30/08/2014

Meu Erro Favorito - Capitulo 47





Joe pensou por um momento, e eu quase podia ouvi-lo tentando escolher as palavras certas.


— Eu queria poder matá-lo lentamente, da maneira mais dolorosa possível. — ele disse.
— Eu também. — Eu imaginei mais vezes do que eu poderia admitir.
— Obrigado por me contar.
— Agora você sabe por que eu sou tão estragada.
— Você não é, esse que é o negócio. Você passou por algo que a maioria das pessoas nem pode imaginar. Não fique envergonhada da maneira como você lida com isso.
— Eu não estou lidando com isso, de acordo com os meus terapeutas. E foram muitos.
— Eles que se danem. Se quebrar coisas e dar soco nas pessoas de vez em quando te ajuda, eu serei o seu saco de pancada e nós podemos arrumar algumas coisas para jogar do telhado. Combinado?
— Ok.
— Então ele está em liberdade condicional?
— Sim, vai haver uma audiência. Meu advogado ligou.
— Mas você vai poder ir, certo? Dar uma declaração?
— Sim.
— Ok, então. Nós apenas teremos que te preparar para dar um bom testemunho.
— Eu não posso.
— Por quê?
— Eu não posso encará-lo de novo. — Mais difícil do que contar pra ele a história era contar isso.

Que eu era uma covarde.

— Sim, você pode. Você apenas acha que não. Há uma diferença.
— Mas eu não consegui encará-lo na época. Ele estava estuprando a minha irmã, e eu não fiz nada. Eu poderia ter ido atrás de um telefone; eu poderia ter corrido e batido nele com algo. Eu poderia ter feito alguma coisa. — eu disse.
— Você era uma criança.
Eu tentei balançar a cabeça, mas ele não me deixou.
— Eu deveria ter feito algo.
— Eu deixei o meu pai dar um tiro na minha mãe e então nele mesmo. Se alguém deveria ter feito alguma coisa, sou eu.
— Ele tinha uma arma.
— Ele tinha sua irmã.
— Não é a mesma coisa.
Ele suspirou.
 — Demi, nós podemos ficar tentando analisar as possibilidades até a morte, mas não adiantará nada. A única coisa que nós podemos fazer é continuar seguindo em frente, mesmo quando parece que você está andando no cimento.
— Com blocos de concreto nos seus ombros.
— Exatamente.
— A única diferença é que o seu demônio tem forma humana. — A mão dele viajava pelo meu braço em um movimento apaziguante.
— Mesmo assim me desculpe por ter batido em você. — eu disse, tocando seu rosto perfeito.
— Como o meu rosto está?
Eu olhei para cima. Ele iria ficar bem bonito amanhã.
— Um pouquinho espancado.
— Tudo bem. Eu apenas direi pra todo mundo que eu tive uma briga no bar.
— O que, você tem vergonha de dizer que você apanhou de uma garota?
— Não, mas eu estou preocupado que você irá presa por violência doméstica. — ele disse com um sorriso.
— Ok, tudo bem.
— Está se sentindo melhor?
— Eu acho. Depois te falo.
— Tudo bem estar assustada.
— Eu odeio ficar assustada.
— Eu sei. Mas você não tem que ter medo dele. Ele está preso agora, e você não está sozinha. Eu quero que você lembre disso. Você. Não. Está. Sozinha.

— Eu sempre estive sozinha. Antigos hábitos são difíceis de matar.
— Sim, é verdade. — Ele riu um pouco. — Você está cansada?
— Não muito.
— Então você se importa se eu apenas te abraçar assim? Está bem bom.
— Sim, está. — Eu me mexi para que eu pudesse entrelaçar minhas pernas com as dele, como nós tínhamos feito na noite que passamos juntos.
— Bem, assim é até melhor.
— Joe.
— Desculpa, Miss.
— Toda vez que eu penso fazer algo com alguém, tudo que eu me lembro são as mãos dele e o rosto dele acima do meu, e não ser capaz de respirar. Eu sei que eu não deveria associar essas coisas, mas eu faço isso e eu não consigo mudar. Toda vez que eu penso em sexo, é nisso que eu penso. É por isso que eu nunca estive com alguém. Bem, parte da razão. Eu apenas nunca conheci ninguém com quem eu quisesse tentar isso.
— Até eu? Por favor, diga até eu.
— Até você. — Eu estendi a mão e toquei um ponto que estava começando a ficar roxo em sua bochecha. — Mas eu sou uma louca. Você não deveria me querer.
— Eu não quero ninguém a não ser você.
— Você apenas terá que ser paciente comigo. — eu disse, traçando seu rosto com um dedo.

Ele pegou minha mão e a beijou.

— Eu farei o meu melhor. Não estou fazendo promessas.
— Que tal isso? — Eu disse, tendo uma idéia. — Nós termos uma palavra que eu posso dizer quando eu começar a me apavorar.
— Como uma palavra de segurança? Amor, você tem lido muitos romances suspeitos, não é? Eu os vi no seu e-reader.
— Que seja. Ok, então qual deveria ser a minha palavra de segurança?
— Que tal pare?
— Chato. — Eu falei várias palavras.
— Erro. — Joe disse, sorrindo.
— Perfeito. — Ele segurou minha mão na frente de seu rosto, virando de um lado pro outro, como se ele estivesse fascinado.
— Você tem mãos tão pequenas. — ele disse.
— Hum, obrigada?
— Elas são uma gracinha e femininas. Eu gosto delas.
— Eu acho que eu vou ficar com elas. Eu não tenho o comprovante de pagamento da loja de mãos então eu não posso trocá-las.

Ele riu, o peito dele se movendo embaixo de mim de uma maneira deliciosa. Ele me encarou e sorriu, trazendo minha mão até seus lábios. Ele beijou cada dedo e então as costas da minha mão. Ele virou minha palma para cima e a beijou. Ele se demorou, como se estivesse esperando que eu dissesse a palavra de segurança.

Eu não falei.

Joe beijou o meu braço, todo o caminho até a parte interna do meu cotovelo, que era surpreendentemente sensível. Ele esperou antes de colocar uma mão embaixo do meu queixo e inclinar minha cabeça para cima. Ele se aproximou tanto que nossos narizes se tocaram antes de ele tentativamente beijar meus lábios. Afastando-se, ele esperou que eu dissesse a ele para parar.

Eu não disse.

Ele alcançou meus lábios novamente, desta vez se demorando. Eu o beijei em resposta, movendo minha boca para que ela se encaixasse na dele. Como nós nos encaixávamos tão bem? Joe se afastou novamente, e eu abri meus olhos.

— Eu vou te beijar agora, e eu não vou parar.
— Eu não quero que você pare.
— Ok, então.

 Ele trouxe o meu rosto na direção dele novamente e abriu sua boca enquanto eu abria a minha para aprofundar o beijo. Naquele momento, eu queria me arrastar para dentro dele e me esconder. A língua dele entrou em minha boca, e eu o deixei. Eu não poderia realmente usar a palavra de segurança porque a minha boca estava ocupada. Eu não queria usá-la de qualquer forma.
Joe me puxou para mais perto, entrelaçando nossos dedos enquanto ele mordiscava o meu lábio inferior.
Por um momento, ele se afastou para que nós dois pudéssemos respirar.

— Quer que eu pare? — ele disse.
— Não.
— Então eu sugiro que nós movamos isso para o nosso quarto. Sua cama ou a minha?
— Minha. — eu disse.

Ele saiu debaixo de mim e me pegou, beijando meus lábios enquanto ele fazia isso.

— Sem beijar e andar, okay. Eu não quero te machucar. — ele disse enquanto ele me carregava de volta para o nosso quarto. Ele quase tropeçou em algumas camisetas, mas ele me levou até a cama e então seus lábios estavam de volta nos meus. Eu movi para o lado para que ele pudesse subir.
Malditas camas pequenas.

Antes que ele continuasse, ele segurou meu rosto em suas mãos.

— Você tem certeza?
— Nesse momento, sim. — Eu não sei se eu mudaria de idéia.

Beijar era legal e tudo estava indo bem, mas quando as roupas começassem a sair, e outras áreas começassem a ser exploradas, eu não tinha certeza se a sombra feia daquela noite horrível iria me engolir novamente.
Em resposta, ele me beijou novamente, e então sentou-se, puxando a barra de sua camiseta.

— Eu quero fazer isso. — eu disse, me apoiando nos cotovelos.
— O seu desejo é uma ordem, princesa.

Eu nunca tinha tirado a camiseta de um cara antes, mas camisetas de meninos não eram muito diferentes das femininas, certo? Os dois tinham os buracos para os braços e eram feitas de algodão e tudo isso. O quão difícil poderia ser? Eu comecei a puxá-la, e ele colocou os braços para cima. Ela meio que ficou presa no nariz dele, mas ele se mexeu para que ele pudesse colocar sua cabeça antes de ele a arremessar no chão.

— Nós teremos que praticar essa parte. — ele disse, voltando para outro beijo.

Ele se moveu até a minha orelha, o que me fez rir, e então desceu até o meu pescoço. Ele alcançou a barra da minha camiseta, sem tirar os olhos de mim e esperando eu dizer a palavra. Eu coloquei meus braços para cima. Ele tirou a camiseta com mais elegância do que eu, mas ele havia tido prática.

— Metido. — eu disse enquanto ele me olhava.

Eu estava apenas com o sutiã, e não era um muito sexy.

— Um piercing no umbigo? Cristo, você está tentando me matar. Como eu não sabia disso? — O dedo dele afundou no meu umbigo, e eu tive que morder o meu lábio.
 — É o meu segredinho.

Ele me observou por mais alguns segundos antes de me alcançar para que nós pudéssemos voltar para a posição anterior.

— Você é tão linda que chaga a doer. — ele passou as mãos pelo meu sutiã azul.

Pelo menos ele tinha um pouco de renda, mas ele já tinha visto dias melhores.
Ele abaixou sua cabeça e beijou o meio do meu peitoral, minha pele se arrepiando em antecipação. Quando ele chegou no meu umbigo ele o beijou também, e eu gemi um pouco. Eu não estava pensando em mais nada a não ser eu e ele. Nós estávamos em nossa bolha novamente.
As mãos dele estavam em todo lugar em mim, cobrindo cada centímetro da minha pele com um toque leve, botando fogo na minha pele. Eu o toquei também, e ele fez um som em resposta.

— Muito rápido? — ele disse, parando.
— Não.

Eu o beijei novamente; desta vez as mãos dele exploraram o resto de mim, indo mais para baixo e botando fogo lá também. Eu passei minhas mãos em suas costas e agarrei o seu traseiro. Fazia tempo que eu queria tocá-lo.

Valeu muito à pena a espera.

— Eu preciso pegar algo. Droga eu deveria ter pensado nisso antes. — ele olhou para sua cômoda, que estava um pouco longe. — Você vem comigo. — Ele se levantou e me pegou novamente, andando comigo até a cômoda onde ele pegou um papel laminado de sua gaveta de meias. O meu peito estava pressionado no dele, e eu apenas queria ficar mais perto, mais e mais.

— Embrulhe antes de usar. — ele disse, segurando a embalagem em seu punho antes de nos levar de volta para a cama.

Eu ri enquanto nós voltávamos para a cama.
Estava acontecendo. Estava realmente acontecendo.
Joe me colocou na cama novamente e se certificou que a embalagem estava ao alcance para quando ele precisasse.

— Não ainda. — ele disse.
— Não ainda. — eu concordei.

Beijamos-nos um pouco mais, e ele passou as mãos em cima de mim. Eu decidi que roupas eram altamente superestimadas. Elas estavam entre eu e ele, e eu não gostava delas naquele momento. Eu comecei a puxar a cueca dele, brava com ela por nos separar.

— De jeito nenhum, você primeiro. — ele disse.

Não era justo na verdade ele estar completamente nu, e eu nem um pouco, então eu me inclinei para frente para que ele pudesse soltar o fecho do meu sutiã. Claro que ele conseguiu com uma mão só.

— Eu tive treino. — ele disse enquanto ele deslizava as alças pelos meus braços para tirá-lo.

Bem, lá estava eu.
Ele sorriu e beijou meus lábios antes de levar sua boca mais para baixo e beijar os meus mamilos. Minha respiração saiu pelos meus dentes cerrados e as minhas costas se arquearam. Joe riu, fazendo cócegas da melhor maneira possível, tornando as coisas ainda piores.

— Minha vez. — eu disse, tentando empurrá-lo para que eu pudesse beijar o seu peito.

Ele se contentou em se deitar de lado enquanto eu estava de lado também. Eu beijei as tatuagens dele, uma por uma. Seus olhos fechados, e ele fez um som de contentamento. Isso me fez sorrir. Eu beijei todo o seu peitoral enquanto ele movia suas mãos pelo meu cabelo e por todas as minhas costas.
Nós movemos nossos lábios juntos, e ele virou de volta para cima de mim. Eu movi minhas mãos até a cueca dele, insistente novamente.

— Demi, se você me tocar lá, eu não vou ser capaz de aguentar. Apenas te avisando.
— Ok. — eu disse, movendo minhas mãos para longe daquela área em particular. Ele se empurrou contra mim, e eu podia sentir que ele estava pronto.
E eu?
— Eu quero te tocar. — ele disse.
— Você está fazendo isso.
— Em todo o lugar.
Eu não hesitei.
— Ok.
— Ok?
— Sim. — Ah, estava mais do que ok.

As mãos dele fizeram o caminho até o meu estômago e dentro do meu shorts.
Puta merda. Eu nunca havia sentido isso antes.
Fazer em você mesma era uma coisa, mas ter um homem com mãos levemente calejadas te tocando era outra coisa totalmente diferente. Era como se ele tivesse feito uma aula e tivesse tirado dez.
Eu já tive orgasmos antes, quer dizer, quem nunca? Miley havia me arrastado para uma feira de brinquedos sexuais ano passado, e eu comprei algumas coisas, mas nada funcionava melhor do que as mãos do Joseph Jonas.
Minhas costas se arquearam e eu mordi meu lábio para eu não fazer muito barulho.

— Nós estamos sozinhos; você faça o barulho que você quiser Missy. Eu tenho planos para tornar isso uma coisa regular. — ele disse, me beijando.

A mão dele continuou trabalhando, me torturando novamente.
Eu não tinha muita certeza do quanto mais eu poderia agüentar. Sozinha meu recorde era três. Eu estava chegando no número dois em um curto período de tempo.

— Eu te quero tanto nesse momento.
— Ok. — eu disse enquanto outro me atingiu.

Dessa vez eu fiz muito barulho. Joe me beijou de novo, e decidiu que ele já estava de saco cheio das roupas também. Quando eu percebi nós estávamos nus, e o corpo inteiro dele estava pressionado no meu.

— Isso vai doer. Se você quiser que eu pare, apenas diga a palavra e eu paro. Há muitas outras coisas que nós podemos fazer. — ele disse com um sorrisinho. — Mas eu não quero que isso seja uma memória ruim. Eu quero que seja boa.

Ele me beijou novamente, e eu me regozijei na sensação de sua pele quente contra a minha. Joe se afastou para abrir a embalagem e colocar a camisinha.

— Você está pronta?
— Sim. — eu estava.

Essa era minha escolha. Meu corpo. Meu Joe.

Ele se empurrou para dentro de mim, e eu tentei não chorar de dor.
Doeu!.

— Ah, amor, desculpa. — Ele me beijou, e eu me segurei nele até ele estar todo dentro. — Você está bem?
— Sim. — Ele ficou parado por alguns segundos, e o meu corpo começou a se ajustar. Era uma sensação estranha, mas eu não queria parar.
— Demi? — Joe disse, tirando o meu cabelo do rosto. — Eu te amo.
— Eu te amo. — eu disse sem hesitar.

Naquele momento, enquanto estávamos unidos como um só, eu amava. Ele tirou e colocou novamente. Doeu de novo, mas não tanto.

— De novo? — ele perguntou, seus músculos tremendo.
— De novo.

Ele começou a ir mais rápido, e o prazer começou a dominar a dor. Eu movi meus quadris para encontrá-lo, e ele me beijou com força. Ele gemeu um pouco depois, e eu senti ele gozar. Ele caiu em cima de mim, exausto. Joe tentou tirar, mas eu coloquei minhas pernas ao redor dele para que ele não o fizesse.

— Não ainda. — eu disse.

Eu só queria manter esse momento o máximo que eu pudesse.

— Eu amo você. — ele disse, me beijando enquanto nós virávamos cada um para o lado. Nós dois estávamos suados e ainda um pouco sem ar, mas não importava. — Mais do que as estrelas.
— Eu amo você também. — eu disse, segurando ele perto de mim.
— Eu acredito em você.

Nós ficamos conectados o máximo possível, mas então ele teve que tirar e jogar fora a camisinha. Quando ele voltou, nós ficamos deitados nus por um tempo, tocando um ao outro suavemente e tentando descobrir o que nós poderíamos dizer que faria sentido.

— Eu te machuquei? — ele disse.
— Sim, mas não importa.
— Eu queria não ter machucado.
— Não deseje nada. Foi perfeito.
— Perfeitamente imperfeito.
— Como nós. — eu disse.
— Bem como nós. — Ele beijou meu nariz. — Mais?
— Mais o quê?
— Eu tenho um repertório inteiro que eu quero usar com você. É um dos meus muitos talentos. Meu objetivo é satisfazer.
— E eu gosto disso. Deve ser esses dedos. — eu disse, trazendo-os para a minha boca e os beijando.
Eu os esfreguei em meus lábios.
— Deve ser.
Eu não era mais virgem.
— Eu sei que eu deveria estar pirando agora, mas eu não estou. — eu disse.
— Bom. — Ele passou os dedos entre os meus seios e tocou no piercing no meu umbigo. — Eu tenho que dizer que eu gostei disso aqui, muito, tremendamente.
— Eu não o coloquei com você em mente.
— Por que você colocou?
Eu apoiei minha cabeça na mão.
— Eu sempre achei bonito, e parecia ousado.
— Eu gosto dele em você. — Ele se inclinou pra frente e beijou minha barriga.
Eu suspirei de novo. Deus, isso era tão bom. Ele era tão bom.

— Merda. — ele disse, apontando para a colcha.
Eu meio que havia esquecido sobre a parte do sangramento no calor do momento.
— Ah, merda. Acho que eu vou ter que comprar um novo. — Meu rosto ficou vermelho, e eu enfiei meu rosto no travesseiro.
— Está tudo bem; vamos apenas ficar no meu essa noite.
— Eu deveria ir me limpar.
Ele ergueu uma sobrancelha.
— Eu posso ajudar?

Eu estava prestes a dizer "claro que não", mas então eu pensei em todas as vezes que eu havia pensado em tomar banho com o Joe. Foram muitas vezes para contar.

— Para o chuveiro. — eu disse, erguendo meu braço.

Ele aproveitou a oportunidade para me fazer cócegas na minha axila enquanto ele subia em cima de mim para que ele pudesse me erguer.

— Nós podemos deixá-la de molho na banheira depois. — ele disse sobre a minha colcha.

Há algo absolutamente estranho sobre estar completamente nua com outra pessoa e não se importar.
Ele ligou o chuveiro e se certificou que estava na temperatura correta antes de ele me deixar entrar.
Nós passamos a maior parte do tempo nos beijando, comigo tentando não me afogar embaixo d‘água e ele rindo de mim. Meu cabelo continuava ficando no meu caminho. Eu tinha muito cabelo.
Nós nos ensaboamos e nos divertimos um pouco demais lavando as partes especiais. Ele me fez gozar mais algumas vezes, e eu tive que me segurar nele porque minhas pernas não estavam mais me dando suporte.

— Você é realmente bom nisso. — eu disse depois de mais um.
— Você é fácil. — Eu dei um tapa nele com a mão molhada. — Você sabe o que eu quero dizer. Todos esses anos de não fazer nada e você está toda reprimida. Tudo o que eu tenho a fazer é apertar o botão. —

Ele apertou o dito botão e eu gritei, caindo contra ele.

— Eu te disse que era virgem, não uma freira. Eu sei como fazer acontecer. É apenas melhor quando você faz.
— Eu sabia que garotas faziam isso. A maioria das que eu já estive negaram.
— Não tanto quanto os garotos, mas nós temos necessidades também.
— Garotinha necessitada. — Ele beijou minha boca e a água bateu nas minhas costas.

Ele me levantou, e eu coloquei minhas pernas ao redor dele.

Eu o amava.



------------------------------------------------------------------------------

Ela ama o Joe, finalmente ela disse !!! e os Eu te amo's .. que lindos !!! Hot Jemi .... o cartão V foi entregue com sucesso #uhuul  
kkkkkkkkk  
De agora a diante só tem pegação ............ vish 


COMENTEM!!!!


10 comentários:

  1. Eu não estou acreditando smdjbamsjdbasmjd finalmente!!!!! eu simplesmente surtei enquanto lia, plmdds eu ainda estou surtando ajsdhajsd
    esse capitulo foi perfeito!!! ele todo fofo com ela, meu Deus, eu quero esse homem pra mim *---* ele todo preocupado com ela, ela confiou nele, ele tratou ela bem akjsdgsakjgdkasd
    nem sei dizer qual foi a parte mais fofa do capitulo inteiro!!!
    quero mais capítulos, quero logo, ainda mais agora que eles já se pegaram, o cartão foi jogado fora e eles vão continuar com as pegações!!
    Juh por favor, posta bem rapidinho, faz maratona, mas por favor, posta logo!!
    estou viciada <3

    ResponderExcluir
  2. ELES SE AMAM AI QUE LINDOOO CARA CHOREI Q LINDOS HOT PERFEITO

    ResponderExcluir
  3. — Demi? — Joe disse, tirando o meu cabelo do rosto. — Eu te amo.— Eu te amo. — eu disse sem hesitar. Awnn... Pelo amor de Deus vc quer me matar?!!!!
    Cara ficou super hiper mega perfeito!
    Posta logo gata!
    Beijos, Eu amo você!

    By - Milena... :-D

    ResponderExcluir
  4. Geeeeente e agora? Ele vai embora? Como vai ser? Mlr poste looooooogo

    ResponderExcluir
  5. Divooo esse capitulo
    Eles se amam ♥♡
    Que lindos
    Posta logo bebê
    Beijoss

    ResponderExcluir
  6. Posta+, Juh vc tem q fala cm a Karoline, pois ela fecho o blog, apenas para leitores convidadas e isso é mto injusto!

    ResponderExcluir
  7. Posta por favor <3

    ResponderExcluir
  8. Como não amar? Até nessa situação eles conseguem ser um amor!! AAAA to tão ansiosa pros próximos capítulos... Posta logo Juh

    ResponderExcluir
  9. Mlrzinha cadê vc???? EU QUERO O 48!!!!!

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!