22/03/2014

Sociedade Secreta - Capítulo 12 (Parte 2)


Feliz aniversário Leka ... tudo de bom pra você, muita saúde e felicidade.
Que todos os seus sonhos se realize !!! Eu não poderia ter uma
parceira de blog melhor !! Bjss <3 <3


---------------------

Um Malcolm muito cansado olhou para mim como se estivesse me esperando na cafeteria há algum tempo, mas o copo de papel com café que ele empurrou para mim no segundo em que cheguei ainda estava pelando. Eu amoleci ligeiramente. Ele ainda me devia uma explicação pelo que havia acontecido na reunião de ontem, mas pelo menos estava pagando a conta.
— Bem na hora — falou. — A pontualidade é muito admirada pelos Coveiros.
— Foi o que me disseram na minha entrevista — virei um gole do café. — Mas vamos esclarecer algumas coisas aqui, Lancelot — ele se encolheu ao ouvir o nome, mas eu o ignorei. — As senhoras do C177 não vão aceitar as idéias neandertais do que é "o papel da mulher". Portanto, se esse era o seu plano, pode desistir agora mesmo.
— Esse nunca foi o meu plano — declarou Malcolm. — Apesar de que, aparentemente, não posso falar por todos os meus irmãos.
O desgraçado do Poe.
— Na verdade — ele continuou — quero pedir desculpas pelo que aconteceu na reunião ontem à noite. Se serve de consolo, a maioria dos seniores saíram e encontraram os convocados no bar ontem à noite.
Soubemos do plano de Nova York e estamos dispostos a fazer o que for preciso para ajudar.
— Só vou acreditar nisso quando vir — afinal, quando as garotas caíram fora ontem, Malcolm não moveu um músculo. E eu queria saber por quê.
— Devia ter visto ontem à noite. Mas acho que você já tinha saído — ele inclinou a cabeça e olhou para mim com curiosidade — Com o... George?
Ah, é. Isso me fazia lembrar.
 — E mais uma coisa: eu vou sair com quem quiser e também dormir com quem quiser e não há nada que as pessoas da sua sociedade possam dizer sobre isso.
Malcolm olhou para mim de boca aberta.
— Como disse?
— Qual é, Malcolm? "Questões bárbaras"? Por favor.
Ele riu alto, então, as rugas entre seus olhos desaparecendo momentaneamente.
— Sim, Demi, você pode dormir com quem quiser Mas não foi por isso que liguei hoje de manhã. Não me interessa o que você e o George fizeram, ou o que nenhum dos outros Coveiros fez também.
— Eu não dormi com o George! —gritei, indignada. Não, eu o dispensei e, sério, quantas mulheres podem dizer isso? — Eu dormi com... outra pessoa.
Malcolm piscou.
— Humm, está beeeeemm. Que seja. Não tenho tempo para um relatório detalhado da sua vida social obviamente agitada.
Ei! Não era tão agitada assim!
— E, sinceramente, não estou nem aí. Guarde para o seu EN.
Esses relatórios de Êxtase Nupcial sobre os quais ele havia me contado depois da iniciação, onde despejamos a história de nossas vidas sexuais.
— Certo. Como se algum dia fôssemos voltar a ver o interior do mausoléu novamente.
— Acho que irão. Os convocados com quem falei ontem à noite pareciam bem determinados. — Ele sacudiu a cabeça — Mas estou me desviando do assunto, Demi. Preciso da sua ajuda. É uma emergência.
— As "questões bárbaras" das quais você falou?
— Exatamente — ele respirou fundo. — Lembra-se daquela garota que você viu na escada ontem?
— A do EDN? Genevieve Grady? Sei. — Afinal de contas., nós duas andávamos nos mesmos círculos de literatura inglesa. Acho que até assisti a uma ou duas aulas com ela no primeiro ano.
— Bem, ela é minha ex-namorada.
Não confere. Apesar de explicar sua hostilidade.
— Quanto tempo faz?
— Ficaria surpresa se eu dissesse seis semanas?
— Relembrando nossa conversa na sua cama há menos de dois dias, sim.
Ele tomou um gole da sua bebida, como se para se fortalecer.
— Ela era a namorada de fachada perfeita.
Então você estava namorando Genevieve para despistar...
— Meu pai, outros indivíduos desconfiados, qualquer um que pudesse me entregar — ele brincou com o círculo de papelão enrugado que tampava seu copo. — De qualquer modo, Genevieve não entendeu muito bem, apesar de, depois de algum tempo, ter percebido a situação quando eu não... — Ele gesticulou sem força. — O problema é que ela meio que se apaixonou por mim. Eu gostava muito dela, é realmente uma ótima garota. Mas não desse jeito. Eu não podia lhe dar o que ela queria.
Mas não se preocupara em dizer isso a ela antes!
Nem eu tinha sido tão cruel com o Brandon. Pelo menos ele sabia o que eu sentia todos esses meses.
— E ela se ressente disso? Tenho que lhe dizer, amigo, até aqui eu estou do lado dela.
— Espere — ele olhou para a mesa, como se estivesse se preparando para a próxima parte de sua história. — Quando nós terminamos foi... muito ruim. Eu queria continuar seu amigo. Queria que fosse o que sempre havia sido, mas ela foi... cruel. Ela me disse as coisas mais horríveis e passamos semanas sem nos falar. Você tem que entender que eu tinha uma idéia muito boa dela. Mas não depois da forma como ela me tratou quando terminamos.
Meu medidor de simpatia pairava no negativo.
— Bem, tá, mas ela era a vítima. Você agiu como se quisesse namorar com ela, mas só a estava usando.
— Não estou dizendo que não foi errado — Malcolm replicou. — Eu sei que não devia ter feito aquilo. Pelo menos, não sem ela entender o que realmente estava acontecendo.
— Disse isso a ela?
Malcolm encolheu os ombros.
— Você acha que isso a fez sentir-se melhor?

Nessa ele me pegou. Se ela realmente estivesse apaixonada por ele, ouvir que ele havia pensado que ela não teria problemas em ser usada não mudaria em nada sua opinião. Mas qual era a questão?
— Então, o que isso tem a ver comigo?
Ele respirou fundo.
— Na verdade, Demi, tem tudo a ver com você.
— Não entendi — falei, balançando a cabeça.
— Eu gostava muito da Genevieve. Ela era tão inteligente, tão talentosa, com tantas realizações. Editora do Eli Daily News. Bonita. Com bons contatos, ia chegar a algum lugar. Ela seria o tipo de garota que meu pai teria orgulho em me ver namorar.
Fiz um círculo no ar com a mão.
— Sim? E daí?
— Um modelo de mulher — ele olhou para mim significativamente. Onde eu havia ouvido essa frase recentemente? Alguém a dissera para mim, quase como uma ordem. Como uma esperança de corresponder às expectativas...
Ah. Meu. Deus.
Ele não estava me dizendo isso. Eu podia não ser um gênio como Jennifer Santos ou Nick Silver, mas essa Coveira novata não era uma completa idiota.
E acabara de entender aonde ele queria chegar.
Malcolm, como um trem desgovernado correndo em direção a um despenhadeiro, continuou:
— Mas depois que terminamos, ela ficou tão arrasada e amargurada que não consegui...
— Convocá-la.
Ele soltou o ar.
— É.
— Então — falei, adiantando o final excruciante —, em vez disso, você me convocou.
— É.
Derramei meu café bem nesse momento. O líquido quente se esparramou por toda a mesa, encharcando nossos guardanapos, afogando seu bagel esquisito, manchando a manga de sua jaqueta jeans na moda e formando uma gloriosa pocinha no meu colo.
— Droga — Malcolm pegou um punhado de guardanapos e começou a esfregá-los para limpar o pior da sujeira. Eu peguei outro punhado para passar no meu colo. — Demi, você está bem?
Quando olhei para cima, foi através de um véu de lágrimas quentes.
— Ah, eu estou ótima — sibilei para ele. — Tudo faz sentido agora.
— Como assim?
— Eu vinha me perguntando por que diabos a Rosa & Túmulo estaria interessada em uma pessoa como eu. Agora eu sei. Eles não estavam.
— Isso não está exatamente correto, Demi.
E agora, o espírito do Poe baixando nele!
— Sei do que estou falando! Pelo menos nisso, eu sei que estou certa. Eu estava sentada ali, imaginando por que todos os outros convocados já pareciam entender tanto sobre os Coveiros e conhecer tão bem uns aos outros, Não é que Clarissa e Megan andem nos mesmos círculos sociais. Vocês tiveram um período de conhecimento, não é? — Poe me dissera isso ontem, mas fora difícil prestar atenção em cada detalhe de sua conversinha sexista. — Eles todos sabiam, diferente de mim, exatamente quem viria buscá-los na Noite da Convocação.
Ele assentiu, ainda sem olhar para mim.
— Por isso Clarissa ficou tão surpresa ao me ver com aquela carta na biblioteca! Por isso eles todos me empurraram para a Grande Biblioteca depois que fui iniciada.
Mais uma vez, um assentimento deplorável.
— Está vendo? — Bati na minha têmpora com a mão livre. — Não sou tão idiota quanto pareço! E você , eu achei que você era o cara! Você me defendeu na entrevista, cuidou de mim durante a iniciação. Estava só tentando garantir que eu fosse selecionada.
— Bem, sim, mas esse é o comportamento padrão dos irmãos mais velhos.
— Mas isso era mais importante para mim do que para os outros. Eu fui uma substituta de última hora. Todos os outros candidatos eram cartas marcadas. Você tinha que se assegurar de que eu daria certo.
— Demi, isso não importa tanto agora.
— É claro que importa. Porque eu posso ver que sou diferente dos outros. E eles também podem. Os outros convocados olham para mim e se perguntam o que eu estou fazendo aqui. Sei que sim.
— Acho que está sendo paranóica.
Eu lhe lancei um olhar. Por favor. Os outros convocados Coveiros me olhavam como se eu estivesse prestes a botar melancias em suas cabeças.
Ele voltou atrás rapidamente.
— Está bem, se eles estavam agindo estranho no começo é porque esperavam Genevieve. Mas foi você que, como disse ontem, foi convocada, foi iniciada. Você é membro agora. Você é a companheira deles.
Girei o dedo no ar.
— Uau! Um ano inteiro sabendo que eu não sou realmente boa o bastante para estar aqui. Pelo menos explica o motivo real para terem escolhido meu nome de sociedade. Bugaboo. Em inglês, modo rebuscado de dizer pé no saco. Era essa sua expectativa? Que eu seguisse constantemente os passos dos outros?
— Belo trabalho com o dicionário. — Ele revirou os olhos.
(Como é que é? Agora ele nem leva mais fé no meu vocabulário respeitável. Eu não procuro tudo no dicionário.)
— Vocês não me queriam.
— Bom, isso não é verdade. Você pode não ter sido minha escolha original — note que não estou dizendo primeira — mas não a teríamos convocado se não achássemos que você tinha a ver. Só temos 15 vagas.

Eu era... da lista de espera. Da Rosa & Túmulo. Eu nunca fizera parte da lista de espera. Até em Eli eu entrara na primeira classificação. Demetria Lovato não faz parte de listas de espera.

— Agora, onde eu o ouvi dizer isso antes? — perguntei de forma zombeteira. — Ah, é mesmo, quando estava falando sobre o quanto todo mundo queria mulheres no grupo. Bem, nós derrubamos essa pequena teoria ontem, não foi? Quantos dos seus irmãos vou ter que investigar antes de chegar à verdade sobre isso? — provavelmente um só: Poe.
— Já chega! — Malcolm bateu com a mão na mesa pegajosa, cheia de café. — Sabe, é exatamente por isso que queimamos os registros de nossas deliberações. As pessoas ficam magoadas. Eu a quero, eles a querem e o que aconteceu antes não tem importância. Você está dentro; ela não. Eu nunca teria contado se soubesse que você ia levar tão a mal.
— Vou contar uma novidade, querido — mandei de volta. — As mulheres não gostam de ser usadas.

Malcolm ficou olhando para mim por um longo e silencioso tempo. Então, ele se levantou, jogou o chumaço de guardanapos de papel na mesa e saiu. Pela janela de vidro na frente da loja, eu o vi atravessar a rua e parar na esquina oposta, cobrindo o rosto com as mãos e respirando fundo várias vezes.
Já vai tarde.
Afinal, não é como se o idiota tivesse me feito algum favor recentemente. Bem, ele lavara as minhas roupas e me pagara dois cafés-da-manhã (como um Hobbit). Tinha isso. Mas ele também me arrastara para uma Batalha dos Sexos que já devia ter acabado há uns bons 30 anos, só porque precisava de um corpo quente para preencher uma vaga.
Eu não tinha nada que estar na Rosa & Túmulo e ponto final. Pronto. Fácil. Acabado. Chega de socializar com Clarissa Cuthbert e tentar manter a paz entre Odile e Megan. Chega de aturar a condescendência do infeliz do Poe. Vou deixá-los com seus joguinhos e voltar para a vida que tinha antes dessa confusão começar. Quem é que precisava de uma sociedade secreta, por falar nisso? Eu só tinha me associado porque a Rosa & Túmulo era supostamente todo-poderosa e assustadora. Mas, na verdade, eles eram exatamente como Brandon os descreve- ra: paleolíticos, tanto no ponto de vista quanto na influência. Quase nada do que eu ouvira sobre eles era verdade e, além de sua total falta de onipotência, tinham uma noção seriamente equivocada de igualdade entre os sexos.
Então, quem precisava deles? Quem precisava de velhos ricos tentando me dizer quem eu era e quem poderia ser? Quem precisava de homens ricos, jovens, gays — mesmo que no armário — medindo meu valor em uma balança ? Quem precisava de qualquer um deles ameaçando meu futuro? Eu tinha boas notas, bons amigos, um ótimo — ainda que recente — namorado e um emprego — ainda que tedioso — de verão com um nome de prestígio.
Eles que se danem.
Joguei a bagunça de guardanapos e café-da-manhã e ensopado na lata de lixo mais próxima e marchei para fora da cafeteria, de cabeça erguida. Eu ia direto para casa dizer ao Brandon que ele estava certo o tempo todo.
Mas, quando cheguei de volta à suíte, o quadro branco de recados pendurado na nossa porta da frente tinha um recado rabiscado. "Ligue para a Horton, 190" com um número e o "L" rabiscado de Selena embaixo. Perplexa, desisti de acordar o garoto no meu quarto e fui direto para o telefone. Uma assistente, parecendo nervosa, passou minha ligação direto.

— Ah, Demi — disse minha futura chefe, com o tom soturno.
— Achei que sua colega de quarto havia deixado um recado.
— Ela me deixou um recado para ligar para você.
— Sim, bem... — A voz da mulher ia sumindo, parecendo ficar mais desconfortável a cada segundo que passava. — O problema, Demi, é que vamos ter que cancelar seu estágio aqui neste verão. Meu estômago afundou.
— O quê? Por quê?

Minha futura chefe (Não! Não, não é mais minha chefe agora! Minha ex-futura chefe? Minha futura apesar-de-tudo-ex-chefe?) hesitou.

— Bem, eu realmente não tenho liberdade para falar sobre a política da empresa no momento, Demi. Não tenho como pedir desculpas o suficiente por botá-la nessa situação difícil. Sinto-me péssima, mesmo...
— Me diga o porquê.
— Sabe nos livros, quando eles dizem "seu sangue gelou"? Não é só uma expressão. — Sinto muito. Não tenho liber...
— Me dê uma, só uma idéia — insisti. — Cortes no orçamento? Mudanças no departamento? Decidiram que não tenho capacidade para mexer na copiadora? Diga-me. Eu preciso saber.
— Demi, eu não posso...
— Não! — gritei para o telefone, provavelmente chocando a mim mesma mais do que a ela. — Você tem que me dizer por quê.
— Não posso lhe dizer por quê. — Ou ela teria que me matar, sem dúvida.
— Tem... — Engoli em seco, me recompus e comecei de novo, baixinho. — Tem alguma coisa a ver com a Rosa & Túmu...
— Tenho que ir agora, Demi. Adeus. — E desligou.

Eu ainda estava olhando para o telefone, boquiaberta, quando Brandon, meu doce namorado bárbaro, saiu do meu quarto esfregando os olhos. Eu devia tê-lo acordado com meus gritos.
— Ei — falou. — Alguma coisa errada?

Sim. Tudo.



---------------------------------------------

Bom gente ... é bom estar aqui <3
Hoje to muito triste e com raiva ... e aqui foi uma das únicas formas de fugir da minha realidade.
Acreditam que minha querida(mas não hoje!) mãe perdeu o meu lindo e precioso ingresso para a The Neon Lights Tour :'( 
Éh, imaginem como eu estou, já joguei meu quarto a baixo e nada ... não sei porque motivos ela tinha que mudar minhas coisas de lugar, só sei que sumiu. Eu tenho pra mim que ela possa ter jogado fora, já que ela nem sabia como era o ingresso.. #Chorei tanto de raiva, de tristeza por meu sonho ter ido para o ralo... 
Agora não sei se compro outro ou não, nem sei se ainda tem ingressos para o Rio t.t 

Desculpe pelo desabafo ... mas só aqui mesmo pra mim poder falar o que penso, pra falar pra qualquer um y.y

Bom, até uma próxima vez... espero que gostem do capítulo.
Bjss pra Leka e de novo Happy Birthday  <3

COMENTEM !!! 

6 comentários:

  1. Bebê,tá tudooo tão perfeito <3
    To super ansiosa para saber o que o vai acontecer...
    Fic tá pegando fogooo u.u
    posta logo
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Lamento imenso pelo ingresso, mães!
    Parabéns a Leka e as ameaças estai sendo actuadas. Quero mais

    ResponderExcluir
  3. PERFEITO!!!!!!!Muito estranha essa ligação os coveiros devem se retirar do local ao ouvir o nome rosa e tumulo e foi exatamente o q a ex futura chefe dela fez. ESPERANDO ANSIOSAMENTE A PROXIMA APARIÇÃO DE POE digo JOE!!! Kkkk posta logo. P.S sorry pelos ingressos.

    ResponderExcluir
  4. Demorei pra ler este capitulo hein.
    Que perfeito Juh posta logo.

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!