12/08/2014

Meu Erro Favorito - Capitulo 34 (Dedicado á Amanda Cyrus)






Ele me evitou no dia seguinte, mesmo no trabalho. Tivemos três carrinhos com documentos e pilhas de coisas para as estantes, o que significava que iríamos ficar sozinhos lá por horas. Felizmente, eu trouxe o rádio e liguei assim que os carrinhos Dolly, Daisy e Dulcie estavam fora dos elevadores. Um dos estudantes tinha nomeado os carrinhos e colocado rostos de vacas sobre eles. Eu entendi a obsessão em colocar nomes em objetos inanimados.

Prova A: Sassy, meu carro.

Ele pegou Dolly, que recebera o começo do alfabeto, então eu peguei Dulcie, que estava no final. Tínhamos que trabalhar juntos quando pegássemos Daisy, mas talvez não pegaríamos ela hoje, e então um dos outros estudantes trabalhadores lidariam com isso.
Eu terminei o meu primeiro carrinho mais rápido do que gostaria. Havia um monte de grandes livros sobre ele que estavam bem alinhados em um número de chamada, então eu sentei lá com o carrinho vazio. Eu tinha ouvido Joe trabalhando discretamente, mas eu não sabia se ele já tinha acabado.
Deus, que bebê. Morda-me.

Eu alcancei o carrinho, assim como Joe. Claro.

— Vamos. — eu disse, arrastando o carro para o corredor direito.

Eu comecei a pegar as coisas e empurrá-las na prateleira. Eles estavam relativamente no lugar certo.
Uma mão se estendeu para me parar.

— Eu sei que você disse que não queria isso, mas aqui está. Eu não acredito em você. — Ele segurou meu pulso gentilmente, mas eu não conseguia me mover. Ele colocou a mão na minha cintura e me virou lentamente, como se estivéssemos dançando. Nós encaramos um ao outro, e eu não podia escapar de seu olhar intenso. Seus olhos estavam presos nos meus e eles não iam deixar-me ir. Eu estava presa.

— Olhe para mim e me diga que você não quer que eu te beije. Diga-me você não gosta quando eu faço isso. — disse ele, passando a mão no meu braço. — Diga-me que você não gosta quando eu toco seu cabelo... — Ele o fez, escovando-o atrás da minha orelha. — Diga-me que você não gosta quando eu toco seu rosto. — Ele passou as mãos em meu rosto, movendo-as na minha testa e depois de volta para baixo.

Ele esfregou os dois polegares sobre meus lábios.

— Diga-me que você não gosta quando eu faço isso. — Ele encostou a cabeça mais perto, apenas evitando meus lábios. — Diga-me para parar e eu vou. Você está no comando, Missy.

Ah, mas eu não estava. Eu nunca tinha estado tão fora de controle na minha vida. Eu odiava ficar tão fora de controle perto dele. Esta era apenas a segunda vez que isso tinha acontecido, sendo a primeira na noite de sábado e o incidente da cadeira. Eu fechei meus olhos e rezei para quem pudesse ouvir que me enviasse algum controle para que eu pudesse dizer não.

Eu não era uma garota com tesão adolescente e com hormônios em fúria. Eu era Demi Lovato, A Rainha do Gelo. Era assim que eu era chamada na escola. Os meninos tinham me evitado por medo de ter suas bolas congeladas. Ou era assim que eles pensavam. Eu não me importava. Faziam as coisas mais fáceis. Os garotos que tentavam romper minhas barreiras eram rapidamente esmagados como insetos.

Joe era diferente. Ele tinha visto através do meu exterior, visto através da parede de espinhos emaranhados que me protegiam. E lá estava ele, me perguntando se eu queria deixá-lo romper.

A resposta era sim.
E não.
Eu estava indo para o inferno.

Eu me inclinei para frente até que nossos lábios se encontraram. Desta vez, ele esperou por mim. Eu cheguei mais perto, e ele respondeu, prendendo-me contra a prateleira e devorando-me mais uma vez. Eram seus beijos sempre gentis? Eu não esperava.

Minhas mãos estavam presas acima da minha cabeça para que eu não pudesse tocá-lo, mas ele se pressionou contra mim, para que eu pudesse senti-lo em cada centímetro do meu corpo, mesmo através de nossas roupas. Eu deixei minhas preocupações sobre o controle desaparecer, como se estivesse soltando um balão e vendo-o flutuar. Joe exigiu minha atenção.

Eu fiz um ruído, meio que gemendo e ele riu, diminuindo os nossos beijos para algo mais doce. Além disso, eu podia respirar melhor. Não que a respiração importasse muito no momento. Era secundário.
Eu puxei minha cabeça para trás, sentindo-me tonta.

— Eu não gosto de você. — sussurrei, dando-lhe um último beijo suave.
— Claro. — disse Joe, atingindo em torno de mim. Eu pensei que ele ia me atacar, mas ele estava apenas pegando um livro. — Você simplesmente continua dizendo isso a si mesma. — Ele arquivou o livro em cima da minha cabeça, olhando para mim e sorrindo lentamente.
— Volte ao trabalho, Srta. Lovato.
Peguei o livro mais próximo e acertei-o com ele.
— Preto. Eu gosto de chocolate preto.


******


Naquela noite, encontrei uma barra de chocolate preto e caro sobre meu travesseiro. Pergunto-me como isso foi parar lá. Peguei-o e então encontrei outra coisa. Uma caixa de veludo preta. Mas. Que. Porra.

Com as mãos trêmulas, eu a peguei, meu cérebro me dizendo que deve ter caído lá por engano. Talvez Miley tenha deixado no meu quarto achando que era meu, ou talvez fosse um presente de Nick para Selena e ele decidiu escondê-lo em um lugar onde ela não iria encontrá-lo...

Basta abrir a maldita caixa.

Lentamente, com um pequeno rangido, abri a caixa. Foda, foda, foda, FODA!
Havia um anel no seu interior. Para dedos e tal. Era lindo, com uma pedra azul clara no meio, cercado pelo que eu achava que poderiam ser diamantes (eu rezava para que fossem zircônia cúbica) e, em seguida, uma dupla fileira de pedras esverdeadas de tamanhos alternados, todos envolvidos com prata. Lembrava uma pena de pavão.
— Não é o que você pensa. — disse Joe, assustando-me totalmente.
Eu deixei a caixa cair.

"Deve remontar seu coração", eu disse, tentando me lembrar de como respirar.

— Uau, eu não sabia que ia ter essa reação. — Ele pegou e olhou para ele antes de segurá-lo para mim.
— O quê? Como? Por quê? — Eu não conseguia formar palavras coerentes.
— É um anel. É para o seu dedo. Eu comprei, e eu pensei que você ia gostar. E é para pedir desculpas por todas as coisas idiotas que eu já fiz. Pensei que cobriria minhas faltas.
— Anel?
— Sim. Anel. Joe. — disse ele, apontando para o peito. — Missy. — disse ele, apontando para mim.

Fiquei olhando para a coisa brilhante. Ele era tão bonito. Era a coisa mais bonita que eu já vi na minha vida. Como se alguém tivesse desenhado o anel especialmente para mim.

— Não é o que você pensa que é. É um anel de desculpas. Eu o vi e pensei em você. Não é um anel de compromisso. Anéis de compromisso são chatos, e você sabe que eu não estou propondo. Eu não vou me casar, nunca. Assim. Trata-se de um anel. Apenas um anel para o seu dedo bonito. Eu tinha o tamanho.
— Como?
— Eu medi o seu dedo enquanto você estava dormindo uma noite.
— O quê?
Ele riu da minha cara ainda atordoada.
— Brincadeira! Porra, você fica estranha quando é surpreendida por jóias. Eu vou ter que fazer isso mais vezes. Eu roubei um dos seus anéis que estavam na cômoda. Eu sabia que você os usa muito.
— Você tinha feito isso para mim?
— Mais ou menos. Eu vi o anel azul com diamantes, e pensei que poderia adicionar algo mais e te dar algo que você adoraria. Você gostou?
Meus ouvidos se encolheram com a palavra diamante. Talvez eu tivesse ouvido ele errado. Os diamantes eram caros.
— Eu não gosto disso. É a coisa mais linda que eu já vi.
— Eu poderia dizer o mesmo sobre você. — Eu olhei para o rosto dele para encontrá-lo sorrindo para mim.
— Será que você pode colocá-lo? Para mim?

Ele tirou o anel da caixa e estendeu-o para mim. Eu deslizei no meu dedo anelar direito. Simbolizava muito na mão esquerda, pelo menos nos Estados Unidos. Ele se encaixava como se tivesse sido feito para mim. Ele era tão brilhante que eu mal podia olhar para longe dele.

— Como ele se encaixa? — Joe disse, pegando a minha mão e virando o anel, o fazendo brilhar.
— Perfeito. — Eu ainda não compreendia o fato de que Joe tinha me comprado um anel com diamantes, e Deus sabe lá o quê mais, como se não fosse nada.
— Quanto custou? — Disse.
— O preço não importa.
— Eu pensei que você não aceitava dinheiro de sua família.
— Eu não aceitei. Comprei-o com meu dinheiro.
— Com que dinheiro? — Isso devia ser loucamente caro.

Ele não me olhava nos olhos quando olhei para cima.

— Não se preocupe com isso. O dinheiro não é importante.
— Não, é sim. Diga-me o quanto custou.
— Se eu fizer isso, você vai pirar como você fez com a casa, e então eu vou ser obrigado a te beijar novamente. Você quer que eu te beije de novo?
— Não é minha culpa que você continue tentando me beijar. Quanto custou o anel?
Ele agarrou minha mão e tentou plantar um beijo em mim, mas eu me afastei.
— Você está pedindo para eu chutar suas bolas de novo? Porque eu totalmente tenho vontade.
— Porque você não pode reagir como uma garota normal? Qualquer outra garota estaria como uma poça de gosma aos meus pés.
— Você não deu o anel para outra garota, você me deu. Então lide com isso.
— Você quer que eu o devolva? Tenho certeza de que podem cortá-lo e usar as pedras para fazer um outro anel.
— Não! — Seria um crime destruir uma coisa tão linda.
Não é que eu fosse louca por jóias, mas isso era algo diferente. Este não era apenas um anel. Era uma obra de arte.
— Ok, então. Eu acho que você gosta.
— Eu amei.
— Tenho reservas sobre você usando uma pena de pavão em seu dedo, mas isso é apenas uma representação de uma, então eu acho que está tudo bem. Apenas... Tenha cuidado.
— Pavões não são má sorte para mim. — eu disse. Ele não tinha ideia do que significava para mim. Ou talvez ele tivesse. — Quanto, Joe?
— Isso não é importante, Missy. Você é mais importante do que o dinheiro. Ponto principal. — Eu queria perguntar se ele era bipolar. Como ele pode dizer coisas como esta e depois fazer um comentário sobre a minha bunda? Ele era um enigma.
— Então a única coisa que lhe resta fazer é agradecer. Sei de uma maneira muito especial que você poderia me agradecer, mas é realmente demais para você. — E lá estava ele de novo.
— Ok. — eu disse, tendo uma ideia.

Eu curvei meu dedo acenando para ele chegar mais perto. Eu levantei um pouco a minha cabeça como se estivesse pronta para dar-lhe um beijo fumegante. Mordi o lábio e seu rosto ficou em branco por um segundo. Ha.
Eu fui para a sua boca lentamente, mas mudei no último segundo, pegando-o no rosto para um beijo-relâmpago.

— Obrigada. — eu disse brilhantemente antes de me afastar dele.
Eu precisava de algum espaço para que eu pudesse respirar.
— Uma provocadora. Você é uma provocadora, garota Missy.
— Você sabe que me ama.
Ele balançou a cabeça.
— Não, ainda não gosto de você. — disse ele com um suspiro.
— Mentiroso. — retruquei.
— Hipócrita. — Ele se aproximou de mim.
— Desprezível.
Ele sorriu lentamente. — Linda.
— Burro.
— Sexy. — Ele estava vindo para mim, e eu não podia parar. De alguma forma eu tinha.
— Pare.
— Continue.
— Luz vermelha.
— Luz verde.
— Não.
— Sim. — ele sussurrou, estendendo a mão para segurar meus ombros. — Basta dizer sim. Diga que você estará comigo.
— Eu não posso.
— Por que não?
— Eu não posso, Joe. Não me pergunte de novo.
— Ah, Missy. Por que você faz isso comigo?
— Eu sinto muito. — Minha voz quebrou e eu estava com medo de que fosse chorar.
Não, eu não ia chorar. Eu prometi a mim mesma que nenhum garoto, nenhum homem, jamais me faria chorar de novo. E era por isso.
— Eu sinto muito. — eu disse novamente e corri para a sala.
— O que há de errado? — disse Miley do sofá, onde ela se escondia com seus livros de enfermagem.
— Nada. Eu estou saindo para uma caminhada.
— Mas está chovendo.
— E daí? Eu tenho um guarda-chuva. — Eu agarrei-o de onde havia pendurado na porta.
— Não o abra aqui dentro. — disse Joe do corredor. — Dá má sorte.
Eu não respondi, apenas saí de lá o mais rápido que pude.

Eu andei em torno do campus por duas horas, apenas pensando e olhando para o anel. Ele ainda estava no meu dedo. Ele disse que era apenas um anel, um anel de pedido de desculpas, mas era muito mais do que isso. Anéis eram simbólicos. Anéis tinham formatos de círculos. Círculos nunca terminam, e era por isso que eles eram símbolos da eternidade. Não tinha começo nem fim.

Deus, era tão bonito. Como ele sabia? Tudo bem que eu tinha uma tonelada de coisas de pavão, mas a maneira que ele tinha que montar era apenas perfeição. Ele estava planejando isso há algum tempo. Quanto tempo? Outra questão que pensei em lhe perguntar durante o meu passeio. O campus estava deserto, vendo como já era tarde demais para a maioria das aulas e estava chovendo.

A chuva não me incomodava. Joe sim. Meus sentimentos por ele me incomodavam ainda mais.

Eu não queria acabar chorando, mas eu estava muito perto disso. Eu não conseguia me lembrar da última vez que eu chorei. Eu nunca tinha sido muito de chorar, e depois de tudo o que havia acontecido, foi como se alguém tivesse desligado a válvula em meus dutos lacrimais.

Eu queria dar um soco nele novamente. Eu queria quebrar as coisas e gritar, então, ao invés, continuei andando. Eu andei até que eu tinha feito isso de uma extremidade do campus para outra, duas vezes, e meus sapatos estavam encharcados. Eu não tinha pensado em usar minhas botas muito bonitas de chuva que havia comprado apenas algumas semanas atrás. O que era um desperdício.
O anel já pesava um milhão de quilos pelo tempo que levei de volta ao apartamento. Eu olhei para ele mais uma vez. Uau. Apenas uau.

Eles estavam jantando quando entrei.
— Ele não está aqui. Ele foi ficar com Nick esta noite. — Miley disse antes de eu mesmo fechar a porta. — O que ele fez para você?
— Isso. — eu disse, mostrando a minha mão.
Houve um ruído esmagador quando Miley deixou cair o prato.
— Está na mão direita. — Selena apontou.
— Oh. — Miley disse, inclinando-se para pegar os cacos — Então, eu quebrei um prato por nada.
— Não é exatamente nada. — eu disse, descartei meus tênis e meias encharcadas e coloquei meu guarda-chuva para secar ao lado da porta.
— Deixe-me ver. — Miley disse, pegando a minha mão.
— Merda. Isso é alguma pedra. Eu tenho certeza que foi o que afundou o Titanic.
— É lindo, Dems. — Selena disse.
— Eu não sei o que eu deveria fazer com ele.
— Duh, usá-lo e fazer o resto da população feminina morrer de inveja. Joseph Jonasi não compra anéis para as meninas. Isso não é uma coisa que acontece. — Miley disse.
— Como você sabe?
— Não há razão. — disse ela, olhando para o anel novamente.
— O que você sabe?
— Oh, apenas que ele é um playboy. Uma das meninas da minha turma de biologia tinha uma amiga que ficou um pouco queimada por ele. Ela estava um pouco amarga.
— Eu aposto que é um eufemismo. — Eu perguntei se ela era uma das meninas cujos números ainda estavam em seu telefone. Talvez fosse Chastity.
— Qual era o seu nome?
— Briana? Britney? Algo que começa com um B. Maldição, isso é um anel.
Certamente era.
— Tem certeza que você não quer ele? Porque eu ficaria feliz em tirá-lo de suas mãos.
— E sobre Liam? — Selena disse.
— O que sobre Liam? — Miley estalou.
— Não se faça de boba, Milly. Eu sei que ele te ligou e que conversaram. Nós dormimos no mesmo quarto.

Isso! A atenção estava em outra pessoa. Eu mergulhei na conversa, importunando Miley junto com Selena até que ela despejou que Liam tinha ligado e chamado ela para se encontrar.
— Eu não sei.
— Por que você não o chama para uma das nossas noites de festa? Então, não haverá tanta pressão. — disse eu.
— Eu acho.
— Faça isso. — Selena disse. — Agora.
— Ok, ok. Segure seus cavalos. — Ela pegou seu telefone e enviou o texto. — Pronto. Feliz?
— Alegre. — Selena disse.
— Então, de volta ao anel. — Miley disse.
Suspirei e mostrei para elas novamente.


-------------------------------------------------

Bom........... a senhorita Amanda Cyrus pediu ... então postei ASHAUSHAUS Comente okay >.<
Babs tbm ......... HUM!

bjsss

COMENTEM!!!



9 comentários:

  1. Aaaaaaaaaah! Surtando aqui. Obrigado por postar Juh! Tipo cara, eu estou me roendo todinha para saber que diabos aconteceu no passado com a Demi. Ela foi abusada sexualmente? Molestada, abusada verbalmente? Cara, eu preciso saber, eu quero saber o que tanto perturba essa guria cara. E este anel? O Joe com certeza é o cara mais fofo do mundo, ele está assumindo que gosta dela, mas parece que quanto mais ele assumi, mas ela corre dele. Então, a dica da tia para o Joe, diga que a odeia baby, será bem melhor assim. Eu realmente espero que eles fiquem juntos o mais breve possível, brigando eles já são fofos, imagina juntos. Seria uma graça!
    Beijos e posta mais mulher!

    ResponderExcluir
  2. Outro capitulo perfeito! E faço do comentário anterior, as minhas palavras. Por que a cada vez que o Joe mostra que se importa, ela foge? Por que ela tem tanto medo de se envolver? Se ela sofreu no passado por causa de garotos, não quer dizer que vai ser sempre assim, até porque é com isso que aprendemos... Ahhh cara! Joe é um amor, ele mostra a cada momento em que é um homem que possa confiar. Não que ele seja perfeito, claro que ele pode ter defeitos, mas isso a Demi pode conhecer ao longo do tempo, mas claro, se ela continuar com ele. Ta muito perfeito, não consigo colocar em palavras. Posta maissss! E to doida pra mais maratona. Beijão

    ResponderExcluir
  3. Aí meu Deus! Esses capítulos ficaram perfeitos <3
    Eu estou apaixonada por essa história!!
    Bom continua por favor!
    Fabiola Barboza :*

    ResponderExcluir
  4. Amei o Capitulo *-*
    Poste logo!! Beijos

    ResponderExcluir
  5. Joooe fofo *---*
    ♡♥♡♥♡♥♡
    To amando tudo mesmo.
    Ansiosa aqui para saber o
    que vai acontecer.
    posta logo bebê
    beijos

    ResponderExcluir
  6. ahhhhhhhhhhhhhhhhh posta mais please !!!!! por favor por favor por favor

    ResponderExcluir
  7. Precisooo di maiiiiiiiiiiiiiiiiiiis pf :s
    Adoro a sua fic Juh

    ResponderExcluir
  8. olá desculpa incomodar de novo poderia me ajuda?? estou fazendo um livro nao tem nada a ver como JEMI so queria ajuda com as pessoas!! tem como pedi para que elas leiam esse blog por favor?http://tocaverdecom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Ahhh Joe seu fofo!
    Eu realmente não sei o que falar!
    Muito perfeitoooo
    Posta logo

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!