30/07/2014

Meu Erro Favorito - Capitulo 29







— Eles são ótimos. A sua família. — disse no final da tarde quando Joe e eu voltamos para o campus.

Ele tinha estado, principalmente, em silêncio desde que saímos. Hope me deu um grande abraço e me disse para voltar logo, e Harper me fez prometer que eu iria cantar de novo com ela. John apertou minha mão novamente e disse que eu era uma jovem adorável. Nick e Selena se hospedaram para mais outra noite, então eu disse que eu ia vê-la no dia seguinte.
— Eles são.
— Você está agindo estranho.
— Como?
— Eu nunca vi você tão quieto. Você parece como se alguém tivesse morrido. — Eu imediatamente percebi o meu erro. — Desculpe, não foi o que quis dizer.
— Não, eu merecia. Eu não estou muito bem, Dami. — Ele quase nunca me chamava pelo meu nome real. Acho que eu não gostei muito.
— Eu sei. Mas isso não lhe dá licença para ser um idiota.

— Eu sou o que sou. Se você não gosta disso, há uma maneira simples de cair fora. Você tem três opções. Odeia-me, ama-me, pega-me. Escolha o seu veneno.
— Foda-se.
— Essa é uma das opções.
— Eu nunca mais vou lhe dar uma carona de novo.
— Isso é bom. Agora eu sei onde você guarda suas chaves. Sassy e eu gostaríamos de ter um bom tempo. — disse ele, batendo no painel.
— Eu juro por Deus , Joe, se você roubar esse carro, eu vou te apunhalar enquanto dorme.
— Tudo bem. Vá em frente.

O que estava errado com ele? 
Liguei um velho CD de Avril Lavigne só para irritá-lo. Ele olhou pela janela e bateu a perna.
Um, dois, três, quatro, cinco. Eu queria quebrar cada um de seus cinco dedos para que ele não pudesse batê-los mais.

Eu não falei com ele de novo até que estávamos de volta ao campus. Joe levou seu violão, e eu carregava um recipiente de plástico com sobras que Hope tinha me forçado a levar enquanto eu caminhava para a porta. Como eu poderia dizer não?
Eu fui imediatamente para o quarto e fechei a porta.

****

Fiquei lá por várias horas, mastigando as sobras dos Masons e lendo. Pensei em ligar para Dallas, mas eu realmente não queria saber o que ela tinha a dizer sobre esta situação. Eu não queria conselhos, que seria o que ela me daria, não importando se não fosse solicitado.
Eu estava em profunda agonia com Gone With The Wind quando ouvi vozes na sala de estar. Devia ser Dev e Sean. Houve uma batida suave na porta. Joe nunca bateu em nossa porta.
— Ei, nós estamos indo para o Blue. Você quer vir? Eu vou te comprar uma bebida.
Eu balancei a cabeça, sem olhar para cima do meu livro.
— Vamos lá, Missy.
— Você vem dizendo isso muito para mim ultimamente.
— Graças a Deus, ela fala.
— Me morda.
— Você está me insultando. Deve significar que você está de volta ao normal. Venha com a gente. Vai ser divertido. Você pode dançar e me provocar de novo.
— Você vai me deixar quebrar uma garrafa de cerveja sobre a sua cabeça? Porque eu estou totalmente inclinada a isso.

— Vamos levá-la para fora e ver como as coisas vão. Eu poderia deixá-la começar um soco, dependendo de quanto eu esteja bêbado.

Eu nunca tinha visto Joe bêbado. Ele bebia algumas cervejas, mas eu nunca o tinha visto fora de controle, como a maioria das pessoas ficam. Desde que eu era pequena, o álcool me afetava como um martelo. Eu só precisava de um ou dois drinques e eu estava em terra feliz. Eu nunca tinha visto o apelo de ficar bêbada. Até esta noite.

— Estou dentro. — eu disse, balançando as pernas sobre a minha cama e pulando para baixo. Eu limpei o desastre das minhas roupas nesta manhã, mas encontrar a camisa certa ia ser outra viagem através da lama.

Joe olhou para o armário. Ele sabia onde minha mente tinha ido.

— Vista aquela rosa à esquerda. — Ele apontou, e eu vi um pedaço de rosa. Era uma camisa que eu tinha, mas nunca usava. Ela só não era realmente eu. Dallas tinha dado à mim há alguns anos atrás, e eu não podia me desfazer dela porque eu não queria deixá-la mal. Ela tinha um pouco de flor de tecido no pescoço e era meio drapeada.
— E essa calça skinny preta escura.
— Quem é você, meu consultor de moda?
— Se é para ficar pronta mais rápido, com certeza. Eu serei o seu consultor de moda.

Eu agarrei a camisa e a ergui. Na verdade, ela não parecia tão ruim.
— Estamos prontos quando você estiver. — disse ele, antes de me deixar me trocar. Ia ser interessante sair apenas eu e três meninos. Se eu fosse um cara, eu seria um cafetão. Ok, realmente não era um bom equivalente para uma menina.

Eu decidi deixar meu cabelo solto. Ele estava melhor do que tinha estado esta manhã, o que era incomum, então eu decidi abraçá-lo.

— Fodível? — Eu disse quando cheguei ao virar o corredor para a sala.
— Definitivamente. — disse Joe.

Eu gostava de seu olhar semi-atordoado no rosto. Deus, ele me via a cada dia, mas ainda assim, quando eu vestia algo bonito, ele não podia falar. Eu gostava muito. Você não fazia isso com alguém que você não gostasse.
Os outros meninos sorriram educadamente. Eu não tinha visto muito eles, ultimamente.

— Ok, vamos lá, rapazes. Quem quer levar a minha bolsa, e quem quer ser minha vadia da bebida para a noite?
Todos olharam um para o outro.
— Brincadeira. Isso foi uma brincadeira. Eu não ia castrar vocês assim.
— Carregar uma bolsa não iria me castrar. — disse Joe.
Sim, eu aposto.

— Eu a carrego, mas isso não combina com a minha roupa. — disse Dev. Nós todos começamos a rir.
— Idem. — Sean disse quando saímos.
Eu peguei cada um de seus braços.
— Vamos? Para o bar! — Eu disse, levantando o punho.
Todos nós andamos em uníssono, Joe se arrastando atrás.
— Você tem um terceiro braço para mim? — ele disse.
— Não, sinto muito. Você pode ter minha bolsa. — Joguei minha bolsa preta para ele, e ele a pegou.
— Muito bem. Você pode buscar minhas bebidas esta noite.
— E o que é que eles vão fazer? — perguntou ele.
— Me fazerem rir e se certificarem de que estou confortável. Certo?
— Meus dons de diversão estão a seu serviço. — Dev disse, apertando meu braço.
— Eu acho que isso significa que eu estou com o serviço do conforto. — disse Sean.
— Homens, vocês são sempre tão fáceis? — Eu disse a eles.
— Isso é o que elas dizem. — Joe murmurou atrás de mim.
— Eu ouvi isso. — eu disse sobre o meu ombro.
— Você andou diretamente para isso, o que eu deveria fazer?
— Controle-se, homem bolsa.
O frio leve no ar arrepiou a pele da minha espinha, e eu gostaria de ter trazido um casaco.
— Está com frio? — Sean disse.
— Eu estou bem. Estamos quase lá.

Blue Lagoon estava pulando novamente. Parecia que todo mundo tinha sido mordido pelo bichinho do outono, ou talvez fosse um porão fora de verão. Já havia uma menina vomitando as tripas para fora ao lado de um carro no estacionamento.

— É o seu trabalho esta noite, todos vocês, se certificarem de que eu não saia assim. — eu disse, apontando para a garota, cujo cabelo estava sendo amarrado por uma menina igualmente bêbada que mal conseguia ficar de pé.
— Espere um segundo. — disse Joe.
— O que ele está fazendo? — Dev disse.

Todos nós assistimos quando ele foi até a menina, que estava tendo certeza de que evitava o fluxo de vômito saindo da boca de sua amiga.

— Eu não tenho idéia. — eu disse.
Ele conversou com a menina que não estava vomitando. Ela balançou a cabeça, e ele fez sinal para mim.

— Você tem o seu telefone? Minha bateria morreu. Eu estou chamando um táxi. Elas não vivem no campus.
— É claro. — eu disse, pesquei fora meu telefone e procurei o número de uma das empresas de táxi locais que freqüentavam o campus.
— Eu não sei onde minha bolsa está. — a que não estava vomitando disse.  "Bolsa" saiu como  "Bolcha".
 A outra menina estava caída no chão, gemendo.
— Está tudo bem, você vai encontrá-la amanhã. Vamos chamar um táxi, ok? Você sabe onde você mora? — ele disse.

Ela lhe deu o endereço, e eu repassei para a empresa de táxi, no caso de elas esquecerem.
Dev e Sean entraram em ação, ajudando a menina a vomitar e correndo para dentro para pegar uma toalha de papel molhado e um copo de água para que ela pudesse tentar limpar-se.
O táxi chegou alguns minutos depois, e colocamos ambas dentro do táxi, nos asseguramos que iriam levá-las para casa em segurança e recusaram o pagamento quando Joe tirou algum dinheiro.

— Não há necessidade. Uma mão lava a outra. — disse ele, acenando para nós e levando as meninas bêbadas para casa. Elas provavelmente não iriam se lembrar que o caçador de bondade se mostrou, mas eu o faria.
— Todo mundo pronto para entrar? — Eu realmente queria ficar longe do cheiro vômito, e meus dentes estavam começando a bater.
— O que se passa com as meninas em não ter casacos? — disse Joe.
— Bem, eu não planejei este momento aleatório de bom samaritano no navio.
— Você nunca faz. — disse ele, caminhando para a porta.

Nós vimos um segurança diferente desta vez, mas ele também conhecia Joe. Ele era certamente um colega popular. Minha identidade falsa foi mal examinada antes de me deixarem entrar.

— Uma menina, três homens. Droga. — ele disse.
— Estes são os meus brinquedos. — eu disse, sentindo-me enegrecida. Deus, eu nem tinha bebido ainda.
— Precisa de mais um?
— Talvez. Vou deixar você saber. — eu disse com uma piscadela quando eu escorreguei tomando distância.
— Tem certeza de que não está bêbada já? — Joe disse, com o rosto um pouco atordoado pelo meu atrevimento.
— Bêbado uma vez na vida, Joe. Bêbado uma vez na vida.


---------------------------------------------

Eai?? >.< 
Bom, vou postar esse e mais um hoje !!!
O tão esperado beijo Jemi sairá hoje ... para nossa alegria hehe'
Então comentem!

Bjs, Até daqui a pouco >.<

COMENTEM!!!


4 comentários:

  1. Não brinca com isso... Quando o vi a palavra beijo quase surtei
    amei o capitulo
    posta logooo, please

    Xoooxo

    ResponderExcluir
  2. AHHHHH MAL POSSO ESPERAR! jahshs o beijo que eles dão é tão ♥♥♥♥♥♥ e depois ababshs . ANSIOSA

    ResponderExcluir
  3. Quero mais!!! Finalmente esse beijo vai sair kkkk

    ResponderExcluir
  4. Ahhhh cara eu to muito ansiosa para o beijo jemi! Finalmente!!!
    Posta logo...
    Beijos com glitter!

    By - Milena...! :-D ;-)

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!