14/01/2013

Summertime - Capítulo 3





Capítulo 3: The way I see you


- Ah garota, último dia de aula! – Danielle pulava contente e Demi riu.
- Nem acredito! Férias, as tão esperadas férias! Isso é incrível! – Ela disse e Mi se aproximou.
- E aí gatinhas, vamos arrasar na festa da praia? – Ela perguntou como se isso fosse muito óbvio, e todas riram. – Demi amiga, discurso na ponta da língua?
- Sempre! – Ela sorriu animada.
Demetria não era presidente do conselho estudantil, não fazia parte do grêmio e não tinha ligação com nenhuma pessoa envolvida nesses dois quesitos. Bom, sua paixão era pela arte. Ela simplesmente figurava em todas as peças teatrais do colégio, como protagonista ou com papéis de grande destaque. Foi capitã das líderes de torcida durante quase dois anos, mas quando teve que escolher entre as artes dramáticas e os gritinhos empolgados, ficou com a primeira opção, a contragosto de muita gente. Por ser altamente popular no colégio, sempre era escolhida para discursos empolgados nas festas que antecediam as férias, ou a volta as aulas.
- Nem acredito que depois de amanhã estaremos na FRANÇA! – Os olhos de Selly ficavam iluminados com a idéia.
- Estou contando os minutos! – O braço de Justin pousou levemente nos ombros da garota, que torceu o nariz e se livrou dele em dois segundos.
- Bom, a parte de você estar lá não é bem a minha preferida das férias! – Ela disse jogando os cabelos e ele fez careta.
- Outch, bom dia pra você também! – Ele disse e Demetria riu.
- Bom dia Justin meu amor! – Ela estalou um beijo na bochecha dele. – Dormiu bem?
- Uau, que bom humor Demi! Estou começando a achar que as horas no banheiro...
- Cala a boca antes que você Nicke seu segundo toco do dia, bebê! – Demi disse sorrindo e Justin riu.
- Qual a primeira aula de vocês? – Ele perguntou.
- Bom, eu e a Danielle temos Física... – Demetria passou a mão nos cabelos teatralmente fazendo todos rirem. – A Mi e a Selly tem biologia.
- Biologia só se for com o Cullen. – Joe entrou na conversa fazendo uma voz afetada que ele jurava parecer com a de Demetria. Ela rolou os olhos.
- Ai Joe, você cansa minha beleza, sabia? – Ela reclamou e Fletcher riu. – Vem Dani, vamos nos atrasar! – Ela disse puxando a amiga.
- Nos vemos em Literatura, docinho! – Joe deu um berro mais alto e Demi murmurou algumas coisas que ele não entendeu, mas riu.
As aulas antecedentes ao intervalo passaram rapidamente. Os professores não tinham mais nada para passar para os alunos, apenas as notas e as tão temidas recuperações. A aula dupla de literatura vinha logo após o intervalo, e era a única em que todos os oito se encontravam, coincidentemente. A maior parte da classe gostava muito da Sra. Brown, era uma das professoras mais simpáticas daquele colégio. Ela entrou sorridente na sala e alguns baderneiros – o que incluía Nick e Kevin – pararam com a guerra de papel.
- Bom dia queridos!
- Bom dia Sra. Brown.
- Bem, último dia de aula, não é mesmo? Vejo que estão animados para se verem livres de nós por um tempo – Ela riu sozinha da própria piada – Sr. Jonas, sente-se corretamente, não quero alunos com lordose. – Ela disse e Joe assentiu. Demetria e Selena riram. – Continuando. Eu sei que a maior parte dos professores não está fazendo nada nesse último dia, mas eu tenho um trabalho para vocês.
Uma onda de “Ah professora” e “Poxa, último dia!” foram ditas simultaneamente. A senhora de meia idade riu levemente e bateu a mão na mesa para que olhassem para ela.
- Posso terminar, por favor? – Ela disse todos ficaram quietos. – Assim que eu gosto! Enfim, eu acho que vocês vão gostar desse trabalho. Ele não tem nada a ver com literatura, mas com convivência. Quantos anos vocês estudam juntos? Aposto que bastante tempo. Mas aposto também que metade de vocês mal se conhecem. Deixem-me provar minha teoria. Srta. Purcino, qual é o nome desta aluna? – Ela disse apontando para uma garota de cabelos cacheados na segunda fileira da frente e sorriu.
- Er... Evan. – Mi respondeu em dúvida e Danielle sorriu para ela.
- Certo, acertou! – A professora sorriu. – Agora me diga: Evan chegou aqui na metade do ano letivo, vinda de uma outra cidade, qual mesmo? – Ela questionou e Miley não soube responder, fazendo a sorrir vitoriosa. – Bristol, seria a resposta correta, meu anjo. É exatamente isso que eu quero provar para vocês hoje. Vocês são uma sala de aula, mas poucos se conhecem, todos vivem em suas panelinhas sem se importarem com o restante. E hoje eu quero que vocês conheçam o restante. Então eu quero que essa metade da sala escreva rapidamente seus nomes em papéis e passem para frente. Eu vou colocar nessa caixinha. Mas só a metade!
Todos obedeceram sem entender aonde ela queria chegar. Demetria escreveu seu nome em um papel, assim como todas as suas amigas. Os garotos estavam na outra parte da sala, então não precisaram escrever.
- Ótimo, tudo aqui? – A professora perguntou retoricamente, chacoalhando a pequena caixa. – Bom, eu quero que cada um desse lado venha pegar um papel. Mas NÃO ABRAM AINDA, por favor. – Ela disse e todos obedeceram.
- Certo professora, mas o que a gente faz com isso? – Uma garota de cabelos extremamente longos e lisos perguntou imediatamente.
- Minha querida Anna, isso que eu vou explicar agora. Bem, cada um de vocês que está com o papel na mão irá vir aqui dizer qual nome encontrou aí dentro. E o nome que estiver aí será seu mais novo amigo! Bom, pelo menos pelas próximas duas horas...
- Como assim? Kevin perguntou do fundo da sala.
- Bem, eu tenho aqui uma listinha com cinco perguntas e uma pergunta surpresa para vocês. Cada dupla vai sair da sala, andar pelo colégio e fazer algo legal juntos, seguir as tarefas. Eu tenho como saber se estão fazendo tudo direitinho, ok? Não tentem trapacear!
Todos começaram a falar juntos e a preocupação da maior parte das pessoas era cair com alguém que não gostava, ou com alguém queima filme, ou coisa do tipo. Sra. Brown havia deixado claro que não permitiria que amigos ficassem em dupla, e ela sabia muito bem quem era amigo ali e quem não era. Demetria sentiu um arrepio na espinha só de pensar em algumas probabilidades. “Você teria que ser muito azarada!” Ela pensou e prestou atenção quando seu irmão foi chamado a frente para ser o primeiro a abrir o papel.
- Angela Williams! – Quem é essa? – Ele sussurrou para a professora e uma garota tímida e pequena veio em direção a ele. Nick tinha certeza que nunca havia visto aquela garota na vida.
Assim a brincadeira prosseguiu. Selena havia sido sorteada por um nerd e foi muito zoada pelas amigas por causa disso. Justin passaria um tempo com uma líder de torcida extremamente gostosa, palavras dele.Várias pessoas haviam sido sorteadas. Algumas poucas haviam adorado a dupla, mas muitas estavam insatisfeitas.
- NÃO! – Jones quase gritou ao abrir o papel.
- Kevin Jones, isso são modos? Quem você sorteou? – Sra. Brown perguntou e ele ficou verde.
- A... a... a... – Justin gritou um anda logo Jones e ele parou de gaguejar. – Danielle. Danielle Deleasa.
Dani ficou mais verde que Kevin e levantou reclamando tão rápido que ninguém entendeu nada. A professora riu.
- Uau, vejo que formei uma dupla interessante! Sem reclamações, os dois. Não vou mudar coisa alguma!
Mais três duplas formadas e Demetria estava quase dormindo na carteira quando Joe foi chamado a frente. Sentou-se corretamente e começou a tamborilar os dedos na mesa. Não, ainda tinha pelo menos cinco pessoas para serem dupla dela. Isso não ia acontecer.
- Que letra estranha! – Joe reclamou e algumas pessoas riram. – Ah, não! – Ele sussurrou e de repente ficou corado. Aquilo não podia estar acontecendo. – DemetriaLovato. – Ele disse muito baixo.
Demetria bateu a cabeça na mesa. Algo realmente dizia que aquilo ia acontecer. Logo Justin começou com as piadas sobre o banheiro e Nick ria escandalosamente. Ela sabia que não adiantaria reclamar. Apenas levantou-se em passos largos e tomou o envelope da mão da professora, voltando ao seu lugar. Todos acompanharam a cena em silêncio.
- É, acho que nosso destino cisma em fazer esse tipo de coisa com a gente... – Joe andava com as mãos nos bolsos ao lado de Demetria.
- Eu não acredito em destino. Estou começando a achar que uma pessoa com a sorte como a minha só pode passar por esse tipo de coisa. – Ela respondeu sem olhar.
- Não vai me dizer que você realmente acha que não é sortuda? – Joe rolou os olhos e Demetria o encarou de frente pela primeira vez.
- Você não me conhece, Joe. Pare de tentar falar do meu destino ou da minha sorte. – Ela disse num tom de voz amigável, mas as palavras eram ásperas.
- Se você diz. – Ele deu de ombros e sentou embaixo de uma árvore. – Ficamos aqui.
- E quem disse que você quem decide as coisas? – Ela retrucou prontamente.
- Puta merda, cada dia mais chata. – Joe reclamou e levantou. – Qual árvore te agrada mais? – Disse sarcástico. – Pra mim são todas iguais.
- Ah, vê se me erra! – Demi respondeu sentando no lugar em que Joe estava. Ele bufou e sentou ao lado dela.
- Vamos terminar logo com isso. – Ele disse pegando o envelope.
- Acho válido. Qual a primeira pergunta?
- “Dentro dos limites do colégio, cada um deve levar o novo amigo para um lugar que realmente gosta, para fazer algo divertido” – Joe repetiu com cara de espanto. – Essa mulher é doida!
- Sempre desconfiei! – Demi riu. – Ela disse que eram PERGUNTAS. Mas tanto faz. Vai, me leva pra algum lugar.
- Primeiro as damas. – Joe fez um gesto de reverência exagerado e Demetria riu.
- Você é insuportável. Anda, me leva pra algum lugar logo.
Joe e Demetria andaram lado a lado sem dizer nada por poucos minutos. Ao redor do pátio viam vários de seus colegas se movimentando em duplas. Joe achou graça e riu sozinho. Demi sorriu olhando para os pés.
- Tcharan! – Joe mostrou a cantina para Demi, que teve um acesso de riso.
- A cantina, Joe? – Ela estava quase engasgando de rir.
- Nossa, não vi tanta graça assim... – Ele fez bico e Demi tentou parar de rir, mas achou bonitinho a cara que ele estava fazendo.
- Não é que seja propriamente engraçado... É que sei lá, é típico. Aposto que metade dos garotos vai trazer as meninas aqui. Ou vão levá-las pro ginásio.
- Ou para alguma salinha escura para fazer coisas mais divertidas! – Joe bufou e Demi rolou os olhos.
- Pervertido.
- Realista.
- Cala a boca.
- Tá, o que você quer comer? – Ele perguntou olhando a grande placa que tinha os lanches. Normalmente todos usavam o refeitório, a cantina só funcionava em horários alternativos.
- Não sei ainda! – Demi olhava o grande mural de cima abaixo.
- Eu vou pagar, afinal é meu programa. – Joe sorriu e Demi riu, incrédula.
- Meu deus, dentro de todo ogro existe um gentleman! – Ela fez piada e riu verdadeiramente, e aquela risada fazia com que Joe risse. – Ok, eu quero um cheeseburguer sem cebola com batatinhas e uma Coca! Acho que é o número três!
Joe abriu a boca, dessa vez completamente incrédulo. Não imaginava que o pedido dela seria esse.
- Achei que fosse pedir um sanduíche natural! – Ele fez careta e Demi riu.
- Aquilo não mata minha fome.
- Você é estranha! – Joe virou os olhos e pediu dois lanches para a moça.
- Porque estranha? – Demi ainda ria da cara do menino. – Você acha que eu estou gorda, é isso? Acha que eu preciso desesperadamente de um pé de alface?
- Não, não! – Joe arregalou os olhos. – Eu não vou cair nessa, não vou dizer que você está gorda só pra você me bater.
- Droga! – Ela riu e ele também. – Mas é sério, por quê?
- Ah... – Joe coçou a cabeça – Porque você não me parece o tipo de garota que se dá ao luxo de comer essas coisas.
A moça colocou os pedidos no balcão e Joe pegou a bandeja. Demi pegou sachês de catchup e mostarda e o seguiu.
- Aonde você vai? – Ela perguntou vendo que ele se afastava das mesas.
- Eu não sou assim tão previsível, Demi. – Ele sorriu e ela a seguiu.
- Você me chamou de Demi. – Ela disse numa voz tímida, quase infantil.
- Desculpe. Não posso? – Joe ficou corado no mesmo instante.
- Não, pode sim, tudo bem.
Joe colocou a bandeja na grama embaixo a uma árvore que fazia uma sombra vasta, em frente à pequena praça que ficava em meio ao colégio. Demi sorriu e sentou-se ao lado dele.
- Piquenique! – Ela bateu palmas, novamente parecendo uma criança. Joe riu.
- Gostou?
- Achei... diferente. É, eu nunca fiz um piquenique no colégio! – Demi sorriu sincera.
- É legal comer aqui. A vista é muito melhor do que todos aqueles idiotas que cercam a cantina. – Joe disse um pouco rancoroso e Demetria sorriu.
- Também acho.
- Ah, até parece. – Joe revirou os olhos.
- Eu estou com fome, Joe. Será que poderíamos discutir quando eu acabar? – Demi colocou a mão na cintura e ele riu baixo, assentindo com a cabeça.
Os dois terminaram os lanches rapidamente, estavam realmente com fome. Durante esse tempo, não falaram nada, mas tiveram dois acessos de riso. Um pelo silêncio, e o segundo por um garoto que tomou um tombo hilário bem na frente deles.
- Vamos, minha vez! – Demi tentava puxar Joe pela mão, mas ele não levantava. – Anda, Joe! – Ela disse e pisou sem querer num sache aberto de catchup. O líquido voou direto na camiseta de Jonas, e ela começou a rir muito alto.
- Ah, ÓTIMO! – Ele tentava limpar enquanto ela ria. – Preciso ir ao banheiro pra molhar isso aqui e...
- Tá louco? Só vai manchar mais! – Ela disse entendida. – Nem dá pra ver direito, deixa de ser fresco! Agora vem, vamos para o meu lugar!
Os dois andaram um pouco agora comentando do Nickbo do garoto, e rindo. O lugar definitivamente era mais distante, já estavam andando há alguns minutos. Joe não tinha a mínima noção de onde era, mas era algum local escondido, isso era um fato.
- Demetria, estou começando a achar que você vai me estuprar nos matos do colégio! – Joe fingiu desespero e Demi desatou a rir.
- Ai seu idiota! – Ela deu uma tapinha leve no ombro dele e pela primeira vez Jonas percebeu que ela realmente estava brincando ao chamá-lo de idiota. Nunca era daquela maneira.
- Aqui. – Demi abriu um enorme sorriso e Joe olhou ao redor de um jardim extremamente bonito, mas que ele nunca tinha visto.
- Nossa! – Ele olhava em volta, pasmo. – Você tem certeza que isso é dentro do colégio? – Ele perguntou e Demi riu da sinceridade com que aquela pergunta foi feita.
- Aham. Bem, esse jardim pertence à família da Sra. Cruz, do refeitório, sabe? É dentro do colégio, mas não é do colégio.
- E nós podemos vir aqui?
- Claro. Eu venho aqui sempre, eles já estão acostumados. – Demi sorriu e deitou na grama, olhando o céu limpo e com poucas nuvens.
- Uau. – Joe disse ainda boquiaberto com o lugar que Demetria havia escolhido. – Como você descobriu isso aqui?
- Quando eu era mais nova, eu era amiga da Helena, neta da Sra. Cruz. Uma meio indiazinha, lembra? – Demi perguntou ainda olhando pro céu e Joe assentiu. – A gente estudava matemática juntas aqui. Era muito legal, todo dia eu comia bolo de cenoura com cobertura de chocolate. O da Sra. Cruz é o melhor que existe! – Ela sorria e parecia imersa em pensamentos, tão imersa que não viu que Joe a olhava.
- Definitivamente seu lugar foi melhor que o meu. – Joe sorriu e ela também.
- Mas o cheeseburguer estava ótimo!
- Talvez eu venha comer aqui um dia! – Joe sorriu maroto e Demi riu.
- Nesse dia eu virei com você.
Os dois sorriram e Demi pegou o envelope, sentando-se.
- Olha, agora é realmente uma pergunta! – Demi disse numa mistura de sarcasmo e espanto.
- Estou até com medo disso! – Joe ainda estava deitado.
- “Como você vê a pessoa que está com você?” – Demi leu e os dois se entreolharam rápido.
- COM OS OLHOS! – Disseram em uníssono e desataram a rir.
- Tá, acho que ela devia prever que muita gente responderia isso. – Joe disse, sentando-se também.
- Hm... – Demi estava pensativa. – O jeito que eu vejo você...
- Você realmente vai responder? – Jonas franziu a testa.
- E porque não? Já estou aqui mesmo.
- Ok então. – Joe a olhava curioso.
- Joseph Jonas é um cara... Estranho! – Demi dizia ainda pensativa. – Estranho porque vive falando mal dos jogadores populares, mas vive correndo atrás de líderes de torcida, o que é controverso...
- Ei, eu não corro atrás de líderes de torcida! – Joe interrompeu e Demi riu.
- Não se esqueça que eu era uma. E que garotas falam tudo! – Ela sorriu vitoriosa e Joe riu. – Bem, eu acho que você não é tão bad boy quanto quer aparentar. Você é muito mais doce do que quer mostrar. E você é observador. E por fim, eu digo que você não me odeia.
Joe estava boquiaberto para tantas conclusões corretas que Demetria havia feito. As palavras simplesmente não saíam para que ele respondesse alguma coisa. Demi olhava para o céu quando, minutos depois, ele realmente resolveu falar.
- Em minha defesa, as líderes de torcida me amam – Ele sorriu presunçoso, e Demetria riu.
- Nem todas.
- Não tenha tanta certeza disso! – Ele riu malicioso e Demi rolou os olhos. – E eu nunca disse que odiava você. A gente só briga muito.
- É, também acho.
- Isso quer dizer que você também não me odeia? – Ele perguntou curioso e os dois estavam finalmente sentados mais perto.
- É claro que não. – Demi respondeu prontamente.
- Legal. – Foi tudo o que Joe conseguiu dizer.
- Sua vez de falar de mim. – Demetria o olhou de rabo de olho.
- Tá. – Jonas pensou e respondeu rápido. – Você quer que todos achem que você é malvada com os homens, mas você não é. Você se preocupa com os outros, mas finge que não. Você mataria e morreria pelas suas amigas ou pelo seu irmão, embora vocês dois briguem mais do que não sei o que. A garota que todas as meninas do colégio querem imitar não é verdadeiramente você, é quem você aparenta ser. Você também é muito mais doce do que deixa transparecer, mas não necessariamente comigo – Ele riu baixo. – E você tem um estranho gosto para se apaixonar por vampiros, piratas, bruxos ou qualquer coisa que não exista.
Demi olhava para o rosto de Joe mais incrédula do que nunca. Chacoalhava a cabeça de um lado para o outro, sorrindo.
- Isso foi muito bom. – Ela riu. – E eu devo acrescentar que você é um espião contratado. – Demi disse e os dois riram alto. – Uau.
- Acho que podemos pular a parte constrangedora de comentar sobre essa conversa, pulando pra próxima pergunta, não? – Joe perguntou com um sorriso encantador nos lábios. Demi estremeceu.
- Concordo. Pode ler você. – Ela entregou o papel para ele.
- Ah, essa é legal. Em teoria. – Joe riu. – Eu tenho medo do que possa escutar.
- Fala logo, Joe. – Demetria estava curiosa.
- “Faça seu parceiro escutar uma música de sua banda preferida e diga porque escolheu aquela música” – Ele leu em voz alta.
- Gostei dessa! – Demi sorriu. – Vamos até meu armário, preciso pegar meu Ipod.
- Eu tenho aqui no celular, eu acho. – Joe pesquisava suas listas.
- Meu celular está sem bateria. – Demi bufou. – Vamos lá!
Demetria e Joe andaram rapidamente até o corredor dos armários. Joe procurava insistentemente algo no celular e os dois não estavam conversando.
- Achei! – Ele sorriu vitorioso.
- Achei! – Ela disse quase ao mesmo tempo. – Meu Ipod, agora preciso da música! – Ela riu.
- Eu realmente estou com medo. – Joe rolou os olhos. – Eu sinto que não vou gostar de ouvir o que você quer que eu ouça.
- Não julgue um livro pela capa, Jonas. – Demi sorriu simpática e Joe sentiu um leve estremecer na espinha.
- Vai, vamos acabar logo com a tortura, me dê aqui o Ipod. – Ele disse fechando os olhos e fazendo cara de profundo medo. Demetria riu da expressão dele.
Here comes the sun, here comes the sun (Aqui vem o sol, aqui vem o sol) 
And I say it’s all right (E eu digo que isto é o certo)
 
Little darling, it's been a long cold lonely winter, (Queridinha, tem sido um inverno muito frio e solitário)
 
Little darling, it feels like years since it's been here, (Queridinha, parece que se foram anos desde que esteve aqui)
 
Here comes the sun, here comes the sun, (Aqui vem o sol, aqui vem o sol)
 
And I say it's all right. (E eu digo que isto é o certo).
A cara de espanto de Joe era algo que fez com que Demetria reprimisse uma risada alta. Ela tinha certeza que essa música seria um choque para ele.
- Não é possível, você só pode estar brincando! – Joe disse de olhos arregalados.
- Qual o problema? – Demi riu baixo.
- Here comes the Sun! Você não ouve Beatles! EU ouço Beatles! – Joe fitava o visor do Ipod com profunda desconfiança.
- Eu não sabia que eles eram propriedade sua, amorzinho. – Demetria riu sarcástica.
- Aposto que é a única deles que você tem.
- Pode checar se quiser.
Joe começou a passar uma série de música dos Beatles no aparelho. Não se dando por vencido, começou a fuçar as outras pastas. Rock. Rock. Rock. Aquilo não fazia sentido, Demi era realmente muito diferente do que imaginava.
- Satisfeito? – Um sorriso vitorioso se espalhou pelo rosto da garota. – O que você imaginava ouvir?
- Britney Spears. Black music. Sei lá. – Joe ainda estava desacreditado. – Porque escolheu essa música? Você tem várias dos Beatles aqui...
- Foi aleatório.
- Ah, sim.
- Posso ouvir a sua agora? – Demi perguntou pegando o celular e os fones. Joe assentiu.
All this feels strange and untrue (Tudo isto parece estranho e surreal) 
And I won't waste a minute without you (E eu não quero passar um minuto sem você)
 
My bones ache, my skin feels cold (Meus ossos doem, minha pele está fria)
 
And I'm getting so tired and so old (E eu estou ficando tão cansado e tão velho)
The anger swells in my guts (A raiva me corrói por dentro) 
And I won't feel these slices and cuts (E eu não vou sentir esses pedaços e cortes)
 
I want so much to open your eyes (Eu quero tanto abrir seus olhos)
 
´Cause I need you to look into mine (Por que eu preciso que você olhe nos meus)
Tell me that you'll open your eyes [x4] (Me diga que você abrirá seus olhos)
Get up, get out, get away from these liars (Levante, vá embora, saia de perto desses mentirosos) 
´Cause they don't get your soul or your fire (Porque eles não entendem sua alma ou seu fogo)
 
Take my hand, knot your fingers through mine (Pegue minha mão, entrelaçe seus dedos entre os meus)
 
And we'll walk from this dark room for the last time (E nós sairemos deste quarto escuro pela última vez)
Demetria escutou a música em absoluto silêncio. Joe olhava para os pés, e as vezes para ela. Demi sorria algumas vezes, mas seu rosto tinha uma expressão indecifrável, o que deixou Joe inquieto.
- Open Your Eyes do Snow Patrol. – Demi sorriu, por fim. – Eu adoro essa música.
- Eu também. – Joe sorriu tímido.
- Porque você escolheu essa? – Demi estava curiosa. Curiosa, inquieta e um tanto trêmula pelo que poderia ser a resposta.
- Foi aleatório. Eu não sabia que você gostava. – Joe sorriu levemente, mas Demetria não se convenceu.
- Achei que fizesse algum sentido.
- Talvez faça. – Joe respondeu rapidamente, deixando a garota desconcertada, e um tanto corada. – Você está vermelha! – Ele riu.
- Claro que não! – Demi negou imediatamente. – É o reflexo da blusa daquele menino ali. – Ela apontou.
- Sei...
- Ah, fica na sua Joe. – Ela rolou os olhos e Joe riu.
- Próxima pergunta?
- Por favor.
- “Pergunte algo que sempre quis perguntar para seu novo amigo” – Joe leu em voz alta e os dois se entreolharam confusos.
- Isso vai ser estranho. – Demi franziu a testa.
- Também acho. – Joe concordou. – Vamos sentar ali na árvore de novo?
- Tudo bem. – Demi disse e o seguiu até a árvore novamente. O local não estava muito cheio, poucas pessoas passavam por ali. – Pode perguntar.
- Eu primeiro? – Joe fez cara de dúvida e Demi assentiu. – Ah, preciso pensar, espere um pouco. – Ele disse e ela sorriu.
- Chiclete? – Ela ofereceu e ele pegou um.
- Obrigado. Acho que já sei o que vou perguntar.
- Manda a ver. – Demi disse confiante, mas estava com um pouco de medo.
- O que realmente aconteceu pra você ter medo de altura? – Ele perguntou e ela gargalhou. – Eu fiquei curioso depois de ontem. Achei que tivesse respondido certo.
- Você respondeu o que qualquer um responderia, eu fiz todos acharem que eu tinha caído da escada. Mas pense bem, isso não me daria medo de altura. – Demi revirou os olhos. – Esse povo acredita em cada coisa.
- Ei, eu também acreditei! – Joe interrompeu e a garota riu.
- Ah, Joe... – Ela olhou para baixo timidamente. – Você vai rir de mim.
- Prometo que não vou. – Ele sorriu.
- Até parece! – Demi ainda olhava pra baixo. – Tudo bem, eu digo. Quando eu era pequena, sei lá, tinha uns seis anos, eu estava com o Nick na fazenda da minha avó. Ele disse que eu não conseguiria subir numa árvore, então eu subi. Só que começou a chover muito, com raios e trovões, aquele idiota saiu correndo e me largou lá por umas duas horas – Demi tinha o olhar fixo – foram as piores horas. Eu não conseguia descer. Então desde então eu tenho medo de altura. Pode rir. – Demi olhou praJoe que sorria.
- Eu prometi e não vou rir. – Joe sorriu engraçadamente. – Mas é engraçado. Eu achei que fosse algo com montanhas russas, aviões, sei lá!
- Eu preferia que fosse. – Ela disse e os dois riram. Joe riu um pouco demais, então Demi presumiu que ele estava rindo da história, e deu um tapa no ombro dele, que segurou o riso.
- Foi mal! – Ele respondeu um carinha de urso e Demi riu. – Vem, levanta!
- Pra que? – A garota franziu a testa, mas foi puxada para cima.
- Vamos subir essa árvore! – Joe sorriu maroto e os olhos de Demetria arregalaram.
- Joe, pare com as drogas! Eu não vou subir! – Demi disse entre dentes, mas com vontade de rir.
- Você tem que superar seus medos, docinho! – Joe disse num sorrisinho malicioso e Demi rolou os olhos.
- Eu odeio quando você me chama de docinho.
- Eu sei. – Ele riu e ela fechou a cara, sentando-se. – Minha vez de perguntar alguma coisa, não?
- Ah droga! – Joe sentou e Demi riu.
- Olha Joe, eu vou te perguntar uma coisa que possivelmente lhe deixará irritado comigo – Ela disse e o garoto arqueou a sobrancelhas, curioso – E você vai achar no mínimo estranho. Prometa que não vai me matar.
- Nossa, mas que pergunta é essa? – Joe riu. – Prometo.
- Bom, é que... – Demi mediu as palavras para continuar. – Há dois meses atrás você, meu irmão e os garotos tiveram aquela idéia estúpida de viajar para Manchester para aquele festival de rock, em plena semana de provas. – Ela dizia quando Joe olhou para baixo. – Ah, nem vou continuar.
- Não, tá tudo bem. – Ele sorriu forçado e a olhou. – Continue.
- Eu sei que todas as mães ficaram profundamente irritadas. Eu vi com meus próprios olhos a bronca que o Nick levou lá em casa, foi terrível, eu tive dó dele. – Ela suspirou – Mas no dia seguinte ele estava aqui no colégio, com Kevin e Justin, mesmo que estivessem de castigo. E você simplesmente sumiu, por uma semana inteira. E quando voltou... – Demi olhou nos olhos dele – Estava péssimo. Machucado, com o olho roxo. Mas não só pelas marcas físicas, eu digo como pessoa. Você estava realmente mal, Joe. O que aconteceu?
Joe abraçou os joelhos inquieto. Não esperava por aquilo e falar sobre aquela semana realmente abria feridas que ele não gostava, não era algo agradável de lembrar. Suspirou algumas vezes antes de conseguir explicar.
- Estou surpreso que você tenha reparado. – Ele disse levantando a cabeça levemente. – Tudo bem, eu vou explicar. – Jonas disse e Demi assentiu. – Aquela semana foi terrível pra mim. Logo quando nós voltamos de Manchester, cheguei em casa e minha mãe estava desesperada. Mesmo depois que a gente ligou e disse que estava lá e tudo mais. Ela estava realmente muito brava.
- Sua mãe fez... aquilo com você? – Demetria arregalou os olhos num espanto que foi transmitido por sua voz.
- Não, claro que não! – Joe disse e ela suspirou alto. – Bom, minha mãe namorava um cara naquela época. – Ele torceu o rosto quando lembrou. – E ele parecia um cara legal, pra ela e tal. Mas assim que eu cheguei em casa e vi que minha mãe estava machucada, eu pirei. Aquele filho de uma puta tinha batido nela. Mais de uma vez, e fazia isso sempre, mas eu nunca havia reparado! Ela estava desesperada, sabe? Doeu muito vê-la daquela forma – Os olhos de Joe estavam vermelhos e Demi sentiu os olhos marejarem.
- Joe, eu...
- Deixa eu terminar, okay? – Ele pediu olhando pra baixo e Demi concordou em silêncio. – Eu fui até a casa dele e briguei feio, bati nele e tal... Mas obviamente ele era mais forte que eu. E eu acabei apanhando. Minha mãe chamou a polícia, e ele foi preso. Eu ainda tenho uma marca nas costas por causa daquele... – Joe parou no meio da frase e ficou quieto.
- Eu sinto muito. – Demi estava realmente comovida com a confissão. Não era algo que ela esperava ouvir. – Desculpe ter perguntado isso, de verdade. – Joe ainda olhava para os pés quando Demi, num impulso desajeitado, o abraçou de lado. Os braços estavam receosos, talvez por toda aquela proximidade que nunca tiveram. Ficaram em silêncio por alguns segundos, quando ela finalmente percebeu o que estava fazendo e se afastou.
- Eu nunca disse isso pra ninguém além dos caras... – Joe levantou os olhos e sorriu brevemente.
- Desculpe por ter perguntado.
- Está tudo bem, de verdade. – Ele piscou e ela sorriu. – Confio em você.
As palavras saíram meio atrapalhadas e Joe quis nunca ter dito aquilo. Droga, aquilo era pra estar em pensamento, não era pra ser dito. Demetria ficou igualmente abalada, mas sorriu. Um sorriso doce, diferente dos que costumava dar. Algo que Joe poucas vezes vira.
- Seu segredo estará a salvo comigo. – Ela piscou e sorriu mais uma vez, e involuntariamente Joe sentiu as pernas bambearem. – Última pergunta, que tal?
- Seria ótimo, se não fosse pela pergunta surpresa! – Joe disse e os dois riram. – Lê aí.
- “Conte ao seu novo amigo um segredo seu” – Demi leu em voz alta e riu. – Ah, que ótimo. Acho que fizemos isso.
- Realmente – Joe concordou, rindo. – Mas agora eu quero outro segredo, pode ir falando.
- Ah, que sem graça você! – Demi disse com uma voz infantil e os dois riram. – Então vai você primeiro.
- Tá bom, vai. – Joe pensou. – Eu durmo de meias.
- Ah, grande coisa. – Demi disse e os dois estavam rindo. – Vai, um de verdade.
- Então vai você primeiro enquanto eu penso. – Jonas pediu com um olhar piedoso e Demetria sorriu, concordando.
- Bem... Eu chorei como uma criança quando terminei com o Brian. – Demi corou e Joe arregalou os olhos.
- Como assim?
- Quando eu descobri a traição... Eu corri para um dos quartos da casa da Miley, dona da festa, com as meninas. Eu estava chorando muito e não queria que ninguém me visse daquela forma. – Ela confessou timidamente.
- Então você... amava... ou ama o Brian? – Joe perguntou com um olhar estranho, que Demetria chutaria ser tristeza, se não conhecesse a pessoa em sua frente.
- Claro que não! – Ela riu alto. – Eu estava chorando porque... – Demi fitou o nada e começou a falar muito baixo. – Porque foi muito difícil aceitar outra traição. Os garotos simplesmente não me levam a sério, não entendo. Sempre tem que aprontar alguma para acabar com tudo. Eu nunca amei o Brian, na verdade. – Ela olhou paraJoe quando percebeu o olhar dele em seu rosto – Eu estava machucada, porque as coisas sempre dão errado comigo. Porque eu nunca vou encontrar alguém que realmente me entenda e que não me decepcione. Porque eu nunca aprendi a amar.
Demi despejou em uma velocidade absurda, mas com a voz extremamente baixa, Joe teve que se esforçar para escutar. De certa forma, a confissão tinha feito bem a ela. Ela precisava colocar aquilo pra fora, e depois do que Jonas havia dito sobre a mãe, achou justo dizer algo realmente relevante. Joe sorriu calmamente como quem imaginava que o porque do choro tinha sido aquele. E então tocou a palma da mão da garota de leve, quase sem encostar.
- Ei, relaxa. – Ele sorriu. – Nem todos os homens do mundo vão te decepcionar. Talvez você só esteja procurando no lugar errado.
Demi retirou sutilmente sua mão dali porque sentia que ia estremecer. Sorriu de volta.
- Espero que esteja certo.
- Acho que estou. – Joe sorriu. – Agora é minha vez, não é? Ok, acho que já sei.
- Conte, conte! – Demi disse curiosa e riu de si mesma.
- Bom, nessa brincadeira... a música que eu escolhi... – Joe estava ficando vermelho de novo. – Tinha um sentido. Não era aleatória.
- Sabia. – Demi riu baixo. – Eu entendi na hora.
- Get up, get out, get away from these liars... – Joe cantarolou baixinho, e depois ficou tímido quando percebeu o que estava fazendo.
- Sua voz é linda! – Demi sorriu e ele riu.
- Não acho. Mas obrigado. – Ele riu. – Nossa, primeiro elogio que você me faz em todos esses anos! Momento marcante!
- Seu besta, não tente estragar meu humor! – Demi rolou os olhos. Era incrível que estivesse de ótimo humor ao lado dele, esperava ter uma péssima experiência dessa aula.
- Preparada para a tal pergunta surpresa? – Joe fez voz de locutor de rádio e Demi desatou a rir.
- Que medo de você.
- Eu tenho medo é desse envelope! – Joe levantou e começou a ler. – “Parabéns, vocês chegaram até a pergunta surpresa!” Joe fez uma voz afetada e Demetria quase engasgava de rir. “Agora é a hora mais importante: Escrevam um texto pequeno sobre a pessoa com quem que esteve nessa aula. Sobre o que você achava dela, sobre o que acha agora, mas com uma regra: Fale bem. Fale todas as qualidades de seu novo amigo, eu sei que ele tem muitas! E assim que terminarem, entreguem em minha sala!”
- Oh my God. – Foi tudo o que Demi conseguiu dizer.
- Isso vai ser... interessante. – Joe coçou a cabeça e abriu a mochila – Quer papel, caneta?
- Por favor.
Joe rasgou uma folha de caderno e pegou uma caneta para usar. Deu o caderno para Demetria e outra caneta. Os dois se olharam por alguns segundos sem escreverem nada. Então Demi abaixou os olhos e começou a escrever devagar no papel, concentrada. Joe arqueou a sobrancelha, e sem dizer nada, fez o mesmo. De vez em quando, ele a olhava e via que ela sorria para algumas das partes em que escrevia. Isso o fez sorrir também. Em poucos minutos Demi acabou o texto e dobrou o papel, esperando pacientemente por Jonas, que demorou um pouco mais do que ela.
- Acabei. – Ele sorriu.
- Eu também. Vamos entregar? – Ela perguntou já levantando, e Jonas a seguiu.
Chegaram na sala rapidamente e algumas duplas estavam entregando seus papéis para a professora. Uma pilha de envelopes estava na frente dela, então ambos presumiram que haviam demorado na brincadeira.
- Jonas, Lovato! – A professora sorriu. – Peguem um envelope para cada um, e do lado de fora escrevam “Joe Jonas sobre Demetria Lovato” ou vice versa, por favor. Depois coloquem na pilha.
- O que a senhora quer fazer com isso? – Demi perguntou curiosa.
- Nada. Só ter certeza de que vocês cumpriram a brincadeira. – Ela sorriu ao ver que Joe já colocava o envelope na pilha. Demi fez o mesmo, e os dois saíram da sala.
- É... – Joe sorriu com as mãos nos bolsos – Esse último dia de aula foi... legal.
- Também achei. – Demi sorriu – Eu me diverti, hoje.
- Que bom. Eu também. – Joe disse e os dois andaram lado a lado em silêncio até o estacionamento.
- Bom, acho que a gente se vê na França – Demi fez um gesto engraçado e Joe riu. Os meninos haviam optado por viajarem em um vôo diferente do das meninas, para evitar confusões.
- É, parece que sim. – Ele sorriu.
- A não ser que você apareça na festa da praia, hoje a noite. – Demi olhava para os pés.
- Isso é um convite? – Jonas sorriu vitorioso.
- Erm. Não. – Ela rolou os olhos. – A festa é para todos os alunos, você já estava automaticamente convidado. – A garota disse, e Jonas murchou.
- Ah, sim. Eu não gosto dessas festas.
- Faça um esforço então... Vai ser... legal. Se você for. – Demetria definitivamente estava tímida. Falava muito baixo, coisa que não era normal para ela. Jonas sentiu um calor estranho por dentro.
- Vou tentar. – Ele sorriu.
Então Danielle chegou correndo e se envolvendo no meio da conversa. Ela estava afobada, os olhos furiosos.
- Ah, você está aqui! Vamos, me dê uma carona pra casa! – Dani dizia rapidamente.
- O que houve amore? – Demi via a raiva transbordar pela expressão da amiga. Até Joe havia percebido. Danielle ia responder, quando percebeu a presença de Jonas ali.
- Nada. – Ela rolou os olhos. – Vamos, temos muitas coisas pra organizar pra festa! – Dani disse puxando Demetria, que começava a tomar distância de Jonas.
- Joe! – Ela deu um grito em meio ao pátio. Ele levantou os olhos, e Danielle parou de andar.
- O que?
- Tente aparecer. Eu vou esperar.
Demi sorriu largamente acompanhando o enorme sorriso de Jonas. Ele estava se sentindo bem, há muito tempo não sentia-se assim. De um modo ou de outro, as coisas estavam começando a parecer certas. Joe observou atento as duas garotas até que sumissem de seu campo de visão, som um sorriso idiota no rosto.
- O que foi isso, Demetria? – Dani ainda não acreditava no que tinha visto.
- Nada. – Demi sorriu ligando o carro – Porque está tão brava?
- Essa aula foi a pior de todas. Eu odeio o Jones, odeio, odeio! – Danielle dizia quase esmurrando o banco. – A sua também deve ter sido péssima.
- Hm, eu diria que foi... – Demi procurava alguma palavra que não fosse tão explícita para dizer que tinha gostado do último dia de aula. 
Dani ligou o rádio.
Tell me that you'll open your eyes… Tell me that you’ll open your eyes…
Demi riu baixo e sorriu para Danielle. Não conseguia mentir pra suas amigas.
- Do que está rindo? – Dani franziu a testa, confusa.
- De nada. E minha aula foi ótima. – Ela sorriu sincera, quando um mar de perguntas tomou conta do carro.

-----------------------------------------------------------------------------------


Oieee , que bom que vocês estão gostando da fic !!! =))) So Happy !!!

Hoje estou feliz , não sei pq mas estou !!! Fazendo esse poste ao som dos meus bebês JONAS BROTHERS - Games !!! eu amo essa musica \o/ 

É isso ai !! bjsssssssss pra vocês minhas lindas ! 

♥ 5 comentários para próximo , lindas ♥ 



7 comentários:

  1. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH! Mô eu AMEI 4evermente esse capitulooooooooo!
    hehe
    Joe e Demi no mó clima hehehehe
    Bom, eu maaaaaaaaal escuto JB e tenho repulsa das músicas do Joe cantando sozinho(não me matem) kkkkkkk
    Mais qualé velho, eu sou tralmatizada com o Joe e de certa forma eu não gosto dele u.u
    kkkkkkkkkkk sou estranha kkkkkkkkkk vejo coisa Jemi e não gosto do Joe kkkkkkkkk
    mas sabe... eu só gosto dele quando ele tá com a Demi kkkkkkkkkk e apenas acho ele legal quando brinca com os irmãos dele sabe kkkkkkk
    Acho que JEMI é um casal muito bonitinho, então... kkkkkkkk
    Mas acho o Joe um idiota! Por isso tenho facilidade para não gostar dele kkkkkkkkkkkk mas ele até que é legalzinho na minha fic kkkkk mas não deixa de ser um otário! u.u
    Só acho... hehehehe Me julguem pela minha opinião u.u kkkkkkkk menos a alê kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Bom, é isso mô
    Beijos minha gata seduzente ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk eu lembro que vc já me falou isso há um tempo no face ^^ okay =))

      Excluir
  2. Essa fic é sua? Pra mim eu já li ela...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não é minha não ... originalmente e da Cah Sodré ... falei isso no primeiro capitulo ! okay =)

      Excluir
  3. aaaa minha bebê,tá muito perfeito o capítulo,super fofo os momento de jemi.
    pelo menos eles se deram bem.
    a única que ficou revoltada com tuda,esse brincadeira da professora foi a danielle.
    adorei,to doida para saber o que vai acontecer.
    posta logooooo,viu bebê,beijos .

    ResponderExcluir
  4. SOCORRO! E eu esperava que nem uma fic iria superar as outras e BAM! Essa fic ta me deixando apaixonada e com um "Quero mais" a cada palavra que leio. Por favor Juh, não me mata assim... Isso é torturante. Quero logo os próximos capítulos! Achei tão lindo os dois confiarem em si, e contarem seus segredos... Todas sabíamos que Jemi seria escolhido nos papeis né hahahaha. Enfim, quero muito saber o que vai rolar nessa festa, porque sei que o Joe irá, e... sinto que eles vão ficar nessa festa LASJSKAKAKSJAK AAAAA POSTA LOGOOOOO!

    ResponderExcluir
  5. AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHh *-------------*

    Eu estou ficando viciada... Tipo pensei em ler depois mais ai você ia postar o outro ai ia ficar mto pra mim ler... Então já leio para ter mais tempo de ler o proximo kkkkkkk

    Eu viciei nessa fic... Ela é perfeita... Esse capitulo foi perfeito! Quero mto ver Demi e Joe na praia aiiiii que tudo!

    Posta mais.

    ~Le pulinhos~

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!