle – Diana respondeu. Demi podia ver os dedos dela cruzados atrás das costas enquanto falava. – Claire Jonas, gostaria de apresentar minha filha, Demi Lovato.

Claire deu um passo à frente, com os braços abertos enquanto
cumprimentava Demi, puxando-a para um beijo no rosto.

– Demi, é um prazer conhecê-la. Ouvi tanto sobre você. E, claro, também conheço seu pai e a mulher dele.

Demi fez uma careta com a menção de Philip e Olivia antes de
rapidamente controlar a expressão.

– É um prazer conhecê-la.

Ela sorriu para a mulher à sua frente. Era pelo menos dez centímetros mais baixa, mesmo usando caros sapatos de salto.

– Que sotaque bonito você tem! E adorei seu cabelo. A cor é tão
interessante.

Normalmente, quando alguém dizia que algo em Demi era
“interessante”, era um insulto disfarçado. Olivia parecia usar bastante essa palavra sempre que Demi estava por perto. Mas o tom de voz de Claire  levava Demi a acreditar que estava sendo sincera.

– Obrigada.
– E preciso apresentá-la à minha família depois. Meu marido, Steven, vai achar você fascinante. Acho que ele é um fã enrustido de Marilyn Manson. E Ruby e Joseph simplesmente vão adorar você.

Claire não parava de elogiá-la. Demi afastou-se da sua anfitriã
americana. Não estava acostumada a ser tratada com tanta gentileza.

– Joseph e Ruby? – perguntou.

– Ruby é minha filha. Tem dez anos e estuda na St. Nicholas.
Demi assentiu. 

Fazia sentido: a St. Nicholas era uma escola cara de Londres. Ela suspeitava que Ruby Jonas seria tão mimada e irritante quanto suas meias-irmãs.

– E Joseph é o filho do meu marido, do seu primeiro casamento. Está no último ano na Columbia. Vou sentir falta quando ele voltar para Nova York – o sorriso de Claire vacilou enquanto ela continuava. – Meu filho, Nathan, está em algum lugar dos Andes tentando “se encontrar”.

– Que descuidado da parte dele se perder num lugar tão remoto – Demi respondeu, fazendo Claire rir.

– Tão parecida com sua mãe – Claire pôs as mãos nas bochechas de
Demi num gesto surpreendentemente íntimo antes de se afastar. – Não se esqueça de falar comigo hoje à noite. Vai ser uma pausa bem-vinda de todas aquelas camisas engomadas.

– Trago um enroladinho de salsicha pra você – Demi piscou para Claire, e então se virou para a mãe perguntando o que precisava ser feito.

Entre a mãe amigável, o filho bonito e engomadinho e o pai amante de Marilyn Manson, Demi pensou que poderia gostar daquela família.