25/12/2012

Mini Fic - Merry Christmas, My Love






Acordei mais um dia com o maldito som do despertador. Já fazia uma semana que as aulas haviam acabado e eu ainda não desativara o relógio. Esperta eu, não? Virei para o lado, na esperança de dormir novamente, mas foi em vão. Porcaria de memória fraca. 

Desisti então de ficar deitada. Fui fazer a minha higiene matinal e dar um jeito no cabelo e no rosto, porque os dois estavam terríveis. Depois de acabar, desci as escadas e encontrei a mamãe arrumando a mesa para o café da manhã. Disse então: 
- Bom dia, mãe. 
- Bom dia, querida! Acordou com o despertador de novo? 
- Infelizmente, sim. Onde está o papai? 
- Acabou de sair para o trabalho e lhe deixou um beijo. 
- Ah, obrigada. O que tem para comer? 
- Estou fazendo torradas. Ah, meu bem! Aproveitando que você acordou cedo, preciso lhe pedir um favor: vai comigo ao supermercado? É que teremos visitas para o natal, que já é amanhã, e como já compramos todos os presentes e só falta a comida... 
- Está bom. Eu vou, sim, mãe. Mas quem são essas visitas? 
- Seus tios Carlos e Isabela, seus primos Nicholas, Joseph e Camila, o namorado dela, Roberto, vovô e vovó, tia Luisa, e alguns primos do seu pai. 
A partir de Joseph, não escutei mais nada e congelei. Ele era o meu primo totalmente lindo e gostoso que nunca me dava bola. Nem conversávamos muito. Nas reuniões de família, que era o único lugar onde nos encontrávamos, dizíamos apenas “oi. Tudo bem?” e “tchau”. Ás vezes, eu achava que nem meu nome ele sabia, mas tudo bem. 
Terminado o meu transe, lembrei-me então de perguntar à mamãe: 
- Posso convidar a Selena para passar o Natal com a gente? É que se a Camila vai trazer o Roberto junto, ela nem vai me dar atenção. E provavelmente o Joseph e o Nicholas vão ficar conversando sobre assuntos de homens. 
Mamãe me olhou desconfiada, mas acabou concordando. Então saímos e fui ligando para Selena. 
- Alô? Oi, Selena. É a Demi. Tudo bem? 
Demi da minha vida! Tudo bem, sim. E você? 
- Ah, estou bem também. Olhe só, liguei para lhe fazer um convite. Quer passar o natal comigo e com a minha família? 
- Claro que sim. Mamãe e papai querem viajar e não estou muito a fim de ir junto. Então é só eu dizer para eles que você me convidou e fica tudo certo. 
- Então ‘ta. Até mais tarde, amiga. 
- Até. 
Quando desliguei o telefone, chegamos ao supermercado. Compramos tudo que precisava e é claro que convenci minha mãe a me deixar levar o meu Hershey’s. Não vivo sem chocolate. Por isso sou gorda assim, mas isso não vem ao caso agora... Hehe. 
Chegamos a casa e mamãe foi chamada no trabalho para resolver alguns problemas. Então guardei as compras e ela me disse: 
- Querida, não vou conseguir chegar cedo. Você se vira com o almoço, né? E seu pai também não vem. Vou tentar voltar o mais rápido que puder, pois ainda tenho que preparar a ceia. Desculpe-me por deixá-la sozinha. Mamãe ama muito você, ok? 
- Ah, mãe, sem problemas. Eu me viro, sim. Também a amo muito. 
Assim que a minha mãe saiu, fui procurar algo decente para assistir na TV e acabei encontrando “Os Padrinhos Mágicos”. Deixei ali mesmo. Adoro as palhaçadas do Cosmo, haha. 
Já era meio-dia e meia quando a fome chegou, então resolvi fazer massa com molho branco e bife. Estava com preguiça de pensar em algo melhor. 
Depois de pronto, fui novamente para a sala e fiquei olhando “A Dama e o Vagabundo”. Que lindo. Esse filme é fofo demais. 
Terminei de comer e fui levar o prato na pia, quando escutei a campainha tocando. Então gritei: 
- JÁ VAI! 
Quando abri a porta, dei de cara com ninguém mais, ninguém menos do que o meu querido primo, Joseph Jonas, e uma mala. Achei que já estava vendo coisas quando ele falou: 
- Oi, priminha. Tudo bem? 
Espere aí. Ele me chamou de priminha? O que o menino bebeu? Aliás, o que ele está fazendo aqui? 
Só consegui responder: 
- Oi. Tudo bem, sim. E você? 
- Estou ótimo. Ahn, posso entrar? 
E só então me toquei de que ele ainda estava do lado de fora da casa. O garoto deve estar achando você uma idiota, Demetria. Meus parabéns. 
Dei espaço para que ele entrasse e perguntei: 
- Sem querer ser mal-educada e tal, mas o que você está fazendo aqui? Achei que todos viessem só à noite. 
- Ah, é que resolvi vir mais cedo, porque estava no trabalho, e como a sua casa é perto... Onde posso deixar a minha mala? 
- Ah, entendi. Você pode deixá-la no quarto de hóspedes, que fica ao lado de uma porta verde. Enquanto você a guarda, vou lavar o meu prato. Já almoçou? 
- Aham. Nem se preocupe comigo, Demi. 
Demi? Ele sabe o meu nome? Ele sabe meu APELIDO? Ok, o que perdi? Acho que já estou ficando meio doida. 
Terminei de lavar o meu prato e fui para a sala. Quando cheguei, ele já estava no sofá e me encarou, perguntando: 
Demi, onde estão os seus pais? Agora que me toquei que não os vi quando cheguei aqui. 
- Eles estão trabalhando e só voltam mais tarde. 
- Ah, bom. Então, já que eles não estão, a gente bem que podia dar uma volta. O que você acha? 
Alguém me abana, por favor? Quer dizer então que o meu lindo priminho acabou de me convidar para um passeio? Obrigada, Papai Noel, por mandar o meu presente de natal mais cedo esse ano. 
Minha vontade era de gritar, mas só o que fiz foi responder: 
- ‘Ta. Tudo bem. Só tenho que pegar a minha bolsa rapidinho. Ok? 
- Ok. Sem problemas. 
Subi as escadas correndo e aproveitei para ligar para a Selena. 
- Oi, Selena. Que horas você pretende vir aqui em casa? 
- Ah, Demi. Só às nove da noite. Por quê? 
- É que você se lembra do Joseph, aquele primo pelo qual tenho uma queda (lê-se: penhasco), né? 
- Claro que sim. Você só fala dele. 
- Boba. Então, só liguei para avisar que ele apareceu aqui em casa de surpresa e acabou de me convidar para dar uma volta, caso você quisesse vir antes e não me encontrasse aqui. 
- Ah, safadinha... Já está pegando o primo e nem para contar antes, né? 
- Ei! Não estou pegando ninguém. A gente só vai dar uma volta. Agora tenho que ir logo, porque eu só disse que ia pegar a minha bolsa. 
- Está bom. Aproveite o passeio então e depois me conte tudo. Ok? 
- Sim. Pode deixar. Amo você, amiga. Beijos. 
- Beijos. Até mais tarde. 
E assim fui descendo as escadas feliz e saltitante. Bem típico de mim. 
Quando cheguei à sala, perguntei: 
- E então... Aonde nós vamos? 
- Ah, estava pensando... A gente podia ir caminhar pelo centro. Que tal? 
- Ótimo. Adoro caminhar com neve. 
Tranquei a casa e saímos. 
A cidade de Londres estava linda, toda decorada para o Natal. Já que era a véspera, todos saíram para comprar os seus presentes na última hora, como sempre ocorria por aqui. A neve estava mais fraca, mas tinha o suficiente para deixar o local todo branco. Tão bonita... Por isso que eu amo Londres. 
Fomos o caminho todo jogando bolinhas de neve um no outro e rindo muito. Havíamos saído de casa às duas e meia e, quando nos demos conta, já eram quatro horas. Joseph então me perguntou: 
Demi, vamos à Starbucks? 
- Vamos, sim. Jogar tantas bolinhas de neve em você me deixou com fome. 
- Hahaha, sua boba. Vamos logo. 
Chegamos à Starbucks e nos sentamos, quando uma moça veio nos perguntar: 
- O que o casal vai querer? 
Casal? Quem me dera se fôssemos um casal... Mas deixe quieto. 
Joseph logo respondeu: 
- Oi. Nós não somos um casal e quero um cappuccino de chocolate e um muffin de baunilha. 
- Oh, desculpe-me. E a senhorita, o que vai querer? 
- O mesmo que ele, por favor. 
- Ok. Já estou trazendo. 
Joseph não viu a cara desapontada que fiz quando ele disse que não éramos um casal. Então tentei puxar um assunto com ele, perguntando como estava a sua vida, se estava namorando, perguntei sobre seus amigos, etc., já que antes nem havíamos conversado tanto. Ele me perguntou várias coisas também e acabou sendo uma das melhores tardes da minha vida, porque assim o conheci melhor e ele também conheceu um pouco de mim. 
Quando terminamos o assunto “bandas”, ele me disse: 
Demi, adorei ter passado essa tarde com você porque, mesmo a gente sendo primos, eu não a conhecia tão bem assim. Porém posso dizer que a achei incrível. Obrigado, de verdade. 
- Ah, Joseph, não tem nem o que agradecer. Também adorei ter passado essa tarde com você. A gente tem que repetir esse programa mais vezes. Que tal? 
- Com certeza. Vou ali pagar então e já volto. Ok? 
- Está bom. Espero você aqui. 
Ele voltou e nós fomos para casa. Assim que chegamos, mamãe apareceu e disse: 
- Filha! Onde é que você se meteu? 
Eu ia responder quando Joseph apareceu atrás de mim e disse: 
- Oi, tia. Acabei chegando mais cedo e convidei a Demi para dar uma volta. Desculpe-me. 
- Ah, meu querido, eu nem tinha o visto aí. Não precisa se desculpar. Se você estava com a Demetria, não tenho com o que me preocupar. Mas como você chegou mais cedo? 
- É que tive que ir resolver algumas coisas no escritório. Daí, como a sua casa era perto, resolvi já ficar por aqui mesmo para não precisar ir à minha casa e voltar para cá de novo. 
- Ah, bom. Então, filha, você pode ajudar a mamãe a preparar a ceia? 
- Ajudo, sim, mãe. Só vou tomar um banho rápido. 
Subi as escadas e Joseph me acompanhou. Quando chegamos ao andar de cima, ele disse: 
Demi, desculpe-me. Eu não sabia que a sua mãe ia chegar antes de nós voltarmos e... 
- Não tem problema, Joseph. Esqueci-me de avisá-la também. Se você quiser tomar um banho, pode ficar à vontade no banheiro no fim do corredor. 
- Ué, mas e você? 
- Tenho banheiro no quarto. 
- Ah, bom. E me desculpe de novo. 
- Imagine. Não tem por que você se desculpar. 
Fui para meu quarto, lembrando-me da minha tarde maravilhosa. Nunca uma véspera de natal havia sido tão divertida para mim. Com essa tarde, eu havia percebido que meus sentimentos com relação a Joseph eram tão intensos e verdadeiros que eu contaria a ele, mesmo sabendo que nunca daria certo. 
Entrei no chuveiro e deixei que a água quentinha caísse sobre mim, relaxando os meus músculos e a minha cabeça. Passei o banho todo pensando no que diria a ele e, no fim, resolvi que lhe escreveria um cartão de natal. 
Saí correndo e me enrolando na toalha. Liguei o computador para encontrar um cartão decente para Joseph. Achei um muito bonitinho que dizia: “Merry Christmas, My Love”. Ali mesmo eu escreveria tudo que sentia. 
Imprimi o cartão e pensei no que poderia escrever para ele. Comecei: 

Oi, querido priminho.
Nem sei por que estou escrevendo isso e nem sei se você vai ler, mas acho que dá para tentar.
Em uma tarde que convivi com você, tudo que eu mais temia aconteceu. Já imaginava que estava apaixonada por você, mas não esperava que isso fosse de fato se confirmar.
Agora estou aqui, escrevendo-lhe essa declaração, mesmo sabendo que eu nunca teria chances por você ser meu primo, mais velho, lindo, inteligente, engraçado, simpático e eu a pobre e idiota priminha sem graça - aquela, que você disse ser incrível.
Tem um trecho de uma música que combina com isso que estou sentindo. Espero que você entenda e que nada mude entre a gente. Afinal, ainda o considero como um amigo.

"You lift my feet off the ground.
You spin me around.
You make me crazier, crazier.
Feels like I'm falling and I…
I'm lost in your eyes.
You make me crazier, crazier, crazier."

Acho que era isso que eu tinha para falar/escrever.
You for me always will be untouchable like a distant diamond sky.

Beijos da sua prima,
Demetria.
 


Quando terminei a minha declaração para meu primo, escutei alguém bater na porta de meu quarto. Abri e era Selena que me abraçou e disse: 

- E aí, Demi? Tudo numa boa? 
- Estou bem, Selena. E você? 
- Ótima. Afinal, tem um deus grego lá na sua sala. Quem é aquela criatura divina? 
- É o Joseph, Selena. 
- Jura? Putz! Você tem um gosto para homem que... Deus me abane, amiga. 
- Hahahaha, sua boba. Tenho que descer para ajudar a minha mãe com a ceia, mas antes preciso lhe contar uma coisa. 
Contei a ela sobre a minha tarde com Joseph e o cartão que eu tinha acabado de escrever. Selena então disse: 
- Amiga, que lindo. Você tem que entregar esse cartão para ele. 
- É o que espero ter a coragem para fazer. 
- Vai ter, sim. Você vai ver. 
Descemos e todos já tinham chegado. Eu e Selena os cumprimentamos e logo fomos ajudar mamãe e minhas tias com o resto da ceia. Camila nos apresentou o seu namorado, que era muito simpático, e Selena já conversava com Nicholas. Essa minha amiga... Vou lhe contar, viu. 
Quando já era meia-noite, fomos jantar. Todo mundo mais conversava do que comia, porque a família quando se encontra é assim: fala de tudo que aconteceu nos últimos dias, com Fulano e Beltrano, que sei lá eu quem se casou e esses assuntos chatos. 
Camila e Roberto já haviam ido embora para dar feliz natal para a família dele, então ficamos eu, Selena, Nicholas e Joseph conversando sobre vídeo game. Ótimo assunto, não? Pelo menos era melhor que o assunto deles, hehehe. 
Chegou a tão esperada hora da entrega dos presentes. Entreguei o meu para papai e mamãe, que se surpreenderam com ele. Dei a eles uma viagem de uma semana para o Caribe e paguei com a minha mesada - para vocês verem há quanto tempo fiquei juntando dinheiro. Credo. Eles então me agradeceram inúmeras vezes e me deram o meu presente: um iPod verde com 160GB lindo e meus queridos tênis All Star cheios de desenhos. Agradeci a eles e fui entregar os outros presentes, assim como todos na sala. Para a Selena, dei um perfume Chanel n° 5, porque fazia muito tempo que ela queria um. A menina me agradeceu milhões de vezes e eu fui entregar o meu presente para Joseph. Quando cheguei perto dele, falei: 
- Ainda vou lhe comprar um presente, mas por enquanto isso é o que tenho para dar. 
Entreguei o cartão e subi para meu quarto, correndo e chorando, porque ele provavelmente nunca mais olharia na minha cara depois da minha declaração. 
Um tempo depois, escutei a porta se abrindo e Selena disse: 
- Amiga, por favor, desça. O Joseph está lendo o cartão, mas você vai ter que dar explicações a ele. 
Selena, não posso. Ele nunca mais vai querer olhar na minha cara... 
Foi então que olhei para a porta e o vi com meu cartão em mãos e me olhando assustado, já que eu estava chorando. Selena disse nada e desceu, deixando-me sozinha com ele. O mesmo se sentou de frente para mim e, limpando as lágrimas que teimavam em cair de meu rosto, perguntou-me: 
Demi, tudo isso que está aqui é verdade? 
- É, Joseph. Agora pode me xingar, chamar de idiota, dizer que sou uma burra por achar que talvez... 
Fui interrompida pelos lábios macios de Joseph se colando aos meus. Espere aí. ELE ESTÁ ME BEIJANDO? OMG! Agora, sim, ganhei meu presente e... Pare de pensar, Demetria. Concentre-se no beijo! E que beijo, meu Deus... 
Depois que nos afastamos, só perguntei: 
- O que foi isso? 
- Foi o meu jeito de dizer que a quero para mim agora e sempre. 
- O quê? Mas achei que você nunca mais fosse... 
Demi, essa tarde também mudou o meu conceito em relação a você. Sempre que a gente se encontrava nas reuniões de família, eu nunca falava com você porque achei que fosse me achar um idiota... Sei lá. Eu já gostava de você muito antes de hoje. Agora, que li esse cartão que no fim foi o melhor presente que ganhei, eu me toquei de que a quero comigo para sempre. 
Joseph, seria muito cedo para dizer que te amo? 
- Com certeza, não. 
- Então eu te amo. 
- Eu também te amo, minha Demi. 
Então ele me beijou de novo e descemos as escadas de mãos dadas. Iríamos conversar com nossos pais hoje mesmo. 
Quando chegamos ao fim da escada, todos nos olharam espantados, até que Joseph se pronunciou: 
- Bem, pessoal, aproveitando que estão todos aqui, tenho um comunicado a fazer. Apesar de a Demi ser minha prima e mais nova do que eu, queria dizer que me apaixonei por ela, elo sorriso delicado, pela voz fofa, pelo seu jeito de criança... Enfim, por ela ser tudo aquilo que sempre busquei em alguém, mas nunca tinha encontrado. Papai, mamãe, tio, tia, espero que vocês entendam, pois pretendemos ficar juntos. Só que para isso precisamos do apoio e compreensão de vocês. 
Eles ficaram uns cinco minutos nos olhando atônitos até que a minha mãe se pronunciou: 
- Confesso que ainda estou um pouco chocada com isso, mas, sinceramente, não quero impedir que vocês fiquem juntos. Joseph, nunca ninguém falou tantas coisas lindas e apaixonadas sobre a nossa filha e tenho a certeza de que você, mais do que ninguém, vai fazê-la feliz e irá cuidar bem dela. 
Então meu tio resolveu falar: 
- Concordo com a minha irmã, apesar de ainda estar absorvendo tanta informação. Só espero que vocês sejam felizes. 
Logo depois, papai e titia também falaram que só queriam o nosso bem e que admiravam a nossa coragem de contar a eles que queríamos ficar juntos. Joseph me beijou novamente e interrompi, dizendo: 
- Amor, tenho que falar com a Selena. 
- Tem certeza de que quer falar com ela agora? 
- Tenho. Por quê? 
- Dê uma olhada. 
Ele apontou para a nossa direita, onde Selena e Nicholas estavam se beijando. Meu Deus, esse Natal está formando mais casais que dia de Santo Antônio, haha. 
Parei com a brincadeira. Juro. 
E assim, no fim das contas, esse foi o melhor natal que eu poderia ter, pois ganhei o presente que toda a garota quer: um amor para sempre. Quer dizer, espero que seja para sempre. Na verdade, espero que seja eterno enquanto dure e que dure para todo o sempre. 


FIM
By : Brê Jones
Espero que gostem dessa mini fic ... eu achei ela tão CUTE ... kkkkk


Feliz natal a todas vocês ... muitas felicidades !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


bjssssssssssss


4 comentários:

  1. FELIZ NATALLLL!!
    só queria dizer que apesar de eu não ter comentado no último capítulo da fic, eu gastei HORAS pra ler!kkkkk
    Mas eu li, quer uma prova? Eu ri pra caramba da Miley xingando daquele jeito e do Ewan brincando com a Demi!kkkkkkk
    Eu sei que você acredita em mim, mas eu só queria confirmar!haha
    enfim, essa mini foi MUITO cute, deu até inveja da Demi por ganhar aquele ipod e ainda por cima se em LONDRES!!kkk
    Posta logo, amore, bjs

    ResponderExcluir
  2. Own que fic mais cute cute
    Perfeita *---*
    bem que vc poderia fazer mais mini fics tipo essas de natal q vc postou ela são tão lindas hihi' =D
    Feliz Natal pra você tambem =)
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  3. Feliz Natal bebê, <3
    QUE MINI FIC MAIS LINDA :-)
    amei mesmo...
    até mais bebe beijos !!!

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!