03/02/2013

Summertime - Capítulo 11 + Selinho







Capítulo 11: Who could deny these butterflies?
Demetria’s P.O.V mode ON

Senti meu corpo estremecer quando Joe acabou de vez com o espaço seguro que tínhamos entre nós. Suas mãos se embrenharam em meus cabelos e o toque gentil de sua língua na minha quase me fez ter um colapso. Alguém me explica se um coração pode bater tão forte assim? Espero que possa, porque eu sou muito nova pra morrer. Foi o suficiente para saber que tudo o que eu precisava era estar ali, nos braços dele. Ninguém nunca me faria sentir daquela forma, mas o docinho não precisava ficar sabendo disso. Talvez só um pouco, vai. Ele merece. 

- Por quê você demorou tanto? – Joe sussurrou com a boca quase colada na minha, e eu abri os olhos devagar, encarando os dele bem próximos. Sorri ao perceber que ele estava ansioso. Joe Jonas podia ser fofo, que gracinha! 
- Assim que você saiu do banheiro, eu já tinha tomado minha decisão. Eu teria chegado aqui em cinco minutos ou menos – Sorri tímida ao ver o enorme sorriso que estampava o rosto de
 Jonas – Só que meu irmão me viu, e começou a me dar uma puta bronca! 

Rolei os olhos ao lembrar da cena. Joe riu baixo e sentou, ainda me mantendo em seu colo, e eu acabei ficando com uma perna de cada lado de seu corpo. 

- Bronca? – Ele sorriu maroto e eu mostrei a língua. 
- Hot’n’Cold numa mesa de sinuca pode agradar a muita gente, mas o
 Nicholas tende a ser um pouco ciumento com a irmã, se é que você me entende... – Respondi olhando pras unhas e Joe gargalhou. Eu adorava aquela risada. 
- Tá certo, tem que cuidar da irmãzinha! –
 Joe disse com um olhar malicioso e eu gargalhei de verdade. Num movimento rápido, me deitou na cama e me prendeu entre seus braços. – Sabe quantos marmanjos podem querer se aproveitar dela nessa Riviera? – O estapeei e nós dois rimos. 
- Babaca... – Murmurei, rolando os olhos.
 Joe riu mais alto. 
- O
 Nick demorou tudo isso pra te dar bronca? Caralho! – Ele disse beijando meu pescoço e eu segurei o riso, ponderando contar ou não a outra coisa que me manteve mais tempo lá embaixo. 
- Na verdade... – Mordi o lábio mudando de ideia. Ele não precisava saber.
 Joe mordiscou o lóbulo da minha orelha e eu apertei seu braço com mais força. 
- Na verdade... – Ele me incentivou, ainda beijando meu pescoço, e eu não sabia se respirava ou tentava falar alguma coisa. Minhas unhas começaram a apertar em seu braço com um pouco mais de força que o necessário, e ele não parecia se importar com isso. Beijo no pescoço é maldade,
 Jonas. 
- Um idiota me parou lá embaixo – Comecei a dizer, com a voz fraca. Percebi que os beijos de
 Joe cediam a medida que ele ia ouvindo a historia. – Ele... Gostou de me ver dançando. 
Pronto.
 Joe apoiou seu corpo nos braços e afastou o rosto do meu. Sua expressão era indecifrável, mas ele não disse nada, então presumi que queria que eu continuasse falando. 
- É ele... – Parei o puxando pra mais perto, mas
 Jonas continuou imóvel. Merda. – Estava bêbado e veio falar alguma coisa, mas o Justin deu um jeito nele. 
- Dar jeito? O que ele fez? – Vi a expressão de
 Joe se contorcer em raiva e engoli seco. Eu e minha boca grande. Acariciei seu braço devagar e o puxei pra mais perto, roçando meu nariz em seu pescoço. Vi sua pele arrepiar e sorri. – Demetria! 
Ele me advertiu, mas eu encostei meus lábios devagar ali, soltando meu hálito quente.
 Joe cedeu e passou a mão pelas minhas costas, me apertando com força. 
- Me fala... – Sua voz era quase um sussurro. Ri baixo.
 
- Ele queria algo mais né,
 Joe... – Senti seu corpo enrijecer, e antes que dissesse algo, colei meus lábios no dele e percebi cada músculo de se braço – Incrivelmente fortes, por sinal – Relaxarem. Como ele era gostoso! Tá, sem vocabulário chulo nesse momento! Joe me apertou com mais força contra seu corpo e eu tinha a impressão que nada mais me obedeceria, minhas mãos pareciam perder o rumo em suas costas e ele me segurava com tanta força que parecia que ia fundir nossos corpos em um só. 
- Eu deveria estar lá pra quebrar a cara dele... – Ele murmurou e eu tentei rir, sem força alguma.
 
- Ninguém quebrou a cara dele. Ele só foi convidado a se retirar depois que não aceitou minha resposta... – Murmurei e
 Joe me encarou nos olhos, tomando uma distância mínima, mas que parecia gritante. – Eu disse pra ele que eu estava acompanhada. 
Senti minhas bochechas arderem absurdamente. Como eu podia ser tão ridícula?
 Joe acariciou meu rosto e sorriu, aquele sorriso que faz qualquer garota desmaiar, e que eu fingia inutilmente que não surtia efeitos maiores em mim. É claro que surtia. Talvez mais em mim do que nas outras. 
- Acompanhada? – Ele disse com uma voz idiota e eu ri de verdade.
 
- Foi o que você disse quando saiu do banheiro e me deixou com cara de nada, não? – Respondi rapidamente e ele gargalhou.
 
- Cada dia mais surpreendente,
 docinho! 

Um calor repentino tomou conta de mim ao ouvir o famoso apelidinho sem vergonha. O mais engraçado era que dessa vez, eu tinha gostado. Não tive necessariamente tempo pra pensar em nada, Joe já estava tentando me matar do coração de novo. Senti o beijo calmo se transformar em algo mais intenso, mais quente e irresistível. A maneira com que suas mãos se moviam era delicada e ao mesmo tempo desesperada. Mordi seu lábio devagar na medida que minha respiração ficava um pouco mais alta que o normal, e Jonas deu um gemido baixo. Tive vontade de rir, mas me segurei enquanto ele apertava com força o lado das minhas coxas e me fazia ficar presa entre suas pernas. A pressão de seus lábios contra os meus era quase furiosa, mas não é como se estivéssemos perdendo algum toque. Era como simplesmente nossos corpos pedissem por mais, como se tivéssemos esperado tempo demais. Talvez aquilo fosse verdade. As mãos de Joe subiram por baixo da minha blusa, a puxando devagar para cima. Parei o beijo, completamente ofegante, e ri baixo. Vi as bochechas de Joe ganharem um tom rosado e sorri. 

- Rapidinho você, hein? 
Joe riu alto e puxou a blusa para cima, deixando meu sutiã preto a mostra.
 
- Eu já acho que demorei demais... – Ele disse, a voz rouca e arrastada perto do meu ouvido, enquanto dava beijos suaves ali. Senti meu corpo inteiro estremecer, e concordei inutilmente, rindo baixo.
 
- Pervertido.
 
- Como sempre, realista. –
 Jonas gargalhou. 
- Não deixa de ser verdade.
 
Respondi e
 Joe me encarou nos olhos, um sorriso quase infantil no rosto. Como uma criança que vira os presentes de Natal embaixo da árvore. Simplesmente lindo. 
- O que foi? – Perguntei, um sorriso igualmente idiota nos lábios.
 
Joe chacoalhou a cabeça, e voltou a beijar meu pescoço, dando a entender que não iria dizer nada. Gemi.
 
-
 Joseph Jonas! – Ele riu ao ouvir o nome completo e me deitou de volta, acariciando meu rosto. 
- Isso vai soar estúpido... –
 Joe fez uma careta, o que só me deixou mais curiosa. 
- Fala, vai! Por favor... – Pedi, a voz fofa, e ele arqueou uma sobrancelha.
 
- Eu só não consigo acreditar que... Que eu consegui ter você.
 

Um sorriso se estampou em meu rosto e eu senti meu coração bater mais forte gradativamente. Joe sorriu junto comigo, e me beijou, dessa vez devagar e delicadamente, o que só fazia meu cérebro girar e meu corpo responder sozinho a cada toque. Comecei a desabotoar sua camisa, sem me desfazer do beijo, e ele a jogou para longe. Os beijos de Jonas começaram a fazer um caminho pelo meu pescoço e busto, enquanto suas mãos já buscavam os botões da minha calça. Tentei fazer o mesmo com a dele, mas era complicado demais para me concentrar enquanto ele me torturava com beijos no pescoço. Gemi em protesto e ele riu, me fazendo sorrir vitoriosa quando desabotoei a calça e a empurrei com meus próprios pés pra longe. Observei seu corpo coberto apenas pelas boxers pretas e mordi o lábio. Não demorou muito para que Joe de desfizesse de meu sutiã, que tomou o mesmo rumo que as demais peças que eu vestia. Eu o beijava no pescoço muito mais ferozmente do que podia calcular, tinha certeza que algumas marcas sobrariam por ali. Joe soltou um braço das minhas costas e começou a tatear a mesinha do lado, derrubando alguns objetos que pareciam fazer muito barulho quando tocavam o chão. Ri baixo do desespero dele. Seu olhar encontrou o meu enquanto nos livrávamos das últimas peças de roupa que estavam entre nós. 

- Hey. – Suspirei. Ele me encarou, o olhar tão fixo no meu que parecia poder ver através deles. 
- O que foi, linda?
 
- Eu acho que gosto um pouquinho de você. – Murmurei e
 Joe gargalhou. A melhor risada que eu podia ouvir, que me fazia estremecer. Ri junto. 
- Só um pouquinho? – Ele sussurrou, encostando a testa na minha.
 
- É. – Respondi, a voz fraca.
 
Ele sorriu.
 
- Acho que podemos trabalhar nisso,
 docinho. 

Assenti, sem forças pra dizer mais nada, com um sorriso no rosto. O olhar de Joe no meu, o corpo dele no meu, era algo inexplicável. Nunca poderia ser dito em palavras, ele era só meu e eu era só dele. Dentro das nossas loucuras, brigas, dentro do nosso mundinho impenetrável. Algo só nosso, que nem nós mesmos éramos capazes de entender.
Em nenhum instante pensei em negar aquele momento. Com ele era tudo completamente diferente. Era melhor, muito melhor. Nada parecia precipitado, parecia certo, e isso fazia toda a diferença. Senti o corpo pesado e suado de Joe cair sutilmente sobre o meu. O coração dele batia tão forte que eu sentia em mim. Ou talvez o contrário, não faço idéia. Respirei fundo, tentando sair do êxtase do qual eu estava, mas foi inútil. Joe me puxou para si e apoiou minha cabeça em seu peito, mexendo em meu cabelo. 

- Isso foi... – Ele começou. Interrompi. 
- Shhh. – Dei um selinho longo nele – Não estrague o momento.
 
Ele riu.
 
- Essa frase é minha.
 
- Você é meu nesse momento, logo, suas frases me pertencem. – Disse baixo e
 Joe me encarou, rindo. 
- Eu não sou seu só nesse momento.
 
Sorri, mesmo contra todo o cansaço que consumia meu corpo. Meus olhos estavam fechando.
 
- Eu acho que fui sempre sua. – Respondi, encarando-o nos olhos em uma distância mínima.
 Joe acariciou meu rosto e me beijou suavemente. 
- Você gosta um pouquinho mais de minha agora? – Ele disse com a voz baixa, e eu ri um pouco mais alto.
 
- Um dia você chega lá, meu bem. – Provoquei e
 Joe gargalhou, me puxando pela cintura. 
- Eu não te mereço,
 docinho! 

Ri e mordi seu ombro, deixei que meus olhos se fechassem, sentindo o cheirinho bom que vinha de seu pescoço. 

- Boa noite, linda. – Ele sussurrou. 
- Boa noite, docinho. – Eu ri.
 
Achei que fosse capotar logo em seguida – Minhas pálpebras estavam pesadas, meu corpo estava mole – Mas não foi isso que aconteceu. De repente, uma lembrança veio em minha mente e eu comecei a rir. De início, tentei me conter, mas depois comecei a rir alto demais.
 Joe apoiou o corpo em um braço e me encarou nos olhos. 
-
 Demi, tá maluca? Vai acordar a casa toda! – Ele disse, segurando o riso. – O que foi? 
Eu não conseguia falar.
 Joe começou a rir junto e isso só piorou minha situação. 
- O que foi? – Ele repetiu, me chacoalhando, e eu percebi que estava extremamente curioso. Tentei recuperar o fôlego.
 
- Você... Você se lembra... Do dia que eu espalhei pro colégio que você era um broxa?
 
Dessa vez
 Joe riu alto demais, então eu joguei o edredon por cima de nossas cabeças, numa tentativa inútil de abafar o som. 
- Eu lembro! – Ele dizia entre risos.
 
- Quem diria hein? Eu estava
 tão errada! – O encarei com um olhar malicioso, mas pouco via seu rosto embaixo do edredon. Jonas me puxou pra perto. 
- Aposto que você queria provar... – Ele disse, presunçoso, e eu dei um tapa em seu braço – Outch! Você é má comigo,
 Demetria! 

Ri alto e o beijei, depois beijei algumas vezes o lugar onde havia estapeado. Joe suspirou, tirando o edredon de nossos rostos. 

- Posso perguntar uma coisa? – Joe disse baixo, mexendo no meu cabelo. Sorri, assentindo. – Você começou a me odiar por causa daquela maldita casa na árvore, huh? 

Franzi a testa e busquei uma casa da árvore na minha memória. Depois sorri. 

- Não, acho que não. - Jonas pareceu confuso, mas antes que dissesse algo, eu continuei. – Acho que sei o que você está pensando. Mas na verdade, eu fiquei brava com você na época porque... Porque você roubou meu irmão de mim. 
- Que? –
 Joe arregalou os olhos, quase rindo. 
- É. – Eu ri, me sentindo uma idiota – O
 Nick me ignorava perto de você. Ele não fazia isso com o Justin, porque o Justin gostava de mim. Você só era um dos garotinhos idiotas que achavam que não podiam conviver com meninas. Isso me deu raiva. 
- Own, que gracinha! –
 Joe disse com a voz afetada e eu ri – Como a gente é idiota, não é? Em pensar que eu poderia... Que a gente poderia... Sabe, antes. 
Sorri e beijei sua bochecha.
 
- O tempo não diz nada,
 Joe. Talvez se fosse antes, não seria tão bom quanto agora. 
- Você tem razão... –
 Joe dizia, quando me viu bocejar. Ele riu baixo. – Mas depois a gente conversa sobre isso. Sonha comigo, pra ficar menos constrangedor... 
Sorri e ele beijou minha testa.
 
- Vou sonhar. Boa noite, lindo.

Abri os olhos devagar ao sentir um maldito feixe de luz em minha visão. Pisquei algumas vezes, tentando retomar o foco, e encarei Joe dormindo tranquilamente ao meu lado. Minha cabeça apoiada em seu peito ia e vinha conforme sua respiração calma e serena. Fiquei o observando por alguns minutos – Ah, vai, que garota não faz isso? – E como percebi que não acordaria tão cedo, resolvi levantar. O relógio marcava meio dia, mas a casa estava muito quieta, provavelmente todos dormiam. Eu estava com sono, mas não queria dormir. Era como se fosse perder muita coisa se não estivesse acordada. Olhei para trás e espiei Jonas novamente, sorrindo de leve. Uma sensação boa tomou conta de mim, ele era meu. Poucas vezes em minha vida tinha tido essa conclusão. Mesmo em namoros sérios, sempre ficava totalmente desconfiada. Mas ele, por incrível que parecesse, parecia meu, e eu sabia que não queria mais ninguém. E mesmo que não tivesse nada definido em minha mente – Eu sabia que não éramos namorados ou coisa do tipo. Mas também sabia que não era coisa de uma noite só – Eu estava completa e irrevogavelmente feliz. Quem diria. Abri o armário de Joe e encarei as camisas perfeitamente enfileiradas. Peguei uma branca e uma samba canção e corri para o banheiro. Tomei um banho demorado e fiz minha higiene matinal, tudo meio arrastada. Penteei os cabelos, ainda molhados, e decidi que não iria fazer nada com eles. Meu estômago pedia por atenção, eu precisava comer alguma coisa urgentemente. Abri a porta do banheiro e Joe estava sentando na cama, esfregando os olhos. 

- Hey! – Sorri, me aproximando da cama. Ele me encarou com um sorriso enorme. 
- Pode parar onde está. – Disse com a voz baixa e eu arqueei uma sobrancelha, sem entender nada.
 
- O que foi? – Perguntei e ele riu.
 
- Acabo de concluir que roupas de homens
 definitivamente ficam melhores em garotas. – Joe disse e eu ri, pulando na cama. 
- Como se você nunca tivesse visto uma garota com suas roupas antes... – Murmurei, me aproximando.
 Joe me deitou na cama, me beijando calmamente. 
- Todas as garotas não são
 você. 
Um arrepio percorreu minha espinha na mesma hora. Sorri.
 
- Fico melhor do que a Andy? – Fiz uma careta e
 Joe gargalhou, mordendo meu lábio em seguida. 
- Precisaria de quarenta Andy’s pra chegar na metade de uma
 Demetria. 
- Você é bom nisso! – Sussurrei, derrotada, enquanto beijava seu pescoço.
 Joe sorriu vitorioso. 
- Você não viu nada,
 docinho. 
Ri alto e ele levantou, caminhando em direção ao banheiro.
 
- Anda rápido que eu tô com fome! – Disse e ele olhou para trás, rindo.
 
- Se você quiser me ajudar no banho! – Seu olhar era malicioso. Taquei um travesseiro em sua direção, e
 Jonas riu ainda mais ao desviar dele. 
- Anda logo, seu tarado! – Desatei a rir enquanto a porta fechava.
 
- Tá destrancada! – Ele gritou lá de dentro. Ninguém merece esse
 Joseph Jonas. 
- Vai rápido,
 Joe! Se você ficar enrolando eu te afogo na banheira! 
Ele gargalhou.
 
- Psicopata! – Gritou.
 
- Tarado!
 
Ouvi o barulho do chuveiro sendo ligado.
 
- Acho que esse foi meu “Cala a boca” – Murmurei rolando os olhos e ri, ligando a televisão.
Joe saiu do banho em pouco tempo, apenas de boxers e secando o cabelo. Como podia ser tão bonito? Dava até calafrios ficar olhando. 
- Vamos tomar café? – Ele disse colocando uma bermuda e me puxou em seguida. Eu ri.
 
- Preciso me trocar!
 
Joe fez bico e me abraçou.
 
- Ah não, eu gosto dessa roupa! – Ele reclamou e eu ri baixo, o apertando com mais força.
 
- Imagina se eu desço com a sua camisa e meu irmão tá lá embaixo? Ele infarta com dezoito anos! – Eu disse e
 Joe gargalhou, concordando. – Vou até o meu quarto rapidinho, dá uma olhada pra ver se o corredor tá liberado! Tudo bem que eles vão ficar sabendo de nós logo menos, mas não precisa ser na base do choque! 
Joe gargalhou.
 
- Não será tão chocante assim, eu acho! O
 Justin e o Kevin sabem, a Selena desconfia. Só o Nick, a Dani e a Miley vão ter algum problema com a imagem! – Ele olhou para o lado – Tudo certo, pode ir. 
Dei um selinho nele, mas
 Joe me prensou contra a porta e me beijou de verdade. Senti meus joelhos cederem. 
- Te vejo na cozinha. – Disse rápido e saltitei para o lado de fora, antes que passasse o dia no quarto.
Coloquei um vestido rapidamente e peguei um chinelo, desci as escadas correndo e ninguém estava na sala. Joe estava parado na porta da cozinha, sorrindo. 
- Não temos comida! – Ele disse, fazendo uma careta. Meu estômago pulou.
 
- Tá brincando? – Disse, desanimada. Ele negou e me puxou pela mão.
 
- Vamos até a padaria comer alguma coisa, e trazemos uns pães para os desmaiados que acordarão mortos de fome! – Ele disse e eu ri, entrelaçando meus dedos nos dele e saindo.
 
Fomos andando até uma padaria e comemos vários croissants maravilhosos – Obviamente, já que estávamos na França – conversando sobre qualquer besteira e dando risada. Pagamos pães, queijo e leite para levarmos pra casa, e saímos novamente.
 Joe tentava inutilmente espantar o sol daquela hora do dia com a mão, cobrindo o rosto pra tentar enxergar alguma coisa. Comecei a rir e ele me encarou. 
- Isso, ria da desgraça alheia! – Ele disse e eu o virei de costas contra o sol.
 
Pendurei meus braços em sem pescoço e aproximei nossos rostos, ficando na ponta dos pés.
 
- Você é lindo. – Sorri, sem sentir nenhuma vergonha daquilo. Para uma garota que mal conseguia expressar qualquer tipo de sentimento, até que eu não estava tão ruim. Ele sorriu e largou as sacolas no chão, me puxando para cima.
 
- Eu gosto quando você tenta me agradar. – Ele sorriu e me beijou de leve.
 
- Isso vai acontecer com mais freqüência, eu acho. Pelo menos estou tentando... – Respondi, sincera, e
 Joe encostou a testa na minha. 
- Mesmo quando você tenta me irritar, você me agrada. Não adianta. – Ele disse e eu ri, o beijando novamente.
 
- Preciso de métodos melhores pra te tirar do sério, então... – Respondi num tom pensativo e
 Jonas fez cara de indignado, antes de começar a rir. 
- Sabe, hoje quando eu acordei e você não estava do meu lado... –
 Joe parou como quem iria editar o pensamento, mas eu continuei em silêncio, e ele sorriu – Eu achei que aquilo tudo tivesse sido coisa da minha cabeça. 
Pronto! Alguém me ensina a controlar essas benditas borboletas no estômago?
 
- Own! – Deixei escapar, fazendo
 Joe rir, complemente corado. – Isso foi muito fofo, Joe. 
Ele fez uma careta.
 
- Você desperta meu lado gay. – Disse e eu gargalhei.
 
- Eu gosto de todos os seus lados. – Retruquei. – Acho que você despertou meu lado menininha... – Franzi a testa, e
 Joe riu, sussurrando próximo a minha boca. 
- Só espero que seu lado menininha não leve meu lado gay pra fazer compras... Isso seria demais! – Ele completou e nós desatamos a rir, antes de retomarmos o fôlego para perdê-lo de novo... Em um beijo.
- Ah Joe, não, não! 
Saí correndo em direção ao portão com
 Jonas em meu encalço. Ele queria se vingar de mim. Só porque eu taquei areia nele? Que absurdo! 
- Vou te jogar dentro da piscina! – Ele gritou de volta, quase rindo, e eu arregalei os olhos.
 
- Você não é louco,
 docinho! 
- Você quem pensa! – Ele disse e eu gritei, abrindo o portão com força. Olhei para trás e vi
 Joe largar as sacolas da padaria no chão e correr atrás de mim. – Joe, por favor! 
- Agora ela vem toda meiguinha, né? – Ele disse com a voz afetada e eu gargalhei, correndo pela lateral da casa, gritando.
 
Joe me alcançou e me segurou pela cintura, me virando de frente. Fui dando passos para trás, tentando me preparar para fugir.
 
- E agora, docinho? – Ele me puxou para perto e eu senti minha nuca arrepiar.
 
- Por favor... – Pedi com a voz mais fofa que consegui, eu sabia que isso derretia
 Jonas. Ele sorriu, derrotado, e me puxou para si. 
Continuei andando de costas, procurando algo em que me apoiar, minhas pernas tinham a terrível mania de tremer com aqueles beijos de
 Joe. Esbarrei em uma árvore e parei, separando o beijo com um sorriso no rosto. Jonas manteve as mãos em meu rosto, então eu ouvi um barulho. 
-
 Demetria! – A voz de Danielle parecia de pânico. Joe me encarou com um olhar calmo, como quem me incentivava a olhar para minha amiga. Sorri e me virei, e ele fez o mesmo. 

Foi quando eu percebi que todos estavam ali. Sem exceção. Kevin, que parecia tão em pânico quanto Dani, que estava ao seu lado. Justin tinha uma expressão estranha no rosto, Selena parecia preocupada. Miley estava entre a surpresa e o nojo, e eu não entendia o motivo de todo aquele desespero. 
Joe apertou minha mão com força.
 

- Nick, não! 

Vi meu irmão sair de trás de Justin como um flash e ouvi um grito de Danielle. Numa fração de segundo, minha mão caiu ao lado do meu corpo. 
E então
 Joe estava no chão.


Demetria’s P.O.V mode OFF

------------------------------------------------------------------------------

Bom meus amores =) como viram , eu troquei o LAYOUT \o/ AGRADEÇO a Sammy =) vc é um amor ^^ 

Bom Vitoria , obrigado =)) eu nem tinha visto o problema , mas já resolvi ^^ 

Espero que gostem do capítulo , postei MESMO sem ter os 6 comentários que pedi né ! porém não vou mais fazer , terá capítulo se tiver os COMETÁRIOS!


*-----*------*------*--------*-------*------*-------*--------*

Tenso né ! o Nick descobriu ... e não gostou =( QUEREM SABER MAIS ??? Comentemmmm !

♥ 6 comentários para o próximo ♥



Selinhos !!!  da ALÊ (bebê) e da Taynara




Obrigado amores =)) 

To com preguiça de repassar =( sorry )= , então quem tem blog , pode pegar =)) são pra vocês !!! 

bjssssss 


♥ 6 comentários para o próximo ♥

11 comentários:

  1. O.m.g. Nick discubriu,vish......
    Tadinho do joe,nick já começou batendo nele,paz e amor nick,paz e amor.
    To doida para ver,o que vai acontecer,vai rolar barraco ~lê eu com sorriso maligno~ Kkkkk.
    Fico feliz que você gostou do selo o_O
    Tá perfeito bebê,loca para saber o que vai acontecer,amei o momento jemi <3<3<3<3<3
    #apaixonada
    Posta logoooo, *---*
    Beijosssssss XD

    ResponderExcluir
  2. oh meu deus... barraco

    ResponderExcluir
  3. O bom dura pouco pk? tadinha da demi, irmão ou amor? que dilema!

    ResponderExcluir
  4. omfg, o nick descobriu!!! ah, to mt curiosa p saber oq vai acontecer.
    sua fic é perfeita, cara! posta logooooo xx

    ResponderExcluir
  5. Viiiish! Nick estressadinho! Ja vai direto p cima do Joe! Ficou P-E-R-F-E-I-T-O
    Jemiii <3 aaaawn amei esse capitulo *---*

    ResponderExcluir
  6. CARALHO O CAPITULO TODO FOFO E CHEGA ESSE FINAL SUPER FODA! Por que o Nick tinha que ser tão grosso? Caralho. A Demi sempre namorou e... Meu Deus. POSTA LOGO LINDONA

    ResponderExcluir
  7. Eu acho q o nick gostou sim, ele deve ta assustado com o momento afinal a demi e irma dele ne!?!
    Posta logo
    Por favor

    ResponderExcluir
  8. O que eu adoro no seu blog é q vc posta capítulos longos e eu amo capítulos longos! kk O blog ficou mt lindo com a nova aparência! pode divulgar o meu?? lovestruckjemi.blogger.com.br
    Bjssss
    POSTA LOGOOO

    ResponderExcluir
  9. Sua fic e mto perfeita!!!!!POSTA LOGO !!!!!!@@

    ResponderExcluir
  10. Ferrou!

    Nick eu te mato kkk!

    Desculpa a demora e que eu cheguei agora da escola kkk são 23:40 kkkkk!

    Putz o Nick vai ficar puto com o Joe posta logo!

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!