23/08/2014

Meu Erro Favorito - Capitulo 40






Eu estudei o efeito no espelho e suspirei. O penteado era bonito, mas não era eu. Parecia me vestir como uma advogada para o Halloween. Eu nunca vou ser capaz de encontrar todos os grampos.

— Ok, você ganhou. Dê-me uma mão. — Joe e eu passamos os próximos dez minutos torcendo meu cabelo grosso para encontrar todo os grampos. Nossas mãos sempre se tocando.
— Você faz algum tratamento feminino especial para o cabelo?
— Não, por quê?
Ele tirou as mãos e deu um passo para trás. Estávamos ainda cautelosos em torno de nós após a explosão.
— Porque você tem um cabelo incrível.
— Bons genes, eu acho. — Eu fazia um tratamento de maionese de vez em quando, mas eu só fiz isso quando eu sabia que ele não ia estar ao redor. Eu não me importava se ele me visse usando meu retentor, mas tratamentos de beleza eram pessoais.
— Muito bom!. Eu acho que é o último. — eu disse. Meu cabelo caiu em torno de meus ombros.
Eu afofei e o chamei de bom.
— É assim que eu gosto de vê-lo. Natural. Eu vou ficar mmm... Nu, então você pode querer se virar. A menos que você queira me dar uma mão...
— Não, eu estou bem. Eu estou indo, hum, escovar os dentes? — Parecia uma pergunta.
— Divirta-se com isso.

Eu terminei de escovar os dentes e voltei quando tive certeza de que Joe teve tempo suficiente para se vestir.

— Uau. — eu disse. Ele estava usando uma camisa de botões preta com calça cáqui e até mesmo um par de sapatos. De onde diabos eles tinham vindo? Eu nunca os tinha visto.
— Eu tenho meus segredos, Srta. Lovato.
— Você está muito bonito Sr. Jonas.
— O seu está esperando em sua cama.

Ele escolheu um vestido de cocktail preto que eu tinha comprado por um capricho louco e porque Megan tinha me dito que toda menina precisava de um pequeno vestido preto.

— Eu pensei que ficaria bem em você. Você não tem que usá-lo se você não quiser.
— Não, não. Eu gosto. Eu nunca tive um lugar para usá-lo.
— Agora você tem.
— Eu vou ficar pronta. — eu disse, e ele saiu.

Fechei a porta antes de colocar o vestido. Era colado e caiu pouco acima dos joelhos, mas vinha até o alto do meu pescoço na frente. Isso me lembrou de Audrey Hepburn. Eu encontrei um colar de contas pretas e alguns brincos combinando que eu tinha pego emprestado de Dallas e nunca mais devolvi. No momento em que Joe voltou, eu estava colocando rímel.

— Não pisque o olho.
— Eu acho que posso lidar com isso.
— Ok, ok. — Ele me olhou por um momento e depois saiu, provavelmente para me dar alguma privacidade mais. Bom menino.
Eu estava quase pronta quando ele bateu na porta.
— Você está pronta, Srta. Lovato?
— Sim, eu estou, Sr. Jonas. Você pode me acompanhar agora.
Ele abriu a porta e mesmo que ele tivesse me visto antes, seus olhos ainda brilharam.
— Linda.
— Obrigada.
— Vamos? — Ele estendeu o braço.
Eu peguei e fomos embora.
— Onde está Selena? — eu perguntei.
— Ela teve que trabalhar.
— Ah. Ela nem se despediu.
Joe deu de ombros.
Huh.

Ele fez todas as coisas que deveria fazer, abriu a porta, e acompanhou e tal. A feminista que existia em mim rejeitava a ideia de que eu não podia abrir a porta, mas foi bom não ter que fazer as coisas por uma noite. Deixando Joe puxar minha cadeira por uma noite não iria definir minha negligência com o movimento de libertação feminina. Eu esperava.

— Você está no comando, Missy. Eu vejo aquele olhar em seu rosto.
— Que olhar?
— Não é um pecado deixar-me abrir uma porta para você. Eu sei que você é perfeitamente capaz de fazê-lo sozinha.
— Quem disse que era?
— Tudo bem, então.

O restaurante, The Broadway Public House, era um prédio de tijolos em Bangor centro da cidade, a poucos minutos da faculdade. De alguma forma Joe encontrou um lugar no estacionamento para seu Pontiac Sunfire ao lado do restaurante.

— Eu tenho sorte. — disse ele quando abriu a porta para mim.

O restaurante era em uma faixa de prédios de tijolos que iam até o fim da rua principal, com uma fábrica de tijolos antigos no final.
Era tudo de linho branco e luz de velas e coisas francesas no menu. Graças a Deus eu sabia o suficiente para entender o que era o quê.
O garçom tinha um sotaque, o que provavelmente significava que a sua família era franco-canadense, e tinha acabado de chegar ao longo da fronteira. Nós solicitamos hors d'oeuvres (petisco) de pão francês e um molho de queijo de cabra e espetos de mussarela, manjericão e tomate com molho balsâmico.
Nós não queríamos arriscar com a identidade falsa então apenas pedimos água com gás.
Quando chegou a hora de pedir, eu fui com o pesto fettuccini com pão de alho, em seguida, foi a vez de Joe.

— Manteiga de amendoim e geléia com um lado de aspargos. — O garçom ficou boquiaberto para ele por um segundo, mas anotou.
— Que tipo de geléia você gostaria?
— Morango. — O garçom anotou e saiu, balançando a cabeça um pouco.
— Viemos a este restaurante chique e você pede um sanduíche de manteiga de amendoim com geleia?

Ele deu de ombros, imperturbável que o garçom foi provavelmente contando à cozinha inteira sobre o maluco que tinha pedido manteiga de amendoim e geléia.

— Eu nunca comi aqui, então eu não sei o que é bom. Manteiga de amendoim e geléia são sempre bons. Você não pode estragar isso. Manteiga de amendoim e geléia sempre esteve lá para mim e são uma das constantes em minha vida. Manteiga de amendoim e geleia nunca me fizeram mal. É o meu favorito. — Seus olhos focaram em mim quando disse isso, e eu tinha a sensação de que não estávamos falando de um sanduíche.
— Devo deixar vocês dois sozinhos quando chegar aqui? Parece que você não precisa de mim.
— Eu poderia estar projetando meus pontos de vista de outra pessoa para o sanduíche.
— Só um pouco.

O garçom tinha se composto na hora que ele trouxe nosso jantar. Eles fizeram o que podiam na cozinha para fazer o sanduíche parecer fantástico, mas na verdade, ele ainda era um sanduíche de Manteiga de Amendoin e Geléia. Parecia bobo estando no prato com salsinha na lateral e algum tipo de chuvisco em torno da borda do prato.

— Eu proponho um brinde. — disse Joe, erguendo o copo. Eu levantei o meu também. — Para a manteiga de amendoim e geléia. Meu sanduíche favorito.
— Sanduíche de Manteiga de Amendoin e Geléia — eu disse, e bati com nossos copos.

Alguns dos outros clientes nos deram olhares estranhos, mas eu ignorei. Eles simplesmente não entendem a maravilha de um sanduíche de Manteiga de Amendoin e Geléia.

— Você quer uma mordida? — Joe disse, segurando seu sanduíche.

Uma mulher olhou absolutamente chocada que ele tinha acabado de segurar o seu sanduíche para eu morder.
Inclinei-me e dei uma mordida. Droga. Isso era bom. A manteiga de amendoim tinha que ser orgânica, e tinha apenas a quantidade certa de crise. A geléia era claramente caseira. Yum.

— Você quer um pedaço do meu? — Eu dava uma mordida na minha maravilhosa massa.
— Não é tão bom quanto o meu.
— Tanto faz. Coma o seu sanduíche, Sr. Jonas.
— Sim, Srta. Lovato.

Nós mastigamos um pouco mais, e me embebi no ambiente tranquilo do restaurante. A música do piano era suave, e flutuava de um canto a outro onde um profissional tocava, e o tilintar de porcelana adicionava ao ambiente um ar aconchegante. Era definitivamente um lugar agradável, e eu me senti um pouco fora de lugar.

— Então, você quer jogar um jogo? — disse.
— Que tipo de jogo? — A minha mente cambaleou.
— Eu digo alguma coisa e você diz a primeira coisa que vier à sua mente. Então depois você pode fazer o mesmo comigo.
— Tudo bem. — Ele limpou a boca com o guardanapo e tomou um gole de água.
— Qual foi a primeira coisa que veio à sua mente quando você me viu? — Perguntou.
— Merda.
— Algo tipo, ‗Oh merda, ele é um cara quente?‘
— Mais como, 'Oh merda, não é uma menina.
— É justo. Qual foi a segunda coisa que você pensou quando me viu?
— Encrenca.
Ele riu alto, assustando os outros clientes.
— É a minha vez? — Eu disse.
— Vá em frente. — disse ele, inclinando-se para trás como se para se preparar.
— A primeira coisa que você pensou quando me viu?
— Eu tinha três pensamentos simultâneos. Um — Ele levantou um dedo para cima. — Impressionante, dois, — Outro dedo. — Isto não pode ser real, e três, que eu realmente, realmente esperava que eu fosse começar a dividir um quarto com você para que eu pudesse olhar para você o tempo todo.
— Você só deve usar uma palavra.
— Missy, uma palavra não pode descrevê-la. — Eu diria o mesmo sobre ele.
— Ok, e quanto à isso. Qual é a primeira coisa que você pensa quando acorda?
— Você.
Revirei os olhos.
— E você? — Disse.
— A primeira coisa que eu penso é, !Oh merda, eu tenho que levantar". A segunda é:  "Eu espero que a coberta de HunterJoe esteja puxada para cima".
— Mentirosa.
Corei. Às vezes era uma mentira.
— O que você pensou quando acordou aquela manhã quando estávamos juntos? — questionou.
— Seguro. — eu disse sem pensar.
— Eu também. E quente.
— Você fica muito quente quando você dorme. Alguém já lhe disse isso?
— Missy, estou sempre quente. — disse ele, inclinando-se mais para trás e sorrindo.
— Tanto faz. Ok, e quando eu soquei você?
— Primeiro foi: 'Ai, ela tem um bom gancho de direita', e depois foi: 'Isso é uma das coisas mais sexy que eu já vi.
— Sério?
— Missy, nada é mais sexy do que uma mulher que pode cuidar de si mesma. Tanto quanto eu estou preocupado, a década de 1950 terminou. Embora, você fosse ficar malditamente bonita em uma saia poodle e sapatos bicolores. Mas eu gosto mais de você quando você pode mostrar seus joelhos e falar sem ser falado. Não que você teria seguido as regras de qualquer maneira.
— Droga, certo. Eu teria sido uma dona de casa horrível.
— Sim, eu não posso vê-la dizendo: "Como foi seu dia, querido? " E entregando-me o meu cachimbo e chinelos.
— Eu provavelmente os jogaria em você.
— Provavelmente.
— E então eu teria que puni-la. — disse ele com um sorriso malicioso.
— Você me arremessaria fora pela minha bunda? — Seu sorriso sumiu.
— Eu sinto muito por isso. — Ele olhou para o prato vazio.

Eu ainda tinha algumas massas sobrando, mas eu tinha feito de propósito para que eu pudesse trazer alguma para casa comigo. Eu nunca deixei um restaurante sem um saco de cachorrinho.

— Eu sei. Eu só... Eu estou com medo de que você vai ser doce e agradável agora e tudo vai ficar bem e depois eu vou fazer alguma coisa e isso vai acontecer novamente. Eu tenho... Eu vi como abusivas funcionam as relações, e eu não quero isso.
— Eu nunca, nunca quero que você tenha medo de mim. Nunca.
— Então, certifique-se de que isso não aconteça. Porque se isso acontecer, eu vou embora, e vai lhe faltar provavelmente um ou mais apêndices.
— Essa é minha garota. — disse ele. Eu coloquei meu garfo e o garçom veio perguntar-nos se queríamos sobremesa — Quer partilhar alguma coisa?
— Vocês tem bolo de veludo vermelho? — Eu disse.
— É claro. — disse o garçom, como se isso fosse uma pergunta ridícula. Como me atrevo assumir que eles não tinham bolo de veludo vermelho. O cara de pau.
— Traga dois garfos, por favor. — disse Joe. O garçom assentiu. — Você quer continuar a jogar?
— Por que não?
— Ok, conte-me qual foi a primeira coisa que você pensou quando me viu em sexualidade humana? — Uma mulher que tinha estado escutando da mesa ao lado quase engasgou com o filé mignon. Isso foi o que ela conseguiu por ficar escutando.
— Honestamente? Ah, foda-se. — eu sussurrei a última parte para que a mulher não se engasgasse seriamente. Eu não queria ser responsável por isso. — E você?
— Transar.
— Besta.
O bolo chegou e era glorioso, com toneladas de creme e chocolate e era quase bonito demais para comer. Quase.
— As damas primeiro. — disse Joe, quando ambos fomos para o bolo com os nossos garfos, droga.
Eu quase tive um bolorgasmo na mesa. Meus olhos reviraram na minha cabeça, e eu gemia.
— Cristo, como isso é delicioso. — Eu abri meus olhos para encontrar Joe me olhando com uma estranha expressão em seu rosto. — O quê? É muito bom, você deveria provar um pouco. — eu disse, empurrando o prato para ele.
Era uma prova de como eu estava envergonhada com o meu orgasmo alimentar que eu estava mesmo compartilhando a todos.
— Eu juro, se não houvesse uma mesa entre nós, eu iria beijar você agora. E não muito gentilmente.
Eu abaixei meu garfo e engoli para não engasgar.
— Você não pareceu se importar com a cadeira. — disse.
— Verdade. Mas não havia uma audiência e essa é uma cadeira muito feia. Esta é uma mesa muito boa. Também há vidro e coisas afiadas e eu não gostaria de te machucar.
— Bom ponto. Por favor, pegue um pouco.
— Se você for fazer aquele barulho e aquela cara de novo, eu não sei se eu posso deixá-la comer mais.
— Eu vou ser boazinha. Eu juro.
— Você não é boazinha. Esse é o problema.
— Você está certo. Eu não sou. — eu disse, dando-lhe o meu sorriso próprio. — Eu tento, no entanto.
— Cruel. Essa é a palavra para descrevê-la agora.
Ele pegou o garfo e deu uma mordida.
— Droga. Isso é bom. — Ele deu uma mordida e então eu tive que lutar com ele pelo resto. Eu fui capaz de abster-me de quaisquer outras manifestações públicas de afeição pelo bolo.
— Eu te disse.
— Esse é um bolo fino poderoso. — ele disse com um sotaque sulista. Meu queixo pode ter caído um pouco. — O quê? Você sabe que eu sou meio-texano. Eu posso chicotear isso para fora de vez em quando. Eu tentei me livrar dele, mas ele sai de vez em quando, especialmente quando eu passo um tempo com minha família.
— Você tem mais família no Texas?
— A família do meu pai de Nova York se instalou lá, quando ele era criança. Eu não os vejo muito.
O garçom veio para pegar o prato do bolo, e eu me mexi na cadeira. Estava saciada.
— Pode me dar licença? — Eu levantei uma sobrancelha em sua polidez evidente. — Eu estou sendo um cavalheiro, não arruíne isso.
— Sim, você pode ir, Sr. Jonas.
— Obrigado, Srta. Lovato. Voltarei em instantes. — Ele se levantou e saiu do restaurante. O quê?
—Você está pronta para o cheque? — O garçom estava de volta.
— Hum, com certeza. — Ele olhou para assento vazio de Joe com desaprovação, como se tivesse fugido e me abandonado.
— Ele vai voltar. — eu senti a necessidade de dizer.
— É claro. — Ele sem dúvida não acreditou em mim.

Passei os próximos trinta segundos olhando para a porta, rezando para que Joe voltasse.
Ele finalmente voltou, e tinha algo com ele. Seu violão.
O que diabos ele estava fazendo?

Ele não voltou para a mesa, mas foi direto para o cara que estava tocando piano, interrompendo-o no meio de uma música. Joe se inclinou para falar com o homem do piano, que, a seu crédito, continuou tocando. Joe fez um gesto com as mãos como sempre faz quando queria mostrar o seu ponto de vista. O homem no piano acenou com a cabeça e depois Joe disse algo que o fez sorrir.

Ele terminou sua canção com um floreio e se levantou. O restaurante inteiro se voltou para aquele ponto. O homem do piano acenou para um garçom e explicou rapidamente a situação. O garçom correu e pegou um banquinho e mudou o microfone pra longe do piano. Eu podia ver onde isso ia dar.
Joe sentou-se no banco e puxou seu violão, estabelecendo-se para que ele pudesse tocar. Todo mundo assistiu em fascinação.

— Olá, todos. Lamento perturbar o seu jantar. Eu só vou levar alguns momentos de seu tempo. — Ele ajustou a alça do violão, e eu poderia dizer que ele estava nervoso. Seu joelho estava indo a mil por hora. — Eu só queria tocar uma canção para minha menina, Demi, ali. Ela concordou em vir aqui comigo esta noite, mesmo depois de eu não ser muito bom para ela. Isso faz parte do meu pedido de desculpas. Eu espero que você goste.

Todo mundo olhou para mim, e eu senti como se estivesse sob um holofote, mais ou menos como a luminosidade do sol. Eu não era uma grande envergonhada, mas eu fiquei logo em seguida.

Ele começou a música, e eu a reconheci imediatamente como Fix You, do Coldplay. Era uma música mais antiga, mas que sempre amei. Eu nunca disse a ele isso, e eu me perguntei se ele tinha escolhido essa por isso, ou se ele escolheu por conta própria. Não importava.
Sua voz enrolada em torno da música, e eu poderia dizer que ele tinha cantado uma centena de vezes. Eu sentei e o assisti. Ele começou a olhar para o violão, mas logo ele olhou para cima para encontrar meus olhos. A letra era perfeita para nós dois.

Nós dois estávamos quebrados, tentando tornar-nos intactos. Talvez a gente só precisasse de um pouco de ajuda. Não se consertar um no outro, mas nos ajudar a corrigir a nós mesmos.
A conversa no restaurante cessou enquanto Joe cantava sobre luzes guiando você para casa. A mulher que tinha estado escutando nossas conversas enxugou os olhos com o guardanapo.

— I will try, to fix you. — Ele terminou a música e a sala ficou em silêncio por meio segundo.

Em seguida, houve um punhado de aplausos que se desenvolveu até que Joe foi obrigado a levantar-se e agradecer.

— Sinto muito, Missy. Obrigado pela atenção. — disse ele no microfone antes de voltar para a nossa mesa. Ele sentou-se lentamente, como se estivesse esperando que eu fosse gritar com ele.
— Bem? — ele disse depois que não respondeu.
— Eu realmente não sei o que dizer.
— Você nunca ficou sem palavras em toda a sua vida. Deixe-me dizer por você. Você odiou.
— Não, eu não odiei.
Eu podia sentir todo mundo nos escutando.
— Oh, querida, o perdoe! Meu marido nunca faria algo tão romântico. — disse a espiã.
Seu marido parecia envergonhado. Esperei alguém dar a sua opinião, mas ninguém veio para a frente.
— Eu não sou uma pessoa que gosta de demonstrações públicas, mas eu acho que posso fazer uma exceção para isso. Como você sabia que eu adorava essa música? — Eu disse.
— Eu não sabia. Palpite de sorte.
— O mais sortudo. — Eu me levantei da minha cadeira e fui para seu lado, dando-lhe um beijo na bochecha. — Obrigada. Foi perfeito.
— Não foi, mas significa o mundo que você pense assim. Eu quis dizer isso. Eu sei que nós dois estamos fodidos, mas mesmo fodidos as pessoas devem ser capazes de serem felizes.
— Eu acho que sim, também. — Eu dei-lhe outro beijo, demorando-me por um momento para que eu pudesse respirar.

Ele serpenteou os braços em volta da minha cintura, e eu coloquei minha cabeça em seu ombro por um segundo. Lá estava ela, a nossa bolha, se fechando em torno de nós novamente.
A bisbilhoteira suspirou feliz atrás de mim.

— Vamos? — Disse ele, colocando seu violão de volta no estojo.
— Claro. — Ele pegou seu cartão e colocou no livro. O garçom chegou para buscá-lo parecendo um pouco atordoado.
— Isso foi incrível. Realmente, você é talentoso. Você é bem-vindo de volta a qualquer hora. — Joe tentou entregar-lhe o livro, mas o garçom se recusou. — Sua refeição já foi acertada. Tenham uma boa noite. — Joe tentou novamente, mas o garçom ficou firme.
— Posso saber o seu nome? — Joe perguntou.
— É Will.
— Obrigado, Will. Tenha uma boa noite. — disse Joe, apertando sua mão. — Você está pronta, Missy?

Peguei meu saco de cachorrinho na mão, e Joe com a outra, e ele tinha seu estojo do violão do outro lado. Bisbilhoteira acenou para mim no meio do caminho.

— Você cuide dessa menina bonita agora.
— Eu vou.



------------------------------------------------------


Quero esse Joe para mim ........ necessito !!!!
Lindo demais, não é?? >.<


COMENTEM!!!!


12 comentários:

  1. Que coisa mais linda!!!!!!! Por favor posta logo!!!! Tbém quero um pra mim...... fofos demais......

    ResponderExcluir
  2. Fiquei quase uma hora para ler tudo.
    Juh que perfeição posta logo.
    <3
    As suas fanfics com certezas são as melhores <3
    Own tão perfeito eles juntos *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obs; posso me afiliar? Já mandei os dados lá na pagina a sua pagina :D

      Excluir
  3. Divulga, por favor? O blog já tem alguns meses, mas ainda está pequeno :/
    http://small-belieber.blogspot.com.br/
    Obg, desde já.

    ResponderExcluir
  4. Posta um hoje!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. que capitulo mais fofo!! estou muito emocionada agora :')
    quero um Joe desse pra mim, onde acha??? hjfajsd
    fiquei muito feliz quando soube que vc havia postado, e já aguardo um próximo o mais rápido possível, e se possível, faz uma maratona???
    Juh, posta logo, já tem bastante comentários, necessitamos de outro urgentemente asgdkasjgdkasd
    Beijooos <3

    ResponderExcluir
  6. Joe tão lindo, tão lindo :")
    Bem, agora só falta o segredo da Demi, que ela tem que contar logo mulher!
    Esse capítulo foi tão lindo, tão lindo, quando esse dois descobrir que se amam muito a coisa vai esquentar, eu acho sjsbjs
    Posta maaaaaais ! Beijos

    ResponderExcluir
  7. Perfeiro amei esta linda voce tem talento sabia kiss.
    Ass: Alice

    ResponderExcluir
  8. Cade vc?? Eu vou ficar louca sem o resto, quero saber o segredo dela, quero que eles fiquem juntos loooogo!!
    Pooooosta loooog, pelo amor de Deus!

    ResponderExcluir
  9. Tem selinho pra você no meu blog :3
    http://daydreaminficsjemienelena.blogspot.com.br/2014/08/the-first-selinho.html

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!