03/09/2014

Meu Erro Favorito - Capitulo 49







Eu cheguei antes dele na aula de sexualidade humana, então eu peguei o meu e-reader e fingi estar distraída naquilo que eu estava lendo. Eu nem mesmo sabia o que era.

— Srta. Lovato. — uma voz disse ao meu lado, me fazendo sorrir descontroladamente.
Eu tentei segurar.
— Sr. Jonas. Que maravilha te ver novamente.
— O que te traz aqui nesse dia adorável? — Ele passou por mim e sentou-se, me dando um beijo na bochecha. Meus lábios queriam mais, mas eu não queria parecer uma vadia.
— Eu estou aqui para estudar as práticas sexuais dos humanos. E quanto a você?
— O mesmo. Que coincidência.
— Não é? — ele beijou minha bochecha novamente.
— Ei, baby.
— Ei.
— Eu senti sua falta.
— Eu também senti sua falta.

Ele entrelaçou nossos dedos enquanto Marjorie entrava e começava sua aula.
Se eu pensei que teria dificuldade em me concentrar sem o Joe na aula, era ainda pior quando ele estava lá. Ele ficava sussurrando para mim, me tocando e fazendo eu me lembrar da noite anterior.

— Você quer parar? — eu sussurrei enquanto eu tentava tomar notas, e ele enfiou a língua na minha orelha.
— Por que, isso te incomoda?
— Você está interferindo com o meu aprendizado, Sr. Jonas.
— Esse é o ponto, Srta. Lovato.
— Eu terei que te denunciar para a Marjorie.
— Vá em frente. Eu tenho certeza que ela aprovaria que nós temos uma vida sexual saudável.
Eu dei um beliscão na perna dele.
— Da próxima vez, eu vou beliscar outra coisa.
— Talvez eu goste disso.

Eu parei de falar nesse momento e voltei a tomar notas.

— Você é uma má influência, Sr. Jonas. — eu disse quando a aula acabou.
Ele assentiu.
 — Eu tento ser, Srta. Lovato.

Ele veio em minha direção e me deu um grande beijo.
Eu ouvi alguém fazer um barulho de nojo atrás de nós.

— Pronta para ir? — ele disse.
— Claro.
Eu caminhei com ele até a biblioteca, onde ele tinha um turno, e então eu voltei para o apartamento.
— Meu Deus, ela está viva? — Miley disse quando eu entrei pela porta.
— Por pouco. — Conforme o dia foi passando, eu fiquei mais dolorida, especialmente ficando sentada por tanto tempo. Eu havia tomado medicação para a dor, mas eu ainda tinha uma pontada toda vez que eu me mexia.
— Detalhes, agora. — ela disse, apontando para a parte do sofá que não estava coberta de livros e cadernos.
— Onde o Liam está?
— Ele tinha um seminário de geologia, e não mude de assunto.
— A Selly?
— No trabalho. — Eu me sentei com um mínimo de dor. — Um pouco dolorida, então?
Eu corei e assenti.
— Bom para você. Significa que você fez certo. Eu chorei na minha primeira vez, mas isso provavelmente foi porque eu tinha quinze e nós não tínhamos idéia do que infernos nós estávamos fazendo. — Eu não conseguia imaginar. — Você foi esperta em esperar.
— Como você sabia...?
— Querida, eu não sou idiota. Você tinha virgem escrito na sua testa. — Eu nunca havia falado diretamente para elas, mas eu acho que devia estar bem óbvio.
— Então, como foi?
— Bom. — eu disse, sorrindo.

Joe teria ficado bravo comigo. Bom não era a palavra certa para descrever, mas eu não queria dividir o nosso momento especial com ninguém.

— Ah, deve ter sido mais do que bom.
— Talvez tenha sido.
— Como eu disse, apenas me avise quando eu precisar de fones de ouvido. Esse apartamento é seu e eu espero trazer o Liam aqui, se você concordar com isso.
Agora eu teria.
— Claro.
— Ótimo. — Ela fechou o livro com um baque. — Estou tão feliz por você.
— Obrigada, Smile.
— Deus, esse apelido nunca vai morrer.
— Eu sou baby agora, então eu sei como você se sente.
— Uhhhhh, baby. Isso é tão fofo.
— Ninguém deixa Baby de lado.
— Só o Joe.
— Nem mesmo ele.
— Boa menina. Você usa as calças.
— Uso.
— Você já foi no seu médico?
— Hum, não.
— Mas você toma anticoncepcional, certo?
— Sim.

Eu tinha TPMs terríveis desde que eu era muito nova, então logo que eu pude eu comecei a tomar a pílula para regular os meus hormônios. Eu estou tomando há tanto tempo que já é segunda natureza.

— Bem, apenas tome cuidado. Infecções do trato urinário não são divertidas.
— Eca.
— Tem suco de mirtilo na geladeira. Vá ver seu ginecologista. Isso é tudo que você tem que fazer. Eu só estou cuidando do seu bem-estar vaginal.
 Isso me fez corar.
— Obrigada.
— Disponha, garota.

Ela assentiu e voltou ao seu dever, como se nós não tivéssemos acabado de falar sobre o meu bem-estar vaginal.
Eu tomei nota de ligar para o meu médico para marcar uma consulta. Cuidado extra nunca era demais.
Eu imaginei que o dever de casa era uma boa para mim, então eu fiz um monte deles enquanto o Joe não estava. O meu edredom ainda estava molhado, então eu o coloquei na lavanderia do andar de baixo. Eu ainda iria comprar outro, porque o sangue não tinha saído completamente.
Quando ele voltou do trabalho, era hora do jantar e o Liam estava aqui. Nick havia decidido se juntar a nós antes de ele pegar a Selly no trabalho.

— Então, nós temos um anúncio a fazer. — Joe disse, pegando minha mão e segurando-a para o mundo ver. — Nós estamos juntos. Não estamos, baby?
— Contanto que você pare de me chamar de baby.
— Você sabe que adora.
— Não muito.
— Tá bom, tá bom, chega de fofura, nós entendemos. — Miley disse.
— Ah, vamos lá, Ne. Seja legal. — Liam disse.
— Eu acho que é ótimo. Bem vinda à família, Dem. — Nick me deu um grande abraço. — Não que você já não fosse parte dela, mas eu sei que a Hope ficará emocionada e Harper ficará felicíssima.
— Obrigada.

Joe me puxou para seu peito, me balançando de um lado pro outro e me dando outro beijo. Era como se nós não tivéssemos o suficiente um do outro.

— Ok, jantar. Eu tenho arroz e vegetais e molho teriyaki. Então acho que vai ser refogado. Alguma objeção? — Joe disse.
Nós balançamos a cabeça.
— Refogado será.

Joe dividiu as tarefas, me dando a tarefa de cortar a pimenta. Eu era realmente boa nisso, aparentemente. Nós nos ocupamos na cozinha, empurrando um ao outro e rindo e fazendo uma bagunça em geral.
Quando nós finalmente sentamos, já era bem tarde para o jantar. Joe reivindicou a poltrona, e eu reivindiquei o colo dele.
Ei, era o melhor lugar da casa.
Meu telefone soou com uma mensagem da Dallas.
Eu li, mas não era nada demais.

— Você está bem? — Joe não havia visto a mensagem.
— Sim, tudo bem. Eu apenas tenho que ligar para ela depois.
— O que vocês estão sussurrando aí? — Miley disse, apontando seu garfo para nós.
— Sua mãe. — eu disse.
— Ei, não ouse insultar a minha mãe.
— Ah, mas não tem problema se for você? — eu disse.
— Você não teve que passar dezoito anos da sua vida com ela.
— História verdadeira. — eu disse.

Eu não fui com o Joe para o chuveiro, eu não me senti confortável em fazer isso quando a Miley e o Liam estavam na sala estudando. Joe também tinha vários trabalhos de economia que ele estava enrolando para fazer. Nós tivemos outra sessão de estudos depois do meu banho.

— Sabe, se eu copiasse minhas anotações na sua pele, eu aposto que eu aprenderia muito melhor. — ele disse.
— Você teria que escrever com letras bem pequenas. Não há muito de mim para se escrever em cima.
— Ah, eu tenho certeza que eu encontraria um lugar.
— Eu vou voltar a estudar agora.
— Eu também.

De alguma forma, nós dois voltamos a estudar e conseguimos adiantar algumas coisas. Selena enfiou sua cabeça pela porta, dizendo oi e que ela estava feliz por nós. Ela estava exausta e o Nick decidiu passar a noite com ela, e o Liam estava levando a Miley para o apartamento dele.

— Nós precisamos arrumar um lugar só nosso. — Joe disse.
— O quê?
— Bem, eu perdi a aposta, então eu deveria ir embora. Só que eu quero te levar comigo. Eu tenho bastante dinheiro para ter um lugar.
Eu fechei meu livro com força.
— De jeito nenhum. Primeiramente, eu não vou deixar você comprar um apartamento para mim. Segundo, eu não vou deixar você comprar um apartamento para mim. Terceiro, você vai dar esse dinheiro para alguém que precisa.
— Seria nosso apartamento. Grande diferença.
— Eu já paguei para morar aqui. E o que aconteceu com o cara que não queria o dinheiro?
Ele deu de ombros.
— Você me fez perceber que não era apenas o dinheiro. Ele não representa aquela noite e o que aconteceu. Meu pai trabalhou muito por aquele dinheiro, e ele o deixou para mim. Eu deveria fazer alguma coisa com ele.
— Bem, você deveria. Dê a um abrigo que cuida de violência doméstica.
Ele estalou os dedos.
— Essa é uma boa idéia. Mas eu ainda tenho bastante para um apartamento ruim para nós dois.
— Não vai acontecer.
— Nós veremos quando eu conhecer a sua mãe nesse final de semana.
— Não ouse mencionar isso a ela. Ou à Dallas.
— Sem promessas, baby.
— Pare de me chamar assim.
— Sem promessas, Missy.

Eu suspirei pesadamente e fechei o resto dos meus livros. Pelo jeito eu havia terminado os deveres. Isso me fez pensar em outras coisas que nós poderíamos fazer com o nosso tempo.

— Eu tenho algo para você. — ele disse, levantando e pegando as chaves do carro dele. — Eu estava esperando até que ninguém estivesse por perto. Apenas fique aqui. Eu já volto.
Alguns minutos depois ele voltou com um edredom novinho e um jogo de cama.
— Eles não tinham o de pavão, mas eu encontrei um online, então eu fiz o pedido. Até que ele chegue, eu comprei esse. Eu imaginei que as cores estavam próximas. — O edredom era turquesa e os lençóis eram de um verde e um azul escuro.
— Você não precisava ter feito isso.
— Eu fui responsável por ter estragado o último jogo, então eu acho que era o mínimo que podia fazer.
— Você tem que parar de me comprar coisas.
— Não, eu não vou. Vamos lá, eu te ajudo a colocá-los.

Minha cama já estava sem nada, então foi necessário pouco esforço para deixar a cama arrumada novamente.

— Obrigada. — eu disse dando um abraço nele.
— Qualquer coisa pra você.
— Eu provavelmente deveria ligar para a Dallas.
— Você quer um pouco de privacidade? Eu preciso tomar um banho de qualquer forma.
— Obrigada.

Sentei-me na minha cama recém-feita para chamar Dallas.

— Ei, o que foi?
— Nada exceto que eu estive ligando, ligando pra você e você não me ligou de volta.
— Eu te mandei mensagem.
— Eu sei, mas eu precisava ouvir sua voz, Kid.
— Eu sinto muito, Dall.
Ela suspirou.
— Está tudo bem. Eu só queria te dizer que eu falei com o Sr. Woodward. A audiência é em duas semanas, e nós duas vamos poder fazer uma declaração perante ao conselho de liberdade condicional. Nós só podemos levar familiares próximos, então será apenas nós e a mãe e o Sr. Woodward.
— Ok. Travis estará lá, no entanto, certo?
— Sim, ele estará lá.
— Eu não sei se eu consigo.
— Sim, você consegue. Você o encarou naquela noite, e você pode novamente. Ele não pode mais te machucar. Ele não pode mais machucar nenhuma de nós. Você sabe que eu tenho uma arma só para garantir. Eu iria te dar aquelas aulas de tiro no Natal, mas você pode precisar delas mais cedo. Talvez o Joe possa te levar.
— Que encontro mais romântico.
— Ei, o casal que atira junto, fica junto.
— Até que um deles atire no outro.
— Bem, não de propósito.
— Algumas vezes eu quero dar um tiro nele.
— Os homens são assim. Não pode viver com eles, não pode viver sem eles.
— Você encontrou alguém que alcança seus padrões?
— Bem, há um cara novo na firma. Ele é outro assistente jurídico, então é completamente contra as regras para eu até mesmo pensar na idéia de namorar com ele, mas ele é bonitinho.
— Quantos anos?
— Ele é mais novo que eu, mas ele não age desse jeito. Ele me pagou almoço no outro dia sem motivo nenhum.
— Deve ser amor.
— Deve ser. — Há uma pausa enquanto eu ouço o chuveiro ser desligado. — Ei, ficará tudo bem. Eu te deixei na mão naquela noite, mas eu nunca mais vou fazer isso de novo.
— Você não me deixou na mão. Se você não tivesse batido nele com o taco, ele teria... — Eu não conseguia dizer o resto.
— Eu não deveria ter levado ele para casa.
— Olha, Dall, eu não quero discutir contigo agora. É inútil. O que está feito, está feito e tudo o que nós podemos fazer é seguir em frente.
— Uau, quem é você e o que você fez com a minha irmã?
— Eu apenas tenho uma nova perspectiva de vida.
— Você transou, isso sim.
— Por que todo mundo acha que tudo é a respeito de sexo?
— Algumas vezes, Kid, é.
— Que seja.
— Escuta, nós temos que nos encontrar com o Sr. Woodward na próxima semana. Você acha que pode vir aqui?
— Eu terei que perder aula.
— Você realmente não tem escolha. Eu posso conseguir que ele te dê uma licença.
— Ok. Me avise do horário.
— Aviso.

Nós desligamos quando o Joe voltou. Eu tive que me segurar para não agarrar seu corpo molhado e sexy.

— Você parece que está me querendo. — ele disse.
— Eu quero.
— Eu achei que você ainda estava dolorida.
— Eu estou, mas você disse que há outras coisas. Talvez nós pudéssemos tentar outras coisas?
— Se você quiser. Eu não achei que você fosse estar pronta para isso ainda, mas se você quiser, eu não vou dizer não.
— A menos que você ache que nós devemos ir para cama, porque nós poderíamos fazer isso.
— Você está brincando? — Ele mergulhou na minha direção e me agarrou, me jogando na cama dele e me beijando até não querer mais.
— Poderia ser assim o tempo todo, sabia? Apenas eu e você.
— Você não vai comprar um apartamento para nós.
— E se eu fizer você ter um orgasmo cinco vezes por dia, todo dia?
— Eu não seria capaz de andar, com certeza.
— Mas você deixaria eu alugar um apartamento para nós?
— Não.
— Tudo bem. Sem mais conversa. Eu quero mais amor.
— Eu também. — eu disse contra os lábios dele.
Nós fomos mais devagar dessa vez, beijando mais e aproveitando o nosso tempo.
— O que você quer? — ele disse enquanto tirava a minha camiseta.
— Você.
— Eu sou todo seu. Me diga o que você quer.
Eu o beijo com força, quase mordendo o seu lábio.
— Calma garota. — ele disse, abrindo o fecho do meu sutiã. Eu decidi usar um sutiã mais sexy com renda preta que não havia passado pela máquina de lavar muitas vezes.
— E quanto a isso? — Ele deslizou sua mão pelo meu estômago e embaixo do meu shorts.
— Isso é bom. — eu disse e meu corpo respondeu.
— Bom? Ok, eu quero tentar outra coisa. Algo que eu acho que você vai realmente gostar.

Ele foi descendo pelo meu corpo, beijando e chupando até eu estar uma bagunça trêmula. Ele foi mais para baixo e comecei a tirar meu shorts.

— Você se trocou. — ele disse, encarando o conjunto de calcinha e sutiã de renda que eu havia colocado mais cedo.
— Surpresa. — eu disse. Eu não estava com vontade de falar mais do que uma palavra de cada vez.
Não havia sangue suficiente no meu cérebro.
Ele me beijou lá, e eu comecei a me apavorar um pouco, agarrando as orelhas dele.
— Ei, está tudo bem. Eu prometo. — ele disse, olhando para cima.
— Você tem certeza?
— Sim.
Alguns momentos depois quando ele tirou minha calcinha, eu tinha bastante certeza.
— Cristo. — Ele riu, o que tornou tudo ainda melhor.
Tudo o que eu podia fazer era me segurar e esperar que eu não me despedaçasse em milhões de pedaços. Eu certamente sentia que isso iria acontecer. Diversas vezes.
— Satisfeita? — ele disse um pouco depois.
— Onde infernos você aprendeu a fazer isso?
— No acampamento.
— Cala a boca. — Meu corpo ainda tremia com os tremores secundários. Se o apartamento pegasse fogo naquele momento, eu não teria sido capaz de me mover.
— Prática. Você gostou?
— Muito.
Ele se arrastou de volta pelo meu corpo e tentou me beijar, mas eu achei isso um pouco estranho.
— Um passo de cada vez. — Ele beijou minha testa em vez disso. Ele moveu para as minhas bochechas e então pelo meu pescoço e os meus ouvidos e finalmente, meus lábios ficaram solitários, então eu movi minha cabeça para que ele pudesse me beijar.
Não foi tão estranho quanto eu havia pensado.
— Você nunca saberá até você experimentar. — ele disse contra a minha boca, sorrindo. Apesar do fato de que beijar o Joe era explosivo, as minhas pálpebras começaram a pesar.
— Eu te cansei?
— Um pouco. Eu sinto como se devesse retribuir.
— Amanhã.
— Ok.
— Durma agora. — Ele beijou minhas pálpebras e puxou o edredom por cima de nós. Eu nunca havia visto vantagem em dormir nua, mas eu via agora.
— Boa noite, baby.
— Boa noite, Joe. Eu te devo um boquete. — eu disse através de um bocejo.
— Então eu espero viver até amanhã.

Eu me acomodei em seu peito e pensei em como rapidamente a vida podia mudar, e quão boa ela podia ser.

-------------------------------------


Momentos cuteis de Jemi >.< 
São fofos né  hehehe'

COMENTEM!!!

11 comentários:

  1. aaaaaaaaaaaaaaaameiiii,demi safadinhaaaa. Tem como você divulgar e da uma passa no meu blog e da sua opnião?beijos. http://jemialways.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Suhsugsjhsgsh cara, eu to rindo kkkkkkkkkkk
    "- Boa noite, baby.
    — Boa noite, Joe. Eu te devo um boquete. — eu disse através de um bocejo." KKKKKKKK FALA ÉPICA!
    Eles são tão fofos, essa história vai acabar com um pedido de casamento, eu acho né? Cara, eu estou pensando na possibilidade do Travis aparecer antes da audiência... será?
    Beijos e poste muuuito mais

    ResponderExcluir
  3. perfeitoooo kjsk morri com a última fala da demi

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkk eu to rindo muitoo
    "boa noite joe.eu te devo um boquete"kkkkkkkkkkkk essa parte foi foda...
    posta mais please,quero saber oque vai dar la com o travis !!!e o jantar na casa da diana

    ResponderExcluir
  5. Demi safada kk
    Adoreii
    Posta logoo bebê
    Beijoss

    ResponderExcluir
  6. Demetria Demetria hahaha ta muito bom o capitulo posta logo
    Ass:Alice

    ResponderExcluir
  7. demi safadenha uahuahsh
    quero so ver quando a mae e irma da demi ver o joe *-*
    imagino o quao engraçado vai ser haha'
    posta llogo pls

    ResponderExcluir
  8. posta logooo pf ta perfeitooo

    ResponderExcluir
  9. "Eu te devo um boquete" kkkkkk aaaa ta tão perfeito! Posta logo

    ResponderExcluir
  10. Mlr, vc vai mesmo desistir do blog é?! Eu to com saudades ja!!! Quero mais capitulo,posta looooogo por favor!!!!!!

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!