26/12/2014

Papai por um Tempo - Capítulo 26 (Último)






Demetria voltava para dentro de casa após ter certeza de que Maggie pegara sua carona para a cidade de forma segura, quando algo estranho lhe capturou a atenção. Algo pequeno, redondo e claro, brilhando sob o sol, no jardim.

Ela, Maggie e o bebê tinham se mudado para Denver havia duas semanas, e ainda restava muito que fazer para tornar aquela casa alugada térrea, de três quartos, um lar de verdade.

Com o pé no primeiro degrau da varanda, Demetria se perguntou se não deveria começar a arrumação naquele mesmo momento. Bel dormia no quarto da frente, e a manhã estava tão linda!... Tão diferente do dia em que elas se encontraram pela primeira vez.

No dia em que o dínamo Joseph Jonas entrara em sua vida.
Para depois sair do mesmo modo, Demetria completou em pensamento, enquanto se dirigia para o estranho objeto no jardim.

Ajoelhou-se, afastou a cama de folhas secas que se formara em torno do vidro que brilhava e, em num piscar de olhos, a realidade se impôs. Ela examinou a peça de todos os ângulos, sentindo o estômago se apertar e os pensamentos em um turbilhão. Não era um objeto de vidro qualquer. Era uma réplica do globo de neve que Joseph lhe dera, porém a cena dentro desse era diferente: um homem e uma mulher vestidos de noivos, do lado de fora de uma capela. A mensagem fora gravada numa plaquinha dourada: “Case-se comigo.”

Surpresa, Demetria sentou-se de lado e quase deixou cair o globo. Joseph havia estado ali para deixar aquilo. Mas, quando? Como? O que ela deveria pensar, fazer, dizer?

— Encontrou minha surpresa.

Ao som da voz profunda e familiar, Demetria se virou. Joseph estava a menos de um metro dela, vestindo uma calça jeans e uma sexy camiseta branca. Ela tentou falar, contudo sua mente rodava numa mistura de surpresa, afronta... e esperança.

Estendeu o globo, trêmula.

— Se está propondo um casamento de conveniência, eu já disse que a resposta é “não”.
— Não perdeu a marra, não é mesmo?
— Não tente virar o jogo, Joseph. Eu já pedi que nos deixasse em paz. — Para que ela pudesse se curar dele. Para que pudesse esquecer. E ele não só ignorava isso, como tentava se aproximar mais.
— A sra. Dale me contou que ela e o marido vão se aposentar e se mudar para um apartamento. — Joseph prosseguiu sem parar: — Ela me perguntou se eu sabia de alguém que quisesse ficar com Cruiser, e eu disse que sim

A imagem do lindo e gigantesco cachorro lhe veio à cabeça, e Demetria esboçou um sorriso.

— Vai trazer Cruiser para Nova York?
— Não exatamente. Também conversei com James Dirkins e fiz a ele a proposta que você me sugeriu: perguntei se ele aceitaria uma sociedade no hotel. Dirkins levou menos de dois segundos para concordar. Disse que seria a solução perfeita e que está ansioso por trabalhar comigo.
— Fico feliz por ele — falou ela, sincera. — Mas onde entra Cruiser nessa história? Por acaso Dirkins está querendo um cachorro?
— Cruiser vai ficar comigo. Também estou me mudando para cá. — Enquanto ela o fitava, incrédula, Joseph tornou a colocar o globo em sua mão. — O que nos leva a isto.

Quando ele sacudiu o objeto, e a “neve” começou a cair sobre a cena feliz, Demetria balançou a cabeça.

— Não, Joseph.
— Ainda não escutou o que eu tenho a dizer.
— Nem é preciso. Não vou ser de ninguém por conveniência. Maggie, Bel e eu estamos nos virando muito bem. Kate me contratou como freelance para fazer a edição da Story, o que eu posso fazer daqui. Também tenho outras duas editoras interessadas no mesmo tipo de serviço.

Joseph, entretanto, não parecia estar prestando atenção. Ao contrário, parecia mais concentrado em desenroscar a base do globo. De um compartimento secreto, tirou um anel cuja pedra era da cor dos olhos dela e rodeada por diamantes.

Demetria emudeceu.

— Só pode estar louco.

Ele segurou a mão dela.

— Estou falando de um casamento com base em respeito mútuo. Uma união baseada em amor, Demetria. No meu amor por você, e no seu por mim. — Os olhos escuros capturaram os dela. — Quero que seja minha mulher. E quero isso independentemente de haver uma linda menininha precisando de nós.

Por um doce momento, as palavras dançaram na mente de Demetria. Joseph queria um casamento de verdade? Aquilo não fazia sentido! Não depois de tudo o que ele havia dito. Não depois de ter deixado claro que nenhum tipo de relacionamento se interporia entre ele e sua carreira. Afinal, o casamento falido de seus próprios pais era um exemplo para ele.

— Joseph... Se quer o melhor para Bel, se realmente me ama...
— Amo.
— Então tem que ir embora agora. Nós duas precisamos de estabilidade, e não apenas financeira.

Ele assentiu com um gesto de cabeça.

— Eu já disse ao meu pai, e a todo mundo, que não quero mais ser o presidente da empresa, Demi. Na verdade, acabei de renunciar ao cargo.

Demetria piscou conforme absorvia as palavras. Aquilo não podia ser verdade.

— Mas você é a alma dos Hotéis Jonas!
— Era. Agora sou o futuro pai de Bel e seu futuro marido. Quero dizer... se disser “sim”.
— Joseph, isso é uma loucura. Precisa pensar no que está fazendo!
— Não fiz nada nos últimos dias além de pensar. Agora é hora de agir. — Ele a envolveu pela cintura. — Eu amo você, e isso é mil vezes mais importante do que liderar uma empresa. Como pode ver, descobri que sou exatamente como os meus irmãos. Quero sossegar, ter uma família. — Joseph a beijou no canto da boca. — E quero isso com você. Só com você.
— E quanto a Bel? — balbuciou Demetria, atordoada.
— Ela vai ser a joia da nossa coroa. O final feliz para a nossa história.

Os olhos de Demetria se encheram de lágrimas.

— Eu sempre quis isso! — confessou ela, com um suspiro.
— E eu sempre quis você.
— Tem certeza?

Joseph sorriu.

— Tenho tanta certeza que chega a ser assustador.

O coração de Demetria batia forte, e era como se isso não fosse suficiente. Ela mal conseguia respirar. Mal podia acreditar.

— Você me ama, mesmo?
— Até a morte.

O soluço que Demeria tinha preso na garganta escapou, por fim, em meio a um sorriso. De repente, ela se sentia tão completa que parecia prestes a explodir.

— Eu nunca disse, mas eu também amo você!

Perdidamente. Do fundo da alma. Ela quase havia morrido ao pedir que ele fosse embora naquele dia. Nunca imaginara que fosse vê-lo outra vez.
Joseph deslizou o anel em seu dedo e levou sua mão aos lábios.
Demetria percebeu que tinha o rosto banhado pelas lágrimas. Pela primeira vez na vida, sentia-se completa.

Quando ele a abraçou, ela conseguiu falar:

— Espero que nunca sinta falta da sua antiga vida.
— Não vou sentir — afirmou ele sorrindo e, depois de provar isso com palavras doces, cobriu-lhe a boca com a dele.


---------------------------------------------------------------------------

Ownnnn ... acabou!!! Que indo ele veio atrás dela <3 so cute né? kkkkk fofos
Bom, agora falta só o Epílogo!
GOSTARAM da fic??? espero que sim >.<


2 comentários:

Sem comentários ........... sem capítulos!