07/07/2014

Meu Erro Favorito - Capitulo 9





Como no inferno você fez isso? — Eu disse, olhando para a mesa de jantar.

Estava espalhada com montes das minhas Torradas Francesas favoritas que foram recheadas com Nutela transbordante, batata-doce picadinha que ele tinha feito exatamente como eu fazia, apesar de minhas instruções vagas e confusas-de-propósito, e morangos que ele tinha, de algum jeito, cortado e recheado com chantilly batido à mão. Ele tinha até encontrado champanhe e feito mimosas.

— Sou um homem de muitos talentos. Alguns deles estão escondidos, alguns não. Talvez algum dia você me deixará te mostrar alguns dos escondidos. — Eu estava muito deslumbrada pela refeição para fazer um comentário mordaz.
— Puta merda, cara. Eu não sabia que você podia cozinhar. — Miley disse, saindo de seu quarto.
Selena já havia pego seu trabalho como atendente de mesa na União e não estaria de volta até tarde.
— Provavelmente devemos comer antes que fique frio. Damas, ataquem. — ele disse, me entregando um prato. Havia definitivamente comida suficiente para cerca de doze pessoas. — Eu espero que você não se importe, mas eu convidei o Nick. Dev e Sean podem vir, também.

Então foi por isso que ele fez tanto. Eu não poderia realmente impedi-lo de convidar seus amigos, mas eu não queria nosso apartamento virando uma casa de fraternidade com latas de cerveja em toda parte e meninas estranhas, esgueirando-se para fora de manhã depois do sexo sem compromisso em nosso sofá. ECA.

— Por mim tudo bem. — disse Miley, empilhando seu prato com morangos e chantilly e apenas um pedaço de Torrada Francesa.

O que era isso com garotas tendo medo de comer na frente de caras? Eu nunca tinha tido esse medo, então eu enchi meu prato. Quando eu estava prestes a mergulhar meu garfo na Torrada Francesa e liberar a maravilha da Nutela, houve uma batida na porta. Eu tinha que dar crédito a eles, pelo menos eles não haviam só invadido.
Joe abriu a porta e Nick e Dev entraram.
— O que você está fazendo? O cheiro é fantástico. — Nick disse, indo direto para a mesa cheia de comida.
— Eu fiz isso a pedido de Demi. Ela duvidou de minhas habilidades culinárias , então eu tive que mostrar a ela que eu tenho.
— Você nunca deve duvidar de Joe quando ele se gaba de algo. Na maioria das vezes se ele é ruim em algo, ele apenas não vai falar sobre isso. Se ele está se gabando, significa que ele está falando a verdade. — Nick disse, agarrando um garfo e empurrando Torradas Francesas em um guardanapo.
— Quer um prato? — Eu disse.
— Nah, eu estou bem assim. Desse jeito você não tem que lavar um prato extra.
Que atencioso.
Dev foi mais cauteloso, perguntando-me onde estavam os pratos e esperando até que todo mundo tivesse pego sua parte antes de tomar o que restava, que não era muito. Sean fez o mesmo. Não tinham cadeiras suficientes, então nós nos dividimos no sofá e no piso da sala de estar como fizemos na noite anterior com a pizza.
Coros de "oh meu Deus," "mmm" e "querido doce Jesus" foram intercalados com mastigar e engolir ruidosos. Além disso, a conversa era inexistente.
Ok, ok, eu tinha que admitir. Joe acertou em cheio. Torradas Francesas era uma daquelas comidas que pareciam fáceis de fazer, mas eram loucamente fáceis de estragar. Ele tinha enchido tanto o meio com Nutela que escorria para fora quando eu cortava com meu garfo e escorria de meu queixo, quando eu mordia. Eu limpei e lambi o meu dedo. Joe estava me olhando, como se esperando minha reação.
— Está bom, eu acho. — disse, cortando outro pedaço e empurrando-o na minha boca. Ele levantou suas sobrancelhas e deu uma mordida, mastigando lentamente.

Doce Cristo, era como se eu tivesse morrido e ido para o céu do café da manhã. Eu realmente esperava que ele não fosse usar suas habilidades culinárias como uma alavanca para favores sexuais. Por isso, eu poderia ter que desistir.
— Eu acho que nós temos que fazer um brinde. — disse Miley, levantando sua taça. Bom, na verdade era um copo de plástico. Nenhum de nós tinha trazido copos de champanhe com a gente, quando nos mudamos.
— Aos talentos escondidos. — ela disse. Nós batemos nossos copos.
Joe piscou quando os nossos se encontraram. Eu enruguei meu nariz a ele.
— Se vocês vão comer assim todas as noites, eu poderia ter que me mudar pra cá. — disse Nick. — Tudo que nós temos é cerveja, pipoca de microondas e frango frito da semana passada que ninguém se lembra de ter comprado.
Eu estremeci, assim como Miley.
— Meu ex-namorado nunca abastecida sua geladeira. Eu sempre tive que trazer minhas próprias compras quando eu ficava lá. — disse Miley, enfatizando a palavra "ex". Como se todos não tivessem entendido.
— Eu acho que é uma coisa de caras. — Eu disse.
— Nem todo cara. — Joe disse.
— Aparentemente não. — respondi.
Meu telefone vibrou com uma mensagem da minha mãe e eu me desculpei para conversar com ela. Joe me deu um olhar interrogativo, mas eu apertei ligar, coloquei o telefone no meu ouvido e o ignorei.
— Ei, criança, quanto tempo sem falar! Eu pensei que você estava caída em uma vala em algum lugar. — ela disse enquanto eu me estabelecia na minha cama para conversar.
— Não, desculpe decepcionar. Eu estou viva e bem. Desculpe não ter ligado. As coisas tem estado meio loucas .
— Como é que foi a mudança?

Dei-lhe um rápido resumo. Senti que eu precisava gravar a história, assim eu poderia apenas apertar play quando alguém perguntasse. Eu deixei de fora um monte quando eu dei-lhe a versão-mãe. Não queria que ela se preocupasse. Ela sempre preocupou-se mais comigo do que com a Dallas. Eu não tinha certeza se era porque eu era o bebê, ou por causa de meus problemas. Talvez ambos.
— Ah, não. — Ela começou a apressar-me para ir direto para o alojamento e dar-lhes a bronca. Eu disse a ela que era o que eu tinha feito, mas não tinha chegado em lugar algum.
— Bom, eu vou ligar e falar o que eu acho. É ridículo que eles não vão fazer nada. Estão apenas sendo preguiçosos. Espera um pouco. — ela disse, e eu podia dizer que ela estava me colocando no alto-falante para que ela pudesse olhar o número.
— Mãe, está tudo bem. Eu vou lidar com isso. Você não tem que lutar contra os valentões para mim.
— Mas eu sou sua mãe. Eu vou sempre querer espancar as pessoas que são más com você.
— Ninguém foi mau comigo. Está tudo bem. — Eu estava começando a me arrepender de ter contado para ela.
Mamãe estava sempre tentando compensar por não ter me protegido aquela vez. Ela tem estado compensando desde que eu tinha 12 anos, e eu não sabia quando ia acabar, ou pelo menos diminuir a intensidade. Eu a amava mais do que eu poderia dizer, mas eu não precisava que ela lutasse minhas batalhas por mim.
— Tem certeza? Você sabe que eu posso fazer as coisas acontecerem.
Era verdade. Aquela mulher poderia fazer seu caminho dentro ou fora de qualquer coisa. Ela tinha este jeito de fazer com que as pessoas acreditassem no que ela queria que eles acreditassem. Em outra vida eu penso que ela teria sido uma advogada.
— Eu sei que você pode e eu te amo por isso. Eu só tenho que lidar com isso, Ok? Que tal falarmos de outra coisa. Como está o trabalho?

Ela estava relutante em deixar o tópico, mas o trocou por minha causa. Nós conversamos por mais alguns minutos, enquanto ela me contou histórias engraçadas sobre seus colegas de trabalho no banco e clientes bobos que não conseguiam entender como usar um cartão de débito. Ela havia progredido em um banco local, de caixa-executiva até gerente. Eu conversei um pouco sobre minhas aulas e disse a ela sobre minha busca de emprego. Nada pesado, nada sério.

— Seu pai ligou hoje. — mamãe disse, lançando uma nuvem escura sobre nossa conversa.
— O que ele tinha a dizer?
— Não muito, ele disse que queria te ver em breve.

Ele dizia isso toda vez que ligava. Meus pais tinham se divorciado quando eu tinha 13 anos, e ele morava em Connecticut, agora, o que não era longe o suficiente, na minha opinião. Ele me ligava de tempo em tempo, mas eu sempre apagava seus correios de voz.

— Tenho certeza que ele quer.
— Você devia ir e vê-lo. Eu sei que ele sente sua falta.
— Se ele tivesse sentido minha falta, ele viria me ver.
— Eu sei, Kid. Eu sei. — Ela suspirou e eu torci meu cabelo em torno de um dedo.
— Ouça, eu vou te ligar neste fim de semana e nós podemos falar mais, Ok?
— Ok, Kid. Te amo.
— Também te amo.
Eu desliguei e sentei nos meus travesseiros, fechando meus olhos. Uma batida suave me fez sentar.
— O que você quer? — Eu sabia que seria Joe.


-----------------------------------------

Hey galerinha *-*
Como estão ? >.<
Desculpem a demora, mas finalmente está ai o capítulo.
Vamo que vamo !!! rsrsrs'

BJSSSSSSS

COMENTE !!!



10 comentários:

  1. Uau, eu realmente estou curiosa para saber o que aconteceu com a Demi no passado. Parece ser algo sério.... Espero que o Joe possa ajudá-la a superar seja lá o que tenha acontecido. Poste logo, ok ? Beijos

    ResponderExcluir
  2. Posta+, a fic está perfeito! bjos

    ResponderExcluir
  3. Posta mais logo por favor

    ResponderExcluir
  4. Adorei o Capitulo. Poste logo!!! Beijos

    ResponderExcluir
  5. eu amo sua historia,posta logo,please,se não vou morrer de curiosidade :)

    ResponderExcluir
  6. Joe dando uma de cozinheiro kk adorei u.u
    Bebê está tudo tão divooo...to amando tudo
    Poosta logooooo viu u.u
    beijos ♡

    ResponderExcluir
  7. Esse Joe é um sonho não é? Casaaaa comigo Jooooe delícia .. Ficou perfeito, perfeito *--*
    Continua ..
    Fabíola Barboza :*

    ResponderExcluir
  8. Muuuiiito perfeito!
    Posta logo!!
    Amo vc!!!

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!