22/12/2012

Biology - Capítulos 29 e 30





Capítulo 29 


As palavras dela, ditas num tom tão grave, me fizeram estremecer. Então ela já imaginava que eu a procuraria? Talvez por isso ela tivesse preferido ficar no apartamento a ir com
 Lo e os outros para o salão de jogos? Milhares de perguntas colidiam em minha mente, unidas à enorme tensão e ansiedade que atordoava meus sentidos. Engoli em seco, buscando as palavras e a voz para respondê-la, e após alguns segundos, que me pareceram horas, consegui me acalmar um pouco. 
- Estou ficando tão previsível assim? – perguntei, e agradeci fervorosamente minhas cordas vocais por não permitirem que minha voz falhasse ou parecesse trêmula.
 
Demetria soltou um risinho mórbido, ainda sem me olhar, e eu mantive meus olhos fixos nela, atento a qualquer movimento que pudesse fazer. As palmas de minhas mãos chegavam a formigar de tanto desejo acumulado de tocá-la novamente, de sentir sua pele ardendo sob a minha, e eu sentia que meus olhos poderiam saltar de suas órbitas, desesperados pelos dela, que ainda se recusavam a me olhar.
 
-
 Teimoso seria um adjetivo melhor – ela retrucou, com a voz levemente hostil, e devido a esse fator, eu me lembrei do real motivo pelo qual estava ali. Nada de carinhos, nada de sutileza; aquele era o nosso acerto de contas. 
E pelo visto eu não era o único com aquele pensamento. Ela parecia saber disso tão bem quanto eu, porque se virou para mim devagar, e quando seus olhos encontraram os meus, vi que eles também pareciam em chamas, exatamente como os olhos que vi em meu reflexo no espelho do banheiro. A única diferença era que as chamas de seus olhos pareciam fracas, prestes a se apagarem com uma simples brisa, e de certa forma, tristes. Eu sabia que doía para ela ter que optar por apenas um de nós, mas não podia ignorar o fato de que ela também havia me ferido ao simplesmente me evitar da noite para o dia. E foi por isso que eu continuei nossa frágil e tensa conversa.
 
- Pelo menos disso você ainda se lembra sobre mim – assenti uma única vez, erguendo as sobrancelhas em tom de surpresa – Que bom saber que não fui esquecido tão rapidamente quanto fui repelido.
 
O olhar de
 Demetria estremeceu diante do meu, e a chama em suas íris pareceu sumir por alguns segundos. 
- Se você prefere achar que eu te esqueci, ótimo – ela murmurou, ranzinza, fugindo de meus olhos – Torna todo o trabalho mais fácil pra mim.
 
- Trabalho? – repeti, dando um passo na direção dela com a mesma ousadia que demonstrei em minha voz – Então é assim que você enxerga tudo que aconteceu entre nós?
 
-
 Joseph, eu já pedi pra você me deixar em paz – ela revidou assim que terminei de falar, parecendo perturbada com minha aproximação – Por favor, pare de me atormentar. 
- Por que eu deveria? – rebati, dando mais um passo e vendo-a se levantar bruscamente, como se eu fosse algo perigoso (e de certa forma, concluí que eu realmente era) – Você teve consideração comigo quando simplesmente me chutou pra fora da sua vida sem aviso prévio? Hm, vamos ver... Não. Por que eu deveria ter algum tipo de consideração com você?
 
- Você queria que eu fizesse o que,
 Joe? – Demetria exclamou, e eu percebi que ela gradativamente perdia o controle sobre sua mente, como sempre acontecia quando eu chegava perto demais, fosse com as palavras, fosse com o corpo – Eu tinha que escolher de uma vez, não podia continuar agindo feito uma puta! 
- Não diga isso,
 Demetria – rosnei, sentindo a raiva subir cada vez mais por minha garganta, queimando-a por onde passava e me fazendo perder também a noção de minhas palavras – Putas teriam mais maturidade para lidar com isso que você, tenho certeza disso. 
- Você deve ter transado com várias delas para afirmar isso, não é? – ela retrucou, ultrajada com minha ofensa – Eu fui mesmo muito idiota de ter me deixado envolver com você e toda a sua imundice!
 
- E eu fui mais idiota ainda por pensar que você podia ser diferente das outras alunas que eu já comi! – falei, num tom mais alto que o aconselhável, mas minha raiva estava num nível tão alto que eu estava pouco me fodendo para aquilo – Fui mesmo muito burro por pensar que você poderia ter algum conteúdo! Mas foi bom saber que você é simplesmente vazia, oca por dentro, assim como todas as outras que já passaram pela minha cama!
 
- Cala essa porra dessa sua boca, seu desgraçado! – ela gritou, e eu vi lágrimas se formando nos olhos dela – Quem você pensa que é pra falar uma coisa dessas de mim, seu merda?
 
- Cala a boca você, sua vadia! – exclamei, completamente dominado pelo ódio, e foi então que eu percebi que havia ido longe demais. O rosto avermelhado de Demetria ficou estático, contorcido de raiva e ressentimento, mas meu ódio era tanto que eu não consegui me sentir arrependido. Pelo contrário, um risinho de deboche surgiu em meu rosto, declarando meu sentimento de vitória. Encarei seus olhos coléricos por alguns segundos, ofegante, enquanto ela se recuperava do impacto de minhas palavras.
 
- Pelo visto eu fiz a escolha certa me afastando de você – ela murmurou, entre dentes, com a voz carregada de desprezo – Eu não preciso de um homem que me maltrate.
 
- Tem certeza? – eu disse, malicioso e vingativo ao mesmo tempo, e não precisei continuar para que ela entendesse o sentido nada ortodoxo de minhas palavras.
 
- Vá embora,
 Jonas – ela pediu, controlando sua notável vontade de voar em mim e me estraçalhar – Eu não quero mais olhar pra você. 
- Tudo bem, é só fechar os olhos – rebati, com um pouco de sarcasmo na voz, dando mais um passo até ela e vendo-a repetir meu gesto, só que na direção oposta, e se aproximar da parede – O que os olhos não vêem, o coração não sente, certo?
 Lo é a prova viva disso. 
- Não se atreva a falar o nome dele! – ela gritou, apontando o dedo indicador para mim, e eu segurei seu punho com rapidez, colando meu corpo no dela. Assim que sentiu minha aproximação,
 Demetria recuou, encostando as costas na parede e percebendo que estava encurralada. Ela olhou em meus olhos com fúria, e eu apenas alarguei meu sorriso hostil, apertando seu pulso sem dó. 
- Está doendo, é? – murmurei maldosamente, quando notei que ela alternava olhares entre meus olhos e sua mão presa, provavelmente com pouca circulação sanguínea.
 
– Me solta – ela cuspiu, respirando com dificuldade e me encarando demoniacamente. Aproximei minha boca da dela, vendo-a virar o rosto, e me aproveitei da proximidade de sua orelha para sussurrar ao pé de seu ouvido, com a voz carregada de sadismo:
 
- Melhor se acostumar.
 
- Me larga! –
 Demetria gritou, com os olhos fortemente fechados, e eu segurei seu rosto violentamente pelo maxilar, virando-o sem a menor delicadeza para mim e fazendo-a me encarar a poucos centímetros de distância. 
- Isso, grita mais – sorri, bem perto de seus lábios – Deixe que todos saibam que sou eu quem te faz enlouquecer.
 
Demetria soltou um grunhido ininteligível de ódio, e com a mão livre, deu vários murros seguidos em meu peito, tentando me fazer soltá-la. Totalmente em vão, claro, eu só estava me sentindo cada vez mais estimulado a continuar. Conforme ela se esforçava inutilmente para me machucar, eu a observava franzir a testa em sinal de irritação, incapaz de se livrar de minhas mãos brutas. O movimento de seus seios próximos a mim, subindo e descendo para acompanhar sua respiração acelerada, a vermelhidão de seus lábios tão deliciosos, o aroma familiar que seus cabelos emanavam, tudo estava me atiçando cada vez mais, acelerando meu coração e me deixando ofegante. Eu podia estar aparentemente no controle, mas sabia que sempre seria um fraco perto dela.
 
Durante minha breve viagem por cada detalhe de seu corpo,
 Demetria desistiu de me agredir e, com um último soco, manteve seu pequeno punho em meu peito, derrotada. 
- O que você quer de mim afinal? – ela rosnou, irritada, encarando sua própria mão com frustração.
 
- Tudo – não hesitei em responder, e ela ergueu seu olhar até encontrar o meu, criando uma conexão tensa – Eu quero que você seja minha.
 
- E se eu não quiser ser sua? - ela rebateu, adotando uma expressão desdenhosa – O que você vai fazer?
 
- Eu vou te obrigar – falei entre dentes, sentindo minha raiva triplicar diante de suas palavras e postura desafiadoras – E você vai ceder.
 
- Como você é iludido –
 Demetria riu, debochando de mim, e eu voltei a apertar seu pulso e rosto com mais força, ouvindo-a aumentar seu tom de voz ao fazê-lo – Eu nunca vou ser sua, ouviu bem? Nunca! 
- Você vai se arrepender amargamente de ter dito isso – soprei, encarando-a com ódio, e prensei meus lábios contra os dela rudemente. Ela manteve a boca o mais fechada possível, e eu a prensei ainda mais contra a parede, praticamente esmagando-a contra a superfície fria. Sua mão voltou a socar meu peito cegamente, até que eu a segurei e, juntamente com seu outro pulso, a ergui até a altura de seus ombros, mantendo-a colada à parede. Ela estava arisca demais; qualquer deslize poderia render a ela uma chance de escapar de mim, e eu não permitiria que isso acontecesse.
 
Sentindo-se completamente presa,
 Demetria desistiu de tentar escapar após mais alguns segundos de agitação e rebeldia. Seu corpo manteve-se tenso contra o meu, mas pude perceber uma certa calma começar a se manifestar. Sim, ela estava gostando de estar comigo depois de um mês de privação. Mas com certeza não tanto quanto eu estava adorando sentir seu gosto em minha boca novamente, seu corpo macio se moldar ao meu, sua respiração ruidosa bater em meu rosto, seu perfume me envolver como uma névoa quente. 
Aos poucos, ela foi relaxando os músculos de seus braços, deixando que seus punhos se desfizessem e suas mãos relaxassem, assim como todo o resto de seu corpo. Seus lábios cediam mais e mais a cada segundo, encaixando-se perfeitamente aos meus e permitindo que nossas línguas se acariciassem sem censura. Ela gemeu baixo quando nossas carícias se intensificaram ainda mais, num beijo intenso e bruto, e eu contive um sorriso, largando seus pulsos devagar para que ela pudesse me tocar. Tudo que eu queria era sentir suas mãos delicadas deslizando por minha pele e me provocando inúmeros e indescritíveis tipos de sensações, sempre tão desconhecidas e surpreendentes.
 
Desci minhas mãos para seus quadris, alisando todo o trajeto sem pressa e sentindo meus músculos se enrijecerem ao comprovarem a ausência do discreto relevo do sutiã sob o tecido fino de seu vestido. Assim que a soltei, ela dirigiu suas mãos famintas aos meus ombros, passando rapidamente por eles e embrenhando seus dedos em meus cabelos da nuca. Senti suas unhas razoavelmente compridas afundarem na pele daquela região, e trouxe seu corpo para ainda mais perto do meu, perigosamente dominado pelo prazer.
 
Continuei descendo minhas mãos por seu corpo até o início de suas coxas, e agarrei o tecido de seu vestido, subindo-o até seus quadris e sentindo-a colar seu corpo cada vez mais ao meu, estimulada. Levei uma de minhas mãos até sua nuca, agarrando seus cabelos, enquanto a outra contornava a parte externa de sua coxa e a erguia, fazendo-a enroscar sua perna na minha. A essa altura, meu cabelo já estava absurdamente desgrenhado e os braços de
 Demetria envolviam meu pescoço com fervor. Apertei sua coxa com vontade, sem me preocupar se a estava machucando ou não, e a senti intensificar a força de seu abraço, aproximando nossos lábios incansáveis ainda mais. Dessa vez, não pude deixar de sorrir pervertidamente contra sua boca, e abri os olhos, vendo-a franzir levemente a testa em sinal de dor e me encarar logo em seguida, sem partir o beijo. 
Mordi seu lábio inferior com malícia, e ainda sorrindo, puxei seus cabelos para baixo, fazendo com que seu rosto se afastasse um pouco do meu e com que meus dentes escorregassem aos poucos pelo local. Sem perder tempo, voltei a beijá-la, tão intensamente como antes, sentindo suas mãos descerem por meus ombros e arranharem toda a extensão de meus braços. Arrepiado pelos choques elétricos que suas carícias me davam, subi minha mão até uma de minhas regiões favorita de seu corpo: a bunda. Soltei um gemido baixo quando a apertei, sentindo meu membro doer de tão rígido que já estava. Tesão reprimido era foda, me fazia sentir um adolescente de treze anos com ejaculação precoce.
 
Deslizei minha outra mão para o mesmo local, prensando minha pélvis contra a sua, e a senti apoiar-se em meus ombros e impulsionar o corpo para cima, envolvendo minha cintura com suas pernas. Ajudei a sustentá-la sem esforço, e consegui aprofundar ainda mais aquele beijo insano.
 Demetria rapidamente envolveu meu pescoço com seus braços, e sem hesitar, começou a puxar minha blusa para cima, deixando meu tronco nu em poucos segundos. Fui forçado a romper o beijo para tirar a peça, e antes que ela atingisse o chão, minha boca já estava grudada à de Demetria novamente. 
Suas mãos quentes exploravam cada centímetro de pele exposta em meu corpo, enquanto eu me controlava para não terminar logo com aquilo. Quanto mais tempo durasse, melhor. Um mês de distância havia me deixado com uma saudade absurda, e uma simples rapidinha não me satisfaria. Desci meus beijos para seu pescoço, traçando um caminho quente com minha língua sobre a pele levemente suada dela. Caprichei no pescoço e no lóbulo de sua orelha, totalmente despreocupado quanto a marcas. Estava muito fora de mim para sequer pensar nas conseqüências de meus atos.
 
-
 Joe... – ela arfou, num sussurro quase inaudível, e embrenhou sua mão em meus cabelos, alcançando o topo de minha cabeça e puxando-os com força. Dei uma leve mordidinha em seu pescoço ao ouvi-la chamar meu nome, e ela envolveu meus ombros mais firmemente com o outro braço. Aos poucos, meus dedos foram subindo por seus glúteos até irem parar em sua cintura, trazendo consigo seu vestido. Sem me intimidar, desci meus beijos por seu colo, exposto pelo ousado decote, aproveitando-me da firme sustentação de suas pernas em minha cintura. Sua respiração falhava perigosamente e seu coração parecia prestes a saltar de seu peito, eu podia sentir conforme descia meus beijos pela região. 
Quando atingi o limite do decote, subi rapidamente o vestido até descobrir seus seios, e lhe dei apoio para se soltar de meus ombros e tirar a peça. Não pude deixar de sorrir ao vê-la somente de calcinha e salto alto, pendurada em mim, arfante, e me puxando para mais um de nossos beijos calorosos. Meu corpo inteiro estava retesado, contraído, absorvendo todo o prazer daquele momento; minha mente girava em torno dela, de sua língua ainda mais quente que a minha, de suas mãos agarrando meus cabelos, de suas unhas arranhando minha pele, de seus seios tocando meu peito, absurdamente macios e deliciosos. Naquele momento, eu tive a confirmação de todas as suspeitas e teorias que criei para explicar porque eu a queria tanto, desde o primeiro dia em que a vi.
 
Ela havia sido feita para ser minha. E eu havia sido feito para possuí-la. Não havia
 nada mais certo que nós dois. 
Dirigi minha boca a um de seus seios, lutando para respirar, e fiz movimentos circulares com a língua ao redor de seu mamilo enrijecido, sugando-o ao mesmo tempo e ouvindo-a gemer um pouco mais alto. Envolvi seu outro seio com uma de minhas mãos, sentindo-o se moldar sob meus dedos, e um turbilhão de prazer me invadir a cada segundo.
 Demetria colocou seu rosto perto de minha orelha, fincando as unhas em meus ombros, e sua respiração ruidosa tão próxima fez minhas pernas tremerem e meus pêlos da nuca se eriçarem. 
Sentindo falta de seus lábios, logo voltei a dar atenção a eles, beijando-a com ainda mais fúria. Gemi baixinho ao senti-la descer seus arranhões por meu peito e abdômen, e pude notar cada músculo se contrair sob suas unhas, como se pedissem para que ela os tocasse.
 Demetria continuou descendo suas mãos, até alcançar o cós de minha calça jeans com certa dificuldade. Segurei firme em seus glúteos (achando ótimo poder ajudá-la daquela forma e ainda por cima tirar uma bela lasquinha) para que ela conseguisse ficar mais estável e abrir o botão e o zíper, e cinco segundos depois, senti o tecido pesado deslizar por minhas pernas e ir parar em meus pés. Chutei-a rapidamente para longe, desfazendo-me de meus tênis e meias logo depois, com um pouco de dificuldade. 
Não satisfeita, ela acariciou de leve o volume latejante de minha boxer vermelha, e apertou meu membro, fazendo-me gemer contra seus lábios e apertar com mais força sua bunda com minhas mãos espalmadas. Pude senti-la sorrir durante o beijo, e sem querer esperar muito mais, puxei sua calcinha para baixo, tirando-a com a ajuda dela sem demora.
 Demetria sugou meu lábio inferior com força, fazendo-o pulsar em sua boca, e logo em seguida, senti suas pernas se afrouxarem ao redor de minha cintura. Sem entender, franzi a testa e a segurei ainda mais firme, mas ela segurou meus braços, num pedido mudo para que eu a deixasse. Não sei exatamente porque a obedeci; poderia ser um truque para desistir e me deixar naquele estado. Mas quando me dei conta do que havia feito, ela já estava novamente de pé, e num segundo, me virou contra a parede, fazendo minhas costas colidirem contra a superfície fria. 
Demetria roçou rapidamente os lábios inchados e avermelhados nos meus, olhando-me como um animal selvagem instigado. Ela grudou sua boca em meu pescoço, sem precisar ficar na ponta dos pés devido ao seu sapato alto, e continuou seu trajeto por meus ombros, peito e abdômen até atingir a barra da boxer. Chegando lá, ela mordeu o elástico da cueca, olhando-me com luxúria, e eu, já prevendo o que ela faria, encostei minha cabeça na parede, soltando um risinho torturado ao sentir seus dedos quentes adentrarem minha única peça de roupa.
 
Deixei que ela me despisse, e logo ela envolveu a base de meu membro com uma mão. Tentado a observá-la, me contive e fechei fortemente os olhos, decidido a apenas senti-la. Seus lábios tocaram de leve minha glande, num selinho delicado, e logo em seguida ela passou a língua pela região, colocando um pouco de força e me fazendo gemer baixinho. Incentivada, ela colocou meu membro inteiro na boca, sugando-o e fazendo movimentos de vai e vem, enquanto arranhava a parte interna de minha coxa com uma de suas mãos. Involuntariamente, minha mão buscou sua cabeça às cegas, e ao encontrá-la, segurou com força em seus cabelos, guiando sua movimentação. Ela não ofereceu resistência, e a cada segundo aumentava sua velocidade, fazendo meus gemidos ficarem mais altos e preencherem o vazio do quarto. Meu corpo inteiro suava e parecia arder em chamas, e uma enorme sensação de prazer se acumulava em meu membro, deixando minhas pernas tensas. Vez ou outra,Demetria percorria toda a área com a língua, de baixo para cima, ou então me masturbava com sua mão, em movimentos absurdamente prazerosos.
 
Desisti de resistir aos meus instintos e olhei para baixo, vendo-a subir uma de suas mãos por minha barriga. Assim que a vi, meu tesão pareceu triplicar, e na mesma hora, senti meu orgasmo muito evidente. Sem conseguir emitir nenhum som, extasiado por todo aquele prazer, a puxei para cima com toda a rapidez que pude, e a virei contra a parede. Segurei na parte traseira de suas coxas, carregando-a somente por aquela sustentação e trazendo-a mais para cima, e sem nem pensar em mais nada, a penetrei de uma só vez com uma força que jamais havia feito na vida. Pude ouvi-la soltar todo o ar de seus pulmões e apertar meus braços, surpresa com minha atitude repentina, e sem sequer esperar sua recuperação, continuei investindo tão rápido a ponto de nem conseguir emitir som algum, por mais que eu estivesse sentindo vontade de gritar.
 
Meu ritmo estava muito rápido, e eu sabia que não conseguiria agüentar muito mais daquele jeito, mas não fui capaz de desacelerar. Afundei meu rosto na curva suada de seu pescoço, inspirando aquele perfume que me viciava tanto, e mordi sua pele com um pouco de força, fazendo-a inclinar a cabeça na direção da minha. Seus dedos traçavam caminhos por meus cabelos, agarrando-os e puxando-os conforme eu me movia, fazendo-me revirar os olhos de prazer. Estranhamente, eu tive um curto, porém muito útil lapso de consciência nesse momento, e sem hesitar, resolvi colocar minha idéia em prática, antes que fosse tarde demais.
 
Com muita dificuldade e me controlando ao máximo, eu reduzi meu ritmo a quase zero, movimentando-me muito lentamente dentro dela.
 Demetria grunhiu em desaprovação, puxando meus cabelos com mais força, e eu voltei a acelerar, notando que a força em seus dedos reduziu-se quando a obedeci. Reduzi a velocidade novamente, dessa vez ouvindo-a chamar meu nome com indignação, e escondendo um risinho, sussurrei ao pé de seu ouvido: 
- Diga que prefere ele agora.
 
Ela ficou em silêncio, pega de surpresa por minhas palavras, e eu retomei meus movimentos velozes, sentindo seus músculos se retesarem contra os meus. Afastei meu rosto de seu pescoço para observar sua expressão, e vi seus traços indecisos entre o prazer e a dor.
 
- Diga que prefere ficar com ele... – murmurei outra vez, movendo-me lentamente – A ficar comigo.
 
Acelerei novamente ao terminar a frase, sentindo seu olhar turbulento no meu. Era notável que ela havia percebido o que eu quis dizer, não só com as palavras, mas também com meus movimentos.
 Demetria contorceu o rosto em agonia e me puxou para um beijo agressivo e profundo, ao qual correspondi com intensidade. Continuei me movendo rapidamente, atingindo muito fundo dentro de seu corpo, até que foi impossível continuar me segurando e acabei gozando, coincidentemente sentindo-a estremecer e relaxar junto. Ambos soltamos gemidos altos e partimos o beijo ao atingirmos o orgasmo, e Demetria envolveu meu pescoço com seus braços depressa, afundando seu rosto em meu pescoço. Por alguns minutos, apenas fechei os olhos, recuperando-me de todo aquele momento, e me concentrei em normalizar minha respiração, sentindo-a quieta abraçada a mim. 
- Eu quero ficar com você... Eu quero demais, mais até do que gostaria de querer – ela quebrou o silêncio, com a voz dolorida, e eu imediatamente abri meus olhos ao notar o choro em seu tom – Mas eu não
 posso. 
- Por que não? – perguntei, soltando suas pernas devagar de modo que ela pudesse ficar de pé novamente, e a fiz olhar para mim – O que há de tão errado em nós dois? Me ajude a entender!
 
Uma indignação crescente começou a se manifestar em mim. Ouvi-la dizendo que me queria, mas que não podia ficar comigo havia me chateado profundamente, e eu não conseguia compreender porque ela dizia aquilo.
 
- Porque eu não posso simplesmente abandonar o
 Lo assim, da noite para o dia, Joe – ela murmurou, levando as mãos ao rosto para esconder suas lágrimas – Eu o amo! 
- E eu
 te amo, Demetria! – falei, sem conseguir controlar minhas palavras – Quantas vezes mais eu vou ter que me humilhar pra que você enxergue o quanto eu quero você, o quanto eu sou louco por você, o quanto eu amo você? Quantas vezes mais eu vou receber um não como resposta? 
Ela não respondeu nada, apenas enterrou o rosto em suas mãos, escondendo seu choro. Seus ombros se moviam conforme ela chorava, e um soluço torturado escapou por entre seus lábios. Respirei fundo, observando-a encolhida, e a abracei pela cintura, sentindo-a moldar-se sem hesitação ao meu corpo. Seu tronco uniu-se ao meu perfeitamente, e seus braços envolveram meu pescoço delicadamente, fazendo-me fechar os olhos de um jeito doloroso. Eu a sentia tão perfeita para mim que doía demais imaginá-la com outra pessoa.
 
- Por favor,
 Demetria – sussurrei, sentindo sua respiração entrecortada pelo choro - Deixe-me convencer você de que sou o caminho certo... Deixe-me mostrar que sou o seu caminho. 
Percebi seu choro intensificar-se após minhas palavras, e apenas a puxei para mais perto de mim, numa tentativa frustrada de acalmá-la.
 
- Eu deixo – ela soprou perto de meu ouvido após alguns segundos, assentindo de leve – Me ajude a tomar a decisão certa, por favor.
 
Um sorriso aliviado surgiu em meu rosto ao ouvir sua sentença. Ela estava me dando uma chance, a verdadeira chance de conquistá-la, mesmo que ela não estivesse disposta a terminar tudo com
 Lo de imediato. Ela estava permitindo que, aos poucos, eu conseguisse tomar o espaço que era dele em seu coração, e se dando o direito da dúvida. Finalmente. 
- Muito obrigado – murmurei, virando meu rosto até conseguir beijar seu rosto – Obrigado por não desistir de mim.
 
- Me desculpe por tudo isso – ela fungou, culpada, e eu afastei nossos corpos minimamente, só para poder olhá-la – Me desculpe por ter sido tão insensível com você por todos esses dias... Você não merecia nada disso.
 
- Vamos esquecer isso, está bem? – falei baixinho, como quem sussurra para uma criança dormir – Não há mais motivos para se desculpar.
 
Ela não disse nada, apenas fungou algumas vezes e enxugou o rosto. Ergueu seu olhar até o meu logo em seguida e apenas sorriu tristemente, porém eu pude enxergar gratidão e carinho sinceros em seus traços. Levei minhas mãos até seu rosto, segurando-o delicadamente, e retribuindo seu sorriso, aproximei meus lábios dos seus, beijando-a suavemente. Apesar da simplicidade daquele beijo, senti meu corpo inteiro se arrepiar e meu coração encher-se de um sentimento bom quando nos afastamos, ambos com sorrisos maiores. Ficamos apenas nos olhando por alguns segundos, até que uma de suas mãos desceu por meu braço até atingir minha mão, e ela entrelaçou seus dedos nos meus.
 
- Eu preciso ir – sussurrei, tentando parecer indiferente ao que dizia e observando o contraste de características entre nossos dedos.
 
- Eu sei – ela suspirou, olhando-me tristemente, e desviou seus olhos de nossas mãos para meu rosto.
 
- Queria poder te seqüestrar, sabia? – falei, rindo baixinho, e eu percebi que seu olhar ficara um pouco mais triste – Fazer você sumir do mapa por algumas semanas.
 
- Eu adoraria poder sumir do mapa por algumas semanas – ela disse, pensando alto, e eu a encarei, curioso – Mas que isso não sirva de incentivo pra você.
 
Dei uma risada um pouco mais alta, sendo acompanhado por ela, porém logo ficamos sérios novamente. Respirei fundo, engolindo a vontade de beijá-la mais uma vez, e forcei meu corpo a se distanciar do dela. Estava ficando cada vez mais difícil conseguir romper a bolha de magnetismo que me mantinha preso a ela, e antes que eu pudesse pensar em desistir, virei-me na direção de minhas roupas e comecei a vesti-las. Ouvi
 Demetria suspirar, e logo em seguida o som de seus passos indicou que ela se distanciava, até chegar ao banheiro e fechar a porta atrás de si. 
Assim que vesti a boxer e estava passando uma de minhas pernas por dentro da calça jeans, com a mente totalmente aérea, minha carteira caiu do bolso de trás da peça, espalhando alguns de meus pertences pelo chão.
 
- Merda – xinguei baixo, terminando de vestir a calça e abaixando-me para recolher minhas coisas. Algumas moedas haviam escapado de seu compartimento, e ao colocá-las em seu devido lugar, algo extremamente importante do qual eu havia esquecido há alguns minutos atrás prendeu meu olhar.
 
A camisinha. 
Minha garganta secou quando vi o preservativo intacto em minha carteira, e eu caí sentado sobre a cama de
 Lo. Meu Deus, como eu pude me esquecer de nos proteger? Eu estava tão fora de mim que a segurança nem sequer passou pela minha cabeça. 
Ouvi a porta do banheiro se abrir, e
 Demetria saiu de lá, parando poucos passos depois e me encarando com preocupação. 
- Você está bem? – ela perguntou, franzindo a testa, e eu simplesmente a encarei, paralisado pelo choque – Nossa, você tá branco feito leite, o que aconteceu?
 
- A... A camisinha – gaguejei, fitando novamente minha carteira, e ela apenas riu. Voltei a olhá-la, horrorizado com sua naturalidade diante do risco que corríamos, e seu riso se intensificou.
 
- Não se preocupe – ela disse, ainda rindo um pouco – Digamos que eu já estava prevenida.
 
Ergui uma sobrancelha, e uma resposta óbvia apareceu em minha mente.
 
- Camisinha feminina? – chutei, e ela assentiu, sorrindo de lado e fazendo-me soltar um suspiro de alívio – Te devo essa.
 
- Vou cobrar com juros – ela disse, caminhando até sua calcinha e vestindo-a rapidamente – Se bem que sua cara de pânico quase quitou a dívida.
 
- Estou chorando de rir – ironizei, levantando-me e pegando minha camiseta – Eu errei feio com você, me desculpe.
 
- Tudo bem, eu não teria ficado tão relaxada se já não estivesse devidamente protegida – ela sorriu, colocando o vestido sem demora enquanto eu terminava de vestir minha blusa e me sentava na cama para calçar meus tênis.
 
Demetria colocou todo o cabelo para trás e prendeu-o cuidadosamente num rabo de cavalo alto, virando-se de costas para mim sem perceber. Aproveitando-me disso, levantei-me rapidamente e a abracei por trás, beijando carinhosamente seu pescoço descoberto e sentindo-a se arrepiar pela surpresa.
 
- Eu adoro seu pescoço, sabia? – sussurrei, subindo meus beijos até atingir a parte de trás de sua orelha e sentindo-a acariciar minha nuca devagar com uma de suas mãos – É muito gostoso de beijar.
 
- Pare com isso,
 Jonas – ela ofegou, passando sua outra mão sobre meus braços, que envolviam sua cintura firmemente – Eu acabei de me vestir, sabe. 
- Não tem problema, outra coisa que eu adoro é tirar sua roupa – sorri, mordiscando sua pele e fazendo-a puxar meus cabelos.
 
- Pervertido – ela riu, um tanto zonza, e se virou pra mim, envolvendo meu pescoço com seus braços – Já chega por hoje, você precisa ir embora.
 
- Só mais um beijinho, por favor – pedi, encostando a ponta de meu nariz no dela, e vendo-a sorrir timidamente, roubei mais um beijo intenso de seus lábios.
 
- Pronto, agora vai –
 Demetria murmurou, partindo o beijo, porém sem soltar meu pescoço – Tchau, Jonas. 
- Tchau,
 Lovato – sorri, dando alguns passos para trás até atingir a porta do quarto e trazendo-a comigo – Me leva até a porta? 
- Me leve você – ela corrigiu, e num segundo, estava pendurada em minha cintura novamente – E rápido.
 
- Folgada – brinquei, abrindo a porta e caminhando cautelosamente pelo apartamento enquanto roubava mais um selinho dela.
 
- Chato! – ela xingou, mostrando a língua e mordendo meu lábio inferior logo em seguida.
 
- Quero te ver de novo – falei, quando já estava quase na porta do apartamento – O mais rápido possível.
 
- Eu também – ela gemeu, com um tom de confissão na voz – Mas não sei se deveria.
 
- O que vai fazer amanhã? – ignorei seu princípio de crise. Ela não estragaria nosso momento, não mesmo.
 
- Não sei – ela respondeu, pensativa -
 Lo vai viajar logo cedo, e eu... 
- Estarei te esperando no meu apartamento às 14h – impus, taxativo, e a coloquei no chão – Ai de você se chegar atrasada.
 
- Não,
 Joe – ela protestou, balançando negativamente a cabeça - É melhor eu não ir... 
- Vá com sua melhor lingerie – a interrompi ao pé de seu ouvido, mordendo seu lóbulo lentamente logo em seguida e sentindo-a estremecer – Até amanhã, tampinha.
 
Ainda sob o efeito de minha provocação, ela não conseguiu responder nada, e eu a beijei mais uma vez antes de sair sorrateiramente pela porta do apartamento.
 
Com um sorriso no rosto, muitas esperanças, e uma felicidade que eu nunca imaginei sentir.
 



Capítulo 30 (Demetria Lovato’s POV)



Me remexi na cama, ainda de olhos fechados. Espreguicei-me devagar e abri lentamente os olhos, deixando que a luz do sol os atingisse e provocasse uma careta em meu rosto. Pisquei algumas vezes, observando o quarto vazio, e me assustei ao não encontrar
 Lo ao meu lado. Os lençóis estavam desarrumados onde eu tinha certeza de que encontraria seu corpo deitado, mas ao invés dele, um pequeno bilhete repousava. 

Você estava dormindo tão bem que não quis te acordar. Tive que ir, preciso chegar antes do almoço em Sheffield. Deixe as chaves do apartamento na portaria, está bem? Te amo, meu anjo, já estou com saudades! 

xx
 

Sorri involuntariamente com as palavras dele, e afundei meu rosto em seu travesseiro, ainda conseguindo sentir seu perfume. Novamente, ele estava indo visitar a família, dessa vez para comemorar seu aniversário, e me deixando sozinha no fim de semana. Ou talvez nem tão sozinha.
 
Bastaram alguns segundos com a mente vazia para que todos os acontecimentos da noite anterior me atingissem. Aquele último mês havia sido tão torturante para mim... Minha mente havia adotado um estado tão denso de conformação com minha distância de
 Joe que me lembrar de tudo que havíamos feito há algumas horas parecia extremamente surreal. Um sonho, talvez, se não tivesse sido tão intenso. 
A princípio, senti muita raiva dele, por não compreender minha situação. Eu precisava escolher um rumo para minha vida, e ele parecia não enxergar isso. Porém, assim que senti seus lábios nos meus, o calor de seu corpo me dominando, seu perfume me intoxicando, foi impossível não ceder à enorme e gritante saudade que meu corpo nutria pelo dele. E quando voltei a ter controle sobre mim mesma, estava chorando em seu ombro, dizendo que o queria comigo. Um mês de autocontrole jogados no lixo em uma noite... Mas eu não me arrependia de nada, ao contrário do que pensei. A sensação de culpa parecia estranhamente insignificante diante de meu bem estar.
 
Um calor gostoso emanava de meu peito em direção ao resto de meu corpo; uma felicidade exótica, que não pensei que fosse sentir. Um sorrisinho se formou em meu rosto ao me lembrar de
 Joe me carregando pelo apartamento, e ao mesmo tempo, uma saudade manhosa surgiu quando a lembrança de seu beijo me veio à mente. Fechei os olhos com mais força, tentando entender o porquê de toda aquela dependência, mas foi inútil; a lembrança mais intensa daquela noite veio à tona, fazendo a voz dele ecoar em minha mente e impossibilitando-me de pensar em qualquer outra coisa. 
Eu te amo, Demetria. 
Virei-me de barriga pra cima, soltando um suspiro e encarando o teto claro vagamente. Ele me amava.
 Joseph Jonas havia dito que me amava. E eu? Eu o amava? Ou aquilo era apenas uma atração momentânea? Por que eu me sentia tão leve e feliz ao pensar nele? Por que meu coração batia daquele jeito apressado ao visualizar seu rosto em minha mente? 
Talvez eu também o amasse? Não, não poderia ser. Eu mal o conhecia! Quer dizer, eu não sabia nada sobre sua vida, não sabia sua cor favorita, sua banda favorita, sua comida favorita... Tudo que eu sabia era que... Bem, que ele me amava. E meu coração estava doido para retribuir esse sentimento, por mais que minha mente construísse obstáculos para isso.
 
Olhei instintivamente para o relógio de cabeceira, ainda com a mente longe dali: 12h57min. Assim que bati os olhos na hora, lembrei-me de meu compromisso com
 Joe, e alguma coisa subitamente começou a fazer cócegas em minha barriga. Meu Deus. Eu o veria de novo hoje, dali a uma hora, mais especificamente. Uma hora que de repente me pareceu um milênio. 
Respirei fundo, sentindo-me involuntariamente ansiosa, e resolvi levantar. Arrumei rapidamente a cama, agitada, e deixei o bilhete de
 Lo sobre ela, para responder antes de sair. Fui direto para o banheiro tomar um bom banho e fazer minha higiene matinal, aproveitando para já prevenir-me. Eu tinha algumas camisinhas femininas na bolsa, apenas por precaução, e tive certeza absoluta de que precisaria estar protegida se pretendia mesmo ir à casa de Joe. Quer dizer, não é novidade nenhuma que eu e Joe tínhamos uma certa facilidade de entrar no clima. 
Uma meia hora depois, quando terminei, me vesti com algumas roupas íntimas que havia deixado na casa de
 Lo (as melhores que eu tinha, diga-se de passagem). Coloquei uma camiseta velha dele por cima, a que eu sempre usava quando dormia lá, enrolei meus cabelos molhados num coque desengonçado e fui até a cozinha, morta de fome. Havia alguns panfletos de restaurantes sobre a mesa, provavelmente colocados ali por Lo, e eu não pude deixar de agradecê-lo mentalmente ao deduzir isso. Liguei para um dos restaurantes e pedi meu almoço com tudo que tinha direito. Que se dane o regime, eu estava com fome. E algo me dizia que eu ia precisar de energia para aquele dia. 
Penteei meus cabelos e vesti uma calça jeans e uma camiseta de meia manga branca de botões, juntamente com meu
 All Star com estampa de histórias em quadrinhos, muda de roupa que eu havia deixado no guarda-roupa de Lo por precaução. O almoço não demorou a chegar, e eu o devorei rapidamente, doida de fome. Lavei a pouca louça que havia sujado e deixei a casa o mais impecável possível, sem querer dar o mínimo trabalho a Lo. 
Terminei de me arrumar calmamente, com tempo de sobra, e liguei para minha mãe, avisando-a que iria almoçar com
 Miley e que só voltaria para casa ao anoitecer. Sim, eu ainda usava a velha desculpa de estar com Miley, que outra eu poderia dar? Enquanto essa colasse, eu a usaria, mesmo me sentindo mal por ter que mentir tanto para minha mãe. Eram mentiras necessárias, e eu pretendia deixar de enganá-la assim que tivesse dezoito anos e fosse dona de meu próprio nariz, pelo menos legalmente. 
Deixei também uma simples e carinhosa resposta ao bilhete de
 Lo sobre a cama. Encarei suas palavras ternas e uma pontada esquisita se manifestou em meu peito. Não era exatamente culpa; parecia que haviam jogado vinte litros de água fria sobre ela, atenuando-a consideravelmente. Parecia que estava faltando alguma coisa se manifestar em mim... Algo como aquele frio na barriga ao ler um bilhete de quem se ama, ou o sorriso derretido de quem se aquece por suas palavras de carinho. Com um suspiro inseguro, decidi não pensar mais em Lo durante aquele dia, determinada a me manter tão leve e calma como acordei. Após um mês de tortura, meu coração estava cansado de sentir tanta dor, ainda mais sendo eu mesma a criadora dela. E agora que eu havia decidido analisar minhas opções, mesmo que pelo menor tempo possível, não seria certo me sentir tão culpada a cada vez que Joe fosse o tema de meus pensamentos. 
Saí do apartamento, entregando as chaves a Andy antes de deixar o prédio, e comecei a caminhar o mais rápido que pude até o prédio de
 Joe. Agradeci mentalmente ao frio suave que fazia, permitindo-me andar depressa sem suar feito uma doida, e em meia hora, já estava a dois quarteirões de sua casa. Em mais cinco, finalmente cheguei à luxuosa portaria de seu prédio. 
- Erm...
 Joseph Jonas? – gaguejei ao porteiro assim que parei em frente ao balcão, e ele imediatamente assentiu uma única vez, discando alguns números num telefone.
- Vigésimo terceiro andar, senhorita – o senhor sorriu, após anunciar minha chegada a alguém do outro lado da linha (que só podia ser uma pessoa), e eu retribuí seu sorriso, caminhando até o elevador que ele havia me indicado. Enquanto eu o esperava descer do décimo sétimo andar, observei o lindo hall do prédio, maravilhada com a decoração. Tudo ali parecia custar mais que minha casa, até as canetas da recepção. Realmente,
 Joe deveria ser muito mais rico do que eu imaginava se podia morar num prédio como aquele. 
O som do elevador chegando ao térreo me arrancou de meus devaneios, e eu entrei rapidamente no mesmo, apertando o botão de número 23. Ao passar os olhos rapidamente pelo painel, notei duas coisas curiosas. A primeira era que os andares do prédio eram numerados de dois em dois (primeiro, terceiro, quinto, etc.), o que me fez deduzir que cada apartamento tinha dois andares. Nota mental: conhecer o segundo andar do apartamento de
 Joe. A segunda curiosidade estava numa pequena plaquinha sob o número do 23º andar, cujas letras formavam a palavra cobertura. Ergui minhas sobrancelhas, surpresa. Então ele morava na cobertura? Hm, mais um motivo para querer conhecer o segundo andar... Com certeza deveria haver algo de interessante por lá. 
Demorou uma eternidade, mas finalmente o elevador chegou ao vigésimo terceiro andar. Respirei fundo ao ver o número no painel luminoso, e a porta automática deslizou para o lado logo em seguida, revelando o apartamento incrivelmente grande, lindo e claro de
 Joe. Fiquei paralisada durante alguns segundos, apenas reunindo forças para sair do elevador, até que um par de olhos Castanhos entrou em foco, acompanhado de um charmoso sorriso de canto. 
- Com medo de quê? –
 Joe sorriu após alguns segundos, erguendo uma sobrancelha, e por um momento, esqueci como se respirava. Engoli em seco, ainda desnorteada, e forcei meus pés a se moverem, levando-me até ele tremulamente. De onde havia surgido todo aquele nervosismo mesmo? 
- Medo da sua conta bancária – respondi, ainda encabulada ao parar na frente dele e sentindo um cheiro maravilhoso de sabonete misturado a perfume masculino – Ela me assusta.
 
Joe soltou uma gargalhada alta, vencendo a curta distância entre nós e passando uma de suas mãos por minha cintura, arrepiando-me por completo com um simples toque. Pode parecer mentira, mas ele realmente me dava choques elétricos com apenas aquele contato.
 
- Pensei que já estivesse acostumada com ela – ele disse, e eu neguei com a cabeça, ainda me recuperando de sua aproximação – Talvez eu seja mesmo péssimo em decifrar você.
 
- Me desculpe por ser um enigma – falei, finalmente olhando-o nos olhos, e ele sorriu, aproximando seus lábios dos meus e beijando-me calmamente, numa expressão física de boas-vindas. Seu perfume, tão forte e viciante como eu nunca havia sentido antes, fez meu coração bater com uma força assustadora, e sem sequer perceber, eu me empolguei, abraçando-o pelo pescoço e atirando minha bolsa no sofá mais próximo.
 Joe me abraçou apertado pela cintura, erguendo-me do chão, e sorriu ainda mais ao perceber minha empolgação. 
- Calma – ele sussurrou ao partir o beijo, e eu respirei fundo, fechando os olhos e sentindo meu rosto esquentar – Nem bem chegou e já quer roubar todo o meu oxigênio?
 
- É que eu fiquei com saudade – sussurrei, incapaz de conter minhas palavras, e imediatamente senti meu rosto corar. Droga, por que eu ainda me sentia tão vulnerável com ele?
 
- Eu entendo perfeitamente – ele disse, pondo-me no chão e deslizando suas mãos tranquilamente até meus quadris – Também ficaria com saudade de mim mesmo se fosse você.
 
- Convencido! – exclamei, rindo de sua postura superior, e lhe dei um tapa no braço – É agora que eu vou embora?
 
- Não, é agora que você me dá mais um beijo e bagunça o meu cabelo – ele corrigiu, mordendo o lábio inferior ao puxar meu corpo pra mais perto do seu – Eu o penteei do jeito que eu odeio só pra você deixá-lo do jeito que eu gosto.
 
- Ah, é? – brinquei, embrenhando minhas mãos por seus cabelos macios e surpreendentemente não bagunçados – Obrigada pelo presente!
 
Joe riu baixinho, e eu colei meus lábios aos dele, deixando que nossas línguas se encontrassem sem demora e iniciassem mais um de nossos beijos eletrizantes. Ele postou uma de suas mãos em minha nuca, aprofundando o beijo, e eu revirei seus cabelos com vontade, sentindo-o sorrir e puxar minha cintura pra mais perto de si.
 
- A gente vai acabar transando no sofá de novo desse jeito – murmurei rindo, após uns cinco minutos de amasso, partindo o beijo para falar.
 
- Desculpe - ele ofegou, apesar de relutante, e respirou fundo, afastando seu rosto do meu – Quem se empolgou agora fui eu.
 
- Estamos quites no quesito vergonha então – dei risada, vendo-o entortar a boca em tom de constrangimento.
 
- É, acho que sim – ele riu, apertando seu abraço em minha cintura – Bom, já pagamos micos suficientes por hoje... O que quer fazer agora? E sexo não vale. Não ainda.
 
- Hm... – pensei, mordendo meu lábio inferior – Me mostre seu apartamento.
 
Joe franziu a testa com meu pedido.
 
- Ué... Você já o conhece – ele respondeu, confuso.
 
- Não o andar de cima – expliquei, fazendo uma cara sapeca, e ele finalmente entendeu o motivo de meu pedido.
 
- Tem razão – ele assentiu, me abraçando de lado e colocando sua mão no bolso traseiro de minha calça – Vamos conhecer o andar de cima então.
 
- Se for tão lindo quanto esse, já o adorei – confessei, deixando que ele me guiasse pela casa impecavelmente limpa e perfeita.
 
- Se você adora esse aqui, vai amar o outro – ele murmurou perto de meu ouvido, fazendo minha respiração falhar sem nem perceber e ainda por cima dando um sedutor sorrisinho de lado.
 
Caminhamos em silêncio até a escada, que eu nunca havia visto porque minhas passagens por aquele apartamento haviam sido rápidas e turbulentas demais para que eu a notasse, e subimos rapidamente os poucos degraus. Assim que chegamos ao segundo andar, a primeira coisa que observei foi uma enorme parede branca e vazia, a alguns metros de distância de um grande e visivelmente confortável sofá. Ergui um pouco meus olhos até algo que estava pendurado no teto, e meu queixo caiu ao reconhecer o aparelho.
 
- Você tem um projetor? – falei, sem conseguir disfarçar minha surpresa, e ele riu ao meu lado.
 
- Gosto muito de ver TV quando o sono não chega – ele disse, e meus olhos notaram também uma estante abarrotada de CDs, DVDs e livros encostada a outra parede – Costumo até dormir mais aqui que em meu próprio quarto.
 
- Você acertou em cheio – assenti, maravilhada com todas aquelas novas informações – Eu simplesmente
 amei esse andar. 
- Hm, pelo menos nessa previsão eu acertei –
 Joe brincou, e eu o olhei, sorrindo timidamente – Espero que você goste do resto também. 
- Como assim? – perguntei, arregalando os olhos, totalmente alheia a qualquer senso do ridículo – Tem mais?
 
- Claro que tem,
 Demetria – ele riu, divertindo-se com minhas reações patéticas, porém logo voltou a ficar sério – E é nesse andar que fica minha parte favorita do apartamento... Mas só te levo lá se fechar os olhos. E não vale espiar. 
Lancei-lhe um olhar desconfiado, ansiosa com todo aquele mistério, e ele apenas ergueu as sobrancelhas, num incentivo mudo. Respirei fundo, derrotada por minha curiosidade, e fechei os olhos, sentindo-o entrelaçar nossos dedos e me conduzir.
 
Uns vinte passos depois, ele parou de andar, e me colocou em sua frente, segurando meus ombros de um jeito que me arrepiou involuntariamente. Apesar de não estar vendo nada, percebi que uma certa claridade emanava do local onde estávamos prestes a entrar, mas quando ia abrir a boca para perguntar se havíamos chegado,
 Joe colocou o rosto bem perto de meu ouvido e respondeu à minha pergunta: 
- Espero que goste de contar estrelas.
 
Sem precisar de maiores incentivos, abri lentamente meus olhos, deparando-me com uma larga porta de vidro, através do qual tudo que se via era o céu nublado e o chão de pedra, que levava até um deck de madeira. Levei alguns segundos para absorver aquela descoberta, e tudo que consegui fazer foi sorrir, admirada, e olhar para ele, sem saber o que dizer. Além de todo o luxo e perfeição de cada cômodo, ainda havia uma área externa... Sendo a adoradora do céu que eu era, agora sim podia afirmar que aquele era o apartamento mais perfeito do universo.
 
- Não está um dia exatamente bonito, mas aposto que você vai compensar as nuvens escuras – ele murmurou, fazendo um discreto sinal para que eu prosseguisse, e assim eu o fiz. Envolvi a maçaneta da imponente e grossa porta de vidro à minha frente e a abri, revelando a parte externa da cobertura. Andei devagar pelo piso de pedra e olhei ao redor da extensa área, notando a presença de detalhes que eu ainda não havia conseguido ver: uma mesa redonda de vidro cercada de cadeiras, algumas espreguiçadeiras, uma ducha e um pequeno jardim. Meus olhos se recusavam a crer em tudo que viam, e tentando não parecer tão deslumbrada, subi os degraus do deck, encontrando sobre ele, uma pequena piscina. Aquele apartamento era tudo que eu sempre havia sonhado, e ter as imagens de minha mente transformadas em realidade era demais para mim.
 
Fiquei encarando meu reflexo perplexo na água, sem reação diante de toda aquela beleza, e logo um outro reflexo surgiu ao lado do meu.
 Joe não me tocou; apenas esperou pacientemente que eu recuperasse a voz, o que levou alguns segundos. 
- Eu...
 Joe... Sua casa é... Um sonho – finalmente falei, sem fôlego, e olhei para ele, que sorria de um jeito tímido. Jamais eu imaginara que uma pessoa como ele poderia ter um apartamento tão aconchegante e lindo em cada detalhe, e essa surpresa se mesclava ao meu deslumbre, deixando-me totalmente desnorteada. 
- Que bom que te agrada – ele murmurou, colocando as mãos nos bolsos da calça como se estivesse acanhado – Prometo te trazer muitas outras vezes aqui, se esse brilho nos seus olhos aparecer em todas elas.
 
Abaixei meu olhar do dele, envergonhada por minha reação um tanto intensa demais, mas logo voltei a encará-lo, sentindo falta de suas íris quentes fitando as minhas tão agradavelmente.
 
- Eu não preciso de nada disso pra que meus olhos brilhem – falei baixinho, séria – Não quero que você tenha uma impressão errada de mim. Bens materiais não me influenciam.
 
- Eu sei,
 Demi – ele assentiu, compreensivo, e um sorrisinho se formou em seu rosto – Se bens materiais te influenciassem, você já teria escolhido ficar comigo há muito tempo. 
Fiquei em silêncio diante de suas palavras, sem a menor idéia do que dizer. Voltei a olhar nossos reflexos na água, e mergulhei em pensamentos confusos, ainda em choque com todas aquelas novas informações e com o coração acelerado.
 
- Por que eu? – pensei alto demais, erguendo meus olhos até os dele, intensamente
 Castanhos e mais escuros que o habitual, como se eu não fosse a única refletindo sobre toda a loucura que era nossa relação – Por que você me escolheu? 
Joe apenas retribuiu meu olhar pensativo por alguns segundos, até que um sorriso cansado e fraco contornou seus lábios.
 
- Não sei te responder – ele disse, aproximando-se lentamente de mim – Mas posso te mostrar um pouco do que eu sei.
 
Olhei fundo em seus olhos, agora tão próximos, e senti suas mãos quentes envolverem meu rosto, sendo seguidas por seu hálito de canela contra meus lábios.
 
- Você se arrepia quando eu chego perto... Assim? – ele sussurrou, ainda me olhando com intensidade, e eu assenti fracamente. Foram poucas as vezes em que eu havia visto suas íris tão de perto, e tal fato provocava um vazio total em meus pulmões.
 
- E se eu te tocar aqui... – ele continuou, deslizando uma de suas mãos até minha cintura - E te abraçar assim... – seu braço envolveu meu corpo e me puxou para perto dele – Consegue sentir seu coração acelerar?
 
Assenti novamente, hipnotizada por seu olhar. Assim como eu, ele estava sério, como se cada efeito que ele surtia em mim refletisse nele da mesma maneira e com a mesma intensidade.
 
- E se eu te beijar desse jeito... – ele soprou, unindo nossos lábios delicadamente e acariciando minha língua com a sua de um jeito totalmente íntimo e calmo, partindo o beijo não muito tempo depois – O que você sente?
 
Abri meus olhos assim que ele terminou sua pergunta, e por um segundo, pensei que fosse desmaiar em seu abraço. Meu coração batia com muita força em meu peito, e eu sentia o sangue fervente correr com cada vez mais pressão a cada segundo por minhas veias. Levei algum tempo para voltar a respirar, e o respondi com um sussurro fraco, incapaz de falar mais alto.
 
- Eu sinto... Como se estivesse despencando de uma altura incrível... Sem nada nem ninguém para me salvar... E a última coisa que eu quero é que alguém me salve.
 
Joe sorriu, intensificando ainda mais nossa conexão de olhares, e uniu nossas testas.
 
- É bom saber que nos sentimos da mesma forma – ele murmurou, acariciando meu rosto com seu polegar e sorrindo sedutoramente - Agora pergunte a si mesma... Por que eu te escolhi?
 
Completamente perdida em seus olhos, eu deixei sua pergunta no ar, sem saber como respondê-la. Depois daquele momento tão intenso, a resposta para minha dúvida agora me parecia simplesmente óbvia: era impossível descrever porque havíamos nos escolhido. Tudo que conseguíamos era sentir, como se o efeito entre nossos corpos fosse puramente químico, afetando minha consciência e sentidos de maneira avassaladora. Nada que palavras pudessem descrever.
 
Algumas gotas de chuva começaram a cair sobre nós poucos segundos após nos calarmos, e ao sentir os pingos frios, retomei um pouco de minha lucidez. Olhamos para cima, sentindo a quantidade de gotas aumentar, e corremos para dentro do apartamento novamente, fechando a porta atrás de nós e observando a chuva intensificar-se depressa. Logo, os pequenos pingos que haviam molhado nossas roupas despencavam furiosamente do céu, ficando do tamanho de bolinhas de pingue-pongue ao golpearem o vidro.
 
- Eu sei que estou errada em tudo o que estou fazendo com a minha vida e com vocês dois – murmurei, após um longo período de silêncio, onde ficamos apenas observando a chuva cair, e apesar de não olhá-lo, soube que ele se virou para mim – Sei também que não tenho direito algum de pedir nada... Mas eu não sei o quanto minha decisão ainda pode demorar, e não quero que você se sinta pressionado a me esperar...
 
- Eu
 vou esperar – Joe me interrompeu, com a voz baixa, porém muito firme, o que me fez desviar os olhos da chuva até encontrar os dele – Demore o quanto precisar.
Fitei suas íris por longos segundos, tentando não sucumbir por completo aos sentimentos borbulhantes que conduziam minha decisão até
 Joe. Era tudo tão extremo com ele, tão intenso e rápido, que por um instante, a dúvida quanto a amá-lo ou não me pareceu absurdamente ridícula. Era óbvio que sim. 
- Obrigada – foi tudo que consegui dizer, sorrindo fracamente, e ele aproximou o rosto do meu, beijando-me com carinho. Eu me sentia ferida por dentro, extremamente machucada, e a cada toque de
 Joe, a dor abrandava-se, causando uma sensação reconfortante a cada vez que ele se aproximava de mim. 
- Não vamos mais pensar nisso por hoje, pode ser? – ele sussurrou contra meus lábios, com os olhos tranqüilos muito perto dos meus e um sorriso fraco no rosto – Vamos apenas aproveitar o tempo que temos juntos.
 
Não pude impedir que um sorriso também surgisse em minha expressão, denunciando minha simpatia com suas palavras, e eu assenti, envolvendo seu pescoço com meus braços. Meu coração batia tão forte e num ritmo tão acelerado que foi praticamente impossível conter o impulso de esticar-me na ponta dos pés e alcançar seus lábios com os meus novamente. Parecia que minha pele sentia falta da dele e pedisse desesperadamente por contato.
 
Ouvi um trovão alto ecoar pelo apartamento, e com medo de nossa proximidade da área externa, onde a chuva já havia atingido um nível nitidamente estrondoso, dei alguns passos vacilantes para trás, conseguindo trazer
 Joe comigo sem partir o beijo. Aos poucos, parando em alguns trechos para deslizarmos nossas mãos por partes nada educadas dos corpos um do outro, caminhamos às cegas pelo pequeno corredor, vez ou outra colidindo com uma das paredes e rindo baixinho de nossos pequenos desastres. 
- A gente pode fazer sexo agora? – sussurrei rente aos seus lábios, puxando de leve seus cabelos macios da nuca e sorrindo ao vê-lo franzir suavemente a testa em resposta.
 
- Se eu disser que não, vai ficar mais excitante? – ele sorriu, mordendo meu lábio inferior devagar logo em seguida – Mesmo isso sendo uma mentira deslavada?
 
Ri baixinho, sem fôlego ao senti-lo deslizar sensualmente suas mãos por minha cintura, e ciente de minhas vertigens,
 Joe encostou-me contra uma parede, prensando-me entre ela e seu corpo. 
- Posso te levar pra um lugar onde eu tenho muito tesão de fazer sexo com você? – ele sussurrou num tom de confissão em meu ouvido, envolvendo meu pescoço com uma de suas mãos como se quisesse me prender, porém sem parecer violento. Subitamente, ele parecia estar adotando uma postura dominadora, muito diferente da que demonstrava há pouco, mas eu não me importava com sua mudança repentina. Nossos beijos eram capazes de causar alterações bruscas de atitude, eu sabia muito bem disso.
 
- Você já não precisa pedir permissão pra fazer alguma coisa comigo há algum tempo – respondi, fechando os olhos ao sentir sua respiração quente em minha pele e suas mãos me explorando.
 
- Eu já sabia disso... Mas prefiro ouvir você dizer – ele ofegou, convencido e cheio de perversão, descendo suas mãos deliciosamente por meu corpo até atingir a parte de trás de minhas coxas, para erguer-me do chão e me fazer envolver sua cintura com minhas pernas. Assim que o fiz,
 Joe selou nossos lábios novamente, com ferocidade e luxúria, e eu apenas o correspondi, sentindo um calor que só ele me fazia sentir emanar de dentro de mim, numa intensidade extraordinária. 
Cambaleando pelos cômodos, ele me carregou até a escada, interrompendo o beijo somente para chegar ao andar de baixo sem tragédias. Aproveitei-me de nossa breve pausa pelo caminho para tirar os tênis e meias, espalhando-os pelos degraus e facilitando o trabalho para ele, que eu sabia que não demoraria muito a fazê-lo.Joe seguiu velozmente pelo corredor do primeiro andar, com a boca urgentemente grudada à minha de novo, até que ele me atirou sobre uma superfície macia, que eu logo descobri ser sua cama. Franzi a testa, sorrindo maliciosamente para ele, que se aproximava lentamente de mim com uma expressão nada ortodoxa. Então ele tinha tesão em transar comigo em sua própria cama? Não posso negar que a idéia me pareceu igualmente tentadora, mas talvez minha imaginação não tivesse parado para pensar num lugar tão convencional (para os padrões de
 Joseph Jonas, se é que existem padrões para ele) como aquele. 
Apesar de seu quarto ser um território um tanto desconhecido para mim, eu nem me dei ao trabalho de analisá-lo naquele momento, porque os olhos em chamas de
 Joe me atraíam mais do que qualquer coisa enquanto ele engatinhava por sobre o meu corpo. Tudo que fui capaz de detectar foi que a atmosfera do cômodo era preenchida por um suave teor de seu perfume, o que só me deixou ainda mais enfeitiçada. Aquele cheiro era como uma droga, atiçava todos os meus sentidos da maneira mais forte e inibia toda e qualquer ordem de meu cérebro, transferindo todo o controle para meu coração, que batia descompassado dentro de meu peito. Talvez houvesse algum tipo de fragrância afrodisíaca em sua composição, ou talvez eu simplesmente fosse sensível demais a qualquer coisa que viesse dele. 
Joe rapidamente colocou-se sobre mim, com um sorriso safado brincando em seus lábios avermelhados, que não demoraram a unir-se aos meus outra vez. Ele me beijava de um jeito que misturava inúmeros sentimentos e sensações, que jamais pensei sentir juntas. Era um beijo ardente, faminto, insaciável, que me tirava totalmente o fôlego e me arrepiava dos pés à cabeça. Enquanto intensificávamos o beijo, ele encaixou uma de suas pernas entre as minhas, e deslizou uma de suas mãos desde meu joelho até minha bunda, puxando-me para si. Gemi baixinho ao sentir seu peso e seu calor mais intensos a cada segundo, com o coração prestes a explodir, e gostando do efeito que causava, ele levou uma mão à minha cintura e me puxou em sua direção, tocando minha pele por debaixo da blusa com as pontas de seus dedos frios. Suas unhas curtas tentavam me arranhar com até algum sucesso, mas o efeito era desprezível se comparado ao de minhas quase garras vermelhas em sua nuca, afundando em sua pele e fazendo-o soltar o ar rudemente.
 
Deslizei minhas unhas pela região até atingir a gola de sua camiseta, e desviei meu caminho, dando a volta em seus ombros e chegando a seu tórax. Segurei o tecido com firmeza e o puxei ainda mais para perto, sentindo-o exercer pressão em minha pélvis com a sua.
 Joe mordeu meu lábio inferior, deixando seus dentes deslizarem por ele e provocando-me uma dor prazerosa, o que nos fez sorrir maliciosamente. Ele sabia muito bem os efeitos que suas ações tinham, e costumava usar e abusar desse conhecimento para me levar a certos lugares fantásticos que eu não sei bem descrever. 
Continuei meu trajeto por seu tronco, acompanhando o desenho de seus músculos com as palmas de minhas mãos até alcançar a barra de sua blusa. Passei a acariciar seu abdômen por debaixo do tecido, usufruindo da baixa temperatura de minhas mãos em relação àquela região do corpo dele para causar-lhe arrepios, e pareceu funcionar.
 Joe continuava a pressionar sua pélvis contra a minha, e os sinais de sua excitação já eram nítidos, fazendo com que um calor me dominasse e acelerasse minhas provocações. Mordi novamente seu lábio, sugando-o como se o quisesse arrancar dali, e ele gemeu baixo, erguendo os cantos de sua boca num sorriso mal intencionado. 
- Nem acredito que estamos quase transando na minha cama – ele sussurrou, quando eu soltei seu lábio, e eu não pude deixar de sorrir pervertidamente junto com ele – Dormir aqui nunca mais vai ser a mesma coisa.
 
Soltei um risinho ofegante, finalmente entendendo o motivo da escolha do lugar, e ele abriu um sorriso que eu classificaria como o mais sujo de todos que já havia visto em seu rosto, deixando-me ainda mais excitada. A expectativa que ele me causava por nunca me deixar plenamente ciente de suas intenções até que ele as colocasse em prática me trazia um sentimento muito forte de êxtase e ansiedade, prendendo-me cada vez mais às habilidades de seu charme.
 
Joe voltou a me beijar sensualmente, movendo sua língua com calma e desejo, e enquanto o fazia, pude sentir seus dedos desabotoarem os botões de minha camiseta. Quando os três primeiros estavam abertos, ele desceu seus lábios por meu pescoço, beijando a região languidamente, e prosseguiu por meu colo, passando sua língua extremamente quente por entre meus seios ainda cobertos pelo sutiã. Suas mãos os envolveram, apertando-os levemente, e ele depositou um selinho carinhoso sobre cada um. Se não estivesse tão instigada, teria achado graça daquele gesto, mas tudo que consegui fazer foi observá-lo prosseguir seu trajeto com um olhar zonzo.
 
Ele continuou descendo seus beijos por minha barriga enquanto terminava de abrir a blusa, e deslizava suas mãos pelo formato de minha cintura, até seus dedos atingirem o cós de minha calça.
 Joe abriu o botão e o zíper sem que eu sequer percebesse, distraindo-me com seus lábios, e desceu a peça de roupa por minhas coxas até tirá-la. Como se tivéssemos todo o tempo do mundo para nós dois, ele acariciou minhas pernas desde os tornozelos até a virilha, beijando algumas regiões e arrepiando-me cada vez mais com seus lábios quentes. Seus olhos, tão brilhantes como jóias, me observavam inundados em interesse, indecisos sobre qual parte de meu corpo era a mais merecedora de sua atenção. 
– Você se arrepia com muita facilidade –
 Joe soprou, erguendo seus olhos corrompidos até mim, e pude sentir meu rosto corar ao saber que ele havia percebido o que causava em mim. 
- Eu sou sensível demais a certos estímulos – expliquei, completamente envergonhada, porém sem conseguir evitar mais arrepios quando ele me deu mais um beijo.
 
- Eu gosto disso – ele murmurou, com a voz rouca, fazendo com que seu hálito quente batesse em minha pele e me arrepiasse ainda mais – Suas sensibilidades são suas melhores armas contra mim.
 
- E você expõe até demais minhas sensibilidades – ofeguei, fechando meus olhos para que ele não os visse revirar de excitação enquanto continuava me beijando – Seu efeito sobre mim chega a ser vergonhoso.
 
- Ah, é? – ele perguntou, não para confirmar, mas sim para me instigar, subindo seus beijos de minhas coxas para minha barriga – Eu também gosto muito de uma coisa que você faz.
 
- E o que seria essa coisa? – perguntei, demorando-me entre as palavras para conseguir encontrar fôlego, e só voltei a abrir meus olhos quando senti seu rosto muito próximo do meu.
 
- Eu adoro quando você fala no meu ouvido – ele sussurrou, aproximando seus lábios dos meus e roçando-os, ainda sorrindo sedutoramente – Principalmente
 naquelas horas. 
- É mesmo? – sorri, com o olhar trêmulo de prazer, embrenhando minhas mãos em seus cabelos lentamente e levando minha boca até seu ouvido – E o que você gosta de ouvir?
 
Joe respirou fundo, e dessa vez, quem se arrepiou foi ele. Meu sorriso aumentou ao perceber que ele me puxou para mais perto, com a respiração um pouco mais rude que o natural, e respondeu:
 
- O que você tiver para me dizer.
 
Fechei os olhos por um momento, sentindo o ar me faltar também, e apertei mais meus braços ao redor de seu pescoço. Inúmeras palavras disputavam espaço em minha mente, pedindo para que eu as dissesse, mas precisei de alguns segundos para escolher as mais apropriadas e também para recuperar o fôlego.
 
- Você foi o erro mais certo que eu já cometi – sussurrei ao pé de seu ouvido, deslizando a ponta de meu nariz em seu lóbulo e mordendo-o logo em seguida –
 Meu pecado favorito. 
- Você não faz idéia do que acontece comigo quando eu ouço a sua voz assim... Cheia de más intenções – ele murmurou, com a voz falha, usando e abusando de seu peso para me mostrar o quão excitado estava – Se você soubesse as perversões que eu já imaginei...
 
- Pra que imaginá-las... Se você pode
 fazê-las? – soprei em seu ouvido, sentindo-o apertar minha cintura com força e tentar afundar suas unhas em minha pele novamente – Eu estou aqui agora, e sou sua. Faça o que quiser comigo. 
- Você não pode ser real –
 Joe grunhiu, rindo maliciosamente contra a pele de meu pescoço, e sua voz bruta me fez fechar os olhos mais uma vez, aumentando ainda mais minha excitação – Eu devo estar maluco. 
- Só existe um jeito de descobrir – provoquei-o, mordendo seu lóbulo mais uma vez, com um pouco mais de força – Vamos lá,
 Jonas... Me mostre do que você é capaz.
Ao ouvir minha voz repetir as mesmas palavras que eu o havia dito quando passamos uma noite na Ferrari,
 Joe afastou seu rosto do meu, encarando-me com os olhos ardendo de tesão. Sua boca buscou a minha com desespero, e seu corpo fez ainda mais pressão contra o meu, permitindo-me sentir exatamente a intensidade de sua ereção. Sua língua quase atingia minha garganta, movendo-se precisamente e fazendo-me gemer baixinho quando ele segurou meu rosto e intensificou ainda mais suas carícias. Apertei meu abraço em seu pescoço e cruzei minhas pernas ao redor de seus quadris, sentindo-o rígido em minha intimidade e arrancando um gemido dele. Sua outra mão direcionou-se aos meus glúteos, puxando-me para mais perto e aumentando a proximidade de nossas pélvis. 
Cravei minhas unhas em suas costas, puxando o tecido da blusa, e logo ele a tirou, lutando às cegas para tirar os braços dos buracos e só separando nossos lábios para retirar a peça pela cabeça. Seu tronco quente e definido me fez gemer mais uma vez ao encontrar minha pele, e eu rapidamente deslizei minhas mãos por suas costas, atingindo sua bunda por dentro da calça e apertando-a com vontade. As mãos de
 Joe agora se ocupavam em apalpar meus seios, já livres do sutiã graças ao fecho frontal, do qual ele se livrou com destreza. Ele os apertava com força, fazendo movimentos circulares com os polegares em meus mamilos rígidos, enquanto eu me dirigia ao zíper de sua calça, sendo um tanto atrapalhada por seu membro extremamente ereto. 
- Eu quero ver você de quatro – ele ofegou, partindo o beijo por dois segundos para falar, quase fazendo meu coração parar com seu pedido (ou pelo se tom de voz, eu deveria dizer
 ordem?) – Gritando enquanto eu te levo ao paraíso. 
Fiquei sem reação diante de sua confissão, pega totalmente desprevenida e sem ar.
 Joe parecia tão fora de si que mal notou minha surpresa, e voltou a me beijar, fazendo-me lembrar do quão certo tudo parecia quando seus lábios estavam nos meus. Após alguns segundos imóvel, tentando retomar a calma diante de seu pedido, minhas mãos voltaram a insistir no botão de sua calça, finalmente abrindo-o e, ao mesmo tempo, dando um estalo em minha mente. 
Eu já havia feito com ele coisas que jamais pensei em fazer com outro homem antes, e
 Joe nunca havia me dado um motivo sequer para não confiar nele. Já havíamos corrido tantos riscos em locais tão absurdos e eu nunca tive um motivo sequer para me arrepender... Por que não? 
- Só se você for para lá comigo – sorri, finalmente decidida a aceitar sua proposta, acariciando sua ereção pulsante por sobre o tecido da boxer – Sem você não tem a menor graça.
 
- Eu já estarei te esperando – ele arfou, revirando os olhos e fechando-os logo em seguida, soltando todo o ar que havia inspirado diante de meu toque e sorrindo de um jeito torturado – Não acho que vou demorar muito a chegar lá.
 
- Se depender de mim, não mesmo – provoquei-o, puxando sua calça para baixo com um pouco de dificuldade, até que ele me ajudou a atirá-la ao chão.
 Joe me lançou um último olhar cúmplice antes de retomarmos nosso beijo, movendo nossas línguas como se fôssemos amantes há anos. 
As mãos de
 Joe foram descendo por meu corpo até encontrarem a barra de minha calcinha, e sem se deixar intimidar, uma delas colocou-se sob o tecido, buscando minha intimidade com seus dedos. A rapidez de suas ações foi tamanha que eu apenas tive tempo de gemer alto contra seus lábios e envergar minhas costas para cima quando dois de seus dedos me penetraram, sem sequer aviso prévio, provocando-me uma onda exorbitante de prazer. Seus dedos, frios em relação ao meu sexo quente, moviam-se com experiência, já sabendo exatamente o que fazer para me enlouquecer. Seus movimentos eram tão rápidos e precisos, num vai e vem delirante, acompanhados de seu polegar, que fazia movimentos circulares sobre meu ponto de prazer, que eu mal conseguia corresponder ao beijo. Percebendo meu nível de excitação e soltando um riso satisfeito, Joe dirigiu seus lábios macios ao meu ouvido, sussurrando insanidades e respirando ruidosamente. 
Sem demora, atingi o orgasmo, numa explosão de prazer e dormência. Um gemido que mais pareceu um grito escapou por entre meus lábios, ao mesmo tempo em que um calafrio intenso percorreu minha espinha e relaxou todos os meus músculos conforme desceu. Puxei o ar com vigor, implorando por oxigênio, sentindo-o beijar caprichosamente meu pescoço.
 
- Como foi sua primeira viagem ao paraíso,
 Lovato? – ele sussurrava, conforme ia chupando e mordiscando minha pele, mal me permitindo recuperar o fôlego – Espero que não tão boa quanto as próximas serão. 
Não consegui dizer nada, apenas o deixei explorar meu corpo com seus lábios habilidosos e gentis. Fechei os olhos ao senti-lo dar uma breve atenção aos meus seios, e conforme ele descia até minha intimidade novamente, seus dedos tiravam minha calcinha. Mordi meu lábio inferior quando
 Joe posicionou minhas pernas de modo que pudesse me beijar exatamente onde desejava, e antes que eu pudesse me recuperar por completo de meu primeiro orgasmo, sua língua começou a trabalhar para que eu atingisse o segundo, tocando-me com delicadeza. 
Soltei um grunhido alto ao senti-lo estimular minha intimidade novamente, distribuindo seus movimentos com exatidão e mais uma vez demonstrando sua exímia habilidade. Um prazer que eu jamais havia sentido antes começava a se acumular em cada centímetro de meu corpo, retesando meus músculos e intensificando as batidas de meu coração. Cada batimento ecoava como um trovão em meus ouvidos, tão fortes e acelerados que por um momento, eu pensei que fosse enfartar.
 
Levei uma de minhas mãos até a cabeça de
 Joe, embrenhando meus dedos em seus cabelos umedecidos de suor e apertando-os com força. Suas mãos apertavam minhas coxas com desejo, e sua testa mantinha-se franzida, denunciando sua excitação. Sílabas totalmente desconexas escapavam por entre meus lábios, minha boca estava seca, os olhos fortemente fechados, revirando seguidas vezes, o coração acelerado, um calor que eu desconhecia preenchendo cada parte de mim, a respiração ficando cada vez mais superficial, os músculos retesados... Tudo em meu corpo parecia acontecer conforme ele me provocava, ora mais rápido, ora mais devagar. Minha voz preenchia o silêncio do quarto num volume quase vergonhoso de tão alto, abafando com facilidade a respiração extremamente pesada dele, que devia estar se segurando muito para não chegar ao seu clímax. 
Num segundo, meus pulmões se expandiram violentamente, permitindo que uma grande quantidade de ar entrasse e um grito fosse abafado, denunciando minha chegada ao ponto máximo de prazer. Senti meu corpo estremecer levemente, e uma onda muito forte de adrenalina impulsionar meus batimentos cardíacos, triplicando sua velocidade. Relaxei completamente sobre a cama, exausta e suada, sentindo minhas extremidades formigarem e
 Joe reduzir suas carícias gradativamente, até afastar-se de mim e me olhar fundo nos olhos com um sorriso satisfeito. 
- Confesso... Até eu fiquei sem ar – ele riu baixo, num tom sedutor, ofegante e com o rosto corado. Seus olhos faiscavam, fixos nos meus, e mesmo sem conseguir respirar direito, lutei contra o grande turbilhão em minha mente e o respondi:
 
- Isso... Não vai ficar assim.
 
O sorriso em seus lábios entreabertos aumentou, e tomada por um intenso e desconhecido desejo que parecia me consumir por completo, ergui meu corpo até o dele, agarrando seus cabelos e beijando-o sem a menor delicadeza.
 Joe espalmou as mãos em minhas costas, friccionando suas palmas para baixo até atingir meus quadris e apertando-os com força. Desci minhas mãos por seus ombros e braços, fazendo o caminho inverso e segurando seu rosto firmemente, pouco me importando com meu fôlego prejudicado. Pequenos gemidos escapavam de nossas gargantas, sinal claro de que ambos havíamos extrapolado os limites de nosso autocontrole e já não conseguíamos mais controlar nossas reações, o que só nos excitava ainda mais. 
Nosso beijo não durou muito; minhas mãos logo encontraram o caminho até o elástico de sua boxer, e sem hesitar, arrastaram a peça para baixo, deixando-o completamente nu. Envolvi sua ereção com meus dedos, apertando-a de leve e ouvindo-o grunhir em resposta. Prendendo um sorriso, comecei a masturbá-lo rapidamente, sem parar de beijá-lo, e seus gemidos tornaram-se ainda mais freqüentes, assim como a força de suas mãos em meus quadris intensificou-se. Eu não sabia até quando ele agüentaria, pois seu corpo estava extremamente tenso e alguns de seus músculos sofriam espasmos involuntários, o que denunciava seu estágio bastante avançado de excitação, mas não me intimidei. Ele já havia me dado mais do que sequer imaginei em tão pouco tempo, e eu não me permitiria decepcioná-lo.
 
Alguns minutos de provocação se passaram, nos quais ele se esforçava cada vez mais para resistir, porém seu limite não tardou a chegar. Num movimento brusco,
 Joe lançou-me contra o colchão, com a respiração absurdamente bruta e o rosto contorcido em desespero, e voltou a segurar meus quadris, erguendo-os um pouco. Não tive tempo sequer de assimilar o que havia acontecido; no instante seguinte, ele já estava inteiro dentro de mim, e um gemido alto escapava de ambos, esgotando qualquer reserva de oxigênio em nossos pulmões. Sem pensar duas vezes, ele continuou investindo com violência, atingindo fundo em meu interior com toda a sua capacidade e jogando a cabeça para trás, com uma expressão alucinada. Fechei fortemente os olhos, sentindo prazer misturado a uma certa dor por sua movimentação forte e agarrando os lençóis, numa tentativa falha de me controlar. 
Joe pronunciava palavras ininteligíveis conforme mantinha seu ritmo, porém um lampejo de consciência pareceu iluminar sua mente por um breve segundo, o suficiente para lembrá-lo do que havia me proposto anteriormente. Abri meus olhos por um momento ao senti-lo diminuir sua velocidade até retirar-se por completo, e recebi um olhar intenso em resposta.
 
- Se algo te incomodar, deixe-me saber imediatamente – ele murmurou com a voz fraca, e eu estava tão tonta com tudo aquilo que demorei a entender o motivo de suas mãos estarem envolvendo meus braços. Somente quando ele me virou na cama e ajeitou-me na posição certa, foi que compreendi o que ele estava fazendo. Guardando minha insegurança só para mim, mordi meu lábio inferior com força e afundei meu rosto no travesseiro. Eu confiava nele, porque eu parecia estar me esquecendo disso?
 
Joe segurou firme em meus quadris, e aos poucos foi colocando-se novamente dentro de mim, permitindo-me sentir as novas sensações que causava. À medida que ele avançou, meus dedos se fecharam, agarrando o travesseiro, e o pouco ar que eu havia inspirado abandonou meus pulmões novamente. Fui pega de surpresa pela intensidade do prazer que senti, devido às diferentes áreas de contato estimuladas, e custei a assimilar sua pergunta, ainda mais pelo grau de engano que suas palavras continham:
 
- Machuquei você?
 
- Se isso é me machucar... – ofeguei, com a voz extasiada – Não quero nem imaginar quando você quiser me fazer carinho.
 
- Eu sabia que você ia gostar –
 Joe arfou, e pelo seu tom, pude ver exatamente o sorriso satisfeito que brincava em seus lábios, e que inevitavelmente surgiu nos meus. 
Apesar de minha reação positiva, ele foi aumentando gradativamente sua velocidade, para certificar-se de que nada daria errado. Quando já havíamos retomado nosso ritmo acelerado, foi impossível conter meus gemidos; fechei os olhos, sem conseguir mantê-los abertos, e mesmo mordendo o travesseiro, grunhidos altos escapavam de minha boca, assim como da dele. Suas mãos quentes moviam-me conforme ele se movimentava, numa sincronia perfeita e maravilhosa, e por vezes ele envolvia minha cintura com um de seus braços, trazendo meu tronco para perto do dele e fazendo com que sua respiração batesse em meu ouvido. Se enlouquecer de prazer fosse possível, sem dúvida alguma ele teria me convertido numa louca naquele momento.
 
- Diz pra mim – ele sussurrou perto de minha orelha, provocante – Você sabe o que eu quero ouvir.
 
Ergui um de meus braços até encontrar seus cabelos com minhas mãos, e os acariciei de leve, sem conseguir controlar direito meus movimentos. As palavras pareciam atropelar-se em minha garganta, tropeçando uma nas outras, até que simplesmente irromperam de minha boca, num sussurrou quase inaudível.
 
-
 Eu amo você. 
- Mais uma vez –
 Joe pediu, investindo mais forte e fazendo-me gemer alto – Repete. 
- Eu amo você! – falei, dessa vez conseguindo me fazer ouvir, e senti seu hálito quente atingir minha pele, denunciando seu riso baixo – Eu amo você, eu amo você, eu amo você...
 
- Eu também te amo... – ele soprou, acariciando meus quadris com seus polegares –
 Minha menina. 
Senti um arrepio frio feito gelo descer muito rápido por minha espinha, e com uma última e profunda investida dele, ambos atingimos o orgasmo, deixando-nos cair pesadamente sobre a cama. Meu coração manteve-se a mil, contrastando absurdamente com o resto de meu corpo, completamente entorpecido e imóvel sobre os lençóis. Nem
 Joe se mexeu, deitado ao meu lado com a respiração ruidosa. Por longos segundos, tudo que se ouvia entre nós era o ar entrando e saindo rapidamente de nossos pulmões e os corações batendo freneticamente, lutando para absorver toda a carga de sensações obtidas. Minhas pálpebras pesaram sobre meus olhos, fechando-os lentamente, e quando já havíamos nos recuperado o suficiente para dar sinais de vida, senti os dedos de Joe dedilharem minha cintura num movimento suave. Seu corpo grudou-se ao meu, e sua boca buscou meu pescoço, distribuindo selinhos delicados e breves. 
-
 Minha menina – ele repetiu baixinho contra minha pele, arrepiando-me e fazendo-me sorrir de leve. A sensação de ser dele soava muito bem aos meus ouvidos, por mais que eu não o fosse oficialmente. Meu coração gostava até demais dessa hipótese, e minha mente estava dopada demais para lutar contra. 
- Eu disse... – suspirei, levando minha mão cegamente até seu rosto e acariciando-o devagar – Não acredito que você me fez dizer.
 
- Sim, você disse –
 Joe confirmou, mais para si mesmo do que para mim, rindo baixinho – Você finalmente disse o que eu queria ouvir. 
- Eu amo você – sussurrei novamente, abrindo lentamente meus olhos e meu sorriso – Muito, muito.
 
- Pode repetir quantas vezes quiser – ele sorriu, virando-me em sua direção pela cintura – Se quiser eu repito também: eu te amo!
 
- Eu te amo! – repeti, rindo e vendo-o rir junto – Muito!
 
- Não acredito nisso, sabia? – ele falou, puxando-me ainda mais para si e selando nossos lábios rapidamente – Acho que a ficha ainda vai demorar um pouco pra cair.
 
- Pois acredite – murmurei, dando-lhe um selinho e um beijinho de esquimó logo em seguida – Nem eu acreditei da primeira vez... Mas agora eu tenho certeza.
 
Joe não disse nada, apenas devolveu meu olhar com uma alegria que eu nunca havia visto antes. Ali, em seus braços, eu sentia como se absolutamente nada pudesse destruir aquela felicidade que ele me transmitia.
 
- Você tem certeza? – ele repetiu, fazendo um carinho bom em minhas costas, e eu assenti sem hesitar – Ah, é, eu tinha me esquecido... Você me ama!
 
- É claro que eu te amo! – eu ri, abraçando-o pelo pescoço e trazendo-o para perto – Não é pra esquecer isso.
 
- Eu não vou esquecer, prometo –
 Joe murmurou, apertando minha cintura em seu abraço e beijando meu ombro – Nem vou deixar você esquecer. 
Meu largo sorriso se retraiu com aquelas palavras. Foi impossível não pensar em
 Lo, e na leve brasa que ainda queimava em meu coração ao me recordar dele. Nada que chegasse perto das labaredas tão altas e fortes que Joe acendera em meu peito. 
- Eu não posso me esquecer – soprei tristemente, com o olhar distante – Afinal... Eu ainda tenho uma decisão a tomar.
 
Joe afastou nossos corpos lentamente para poder me olhar, e em suas íris ternas, eu encontrei forças para sorrir, mesmo que fracamente. Não queria que ele ficasse triste também; eu o havia deixado tão feliz ao dizer que o amava... Me parecia um erro irreparável tirar aquela alegria dele tão bruscamente.
 
- Não vamos pensar nisso agora, por favor – ele retribuiu meu sorriso ainda mais fracamente, e eu pude ver o brilho ameaçar sumir de seus olhos – Vamos descansar um pouco, pode ser?
 
- Desculpe – sussurrei, me sentindo uma ridícula por ter externado minhas preocupações – Vou ficar quietinha, prometo.
 
- Não quero que você fique quieta – ele murmurou com a expressão calma, acariciando minha cintura com o polegar – Não quero que você fique sofrendo calada. O que eu quero é que você esvazie sua mente de todas as suas preocupações... Você está comigo, não precisa ter medo de nada.
 
Um sorriso tímido e sincero surgiu em meu rosto conforme eu fazia um carinho preguiçoso em sua orelha.
 
- O mais curioso disso tudo... – falei, encarando-o com cumplicidade – É que eu sei disso. Eu sinto que estou completamente segura com você. E sinceramente, eu não sei explicar por quê.
 
Joe retribuiu meu sorriso, e me puxou para mais perto de si, fazendo com que as pontas de nossos narizes se tocassem.
 
- Talvez eu seja seu anjo da guarda – ele soprou, com um olhar nada angelical, o que me fez rir baixinho.
 
- Acho difícil – fui sincera, enrugando o nariz e alargando seu sorriso – No dia em que anjos forem como você, o paraíso vai ficar bem mais animado.
 
-
 Demetria, desse jeito nós vamos pro inferno! – ele riu, deslizando sua mão por minha região lombar – Acho melhor a gente mudar de assunto. 
- Acho melhor ainda a gente se beijar – propus, manhosa e maliciosa, e o vi erguer uma sobrancelha, gostando da sugestão – Até a gente cansar e decidir fazer outra coisa. O que acha?
 
- Preciso mesmo responder? –
 Joe sorriu, debruçando-se sobre mim – Só não espere que eu canse de te beijar, porque isso vai ser um tanto quanto impossível. 
- Ótimo, somos dois – falei, com um sorriso brincando nos lábios – Agora chega de papo e me beija logo,
 Jonas. 
- Mal educada – ele resmungou, prendendo um sorriso, e sem esperar mais, fez o que eu pedi.
 
E essa estava longe de ser a última vez em que nos beijamos naquele dia.
 


-----------------------------------------------------------------------



Bom , fiquei com peninha de vocês e decidi postar mais esses dois =))) bom a fic já está no final okay gente ... acho que vai até o capítulo 35 ou 36 ... 


espero que gostem ^^


bjsssss minhas lindas ... até a próxima =))



7 comentários:

  1. Aahhhhhhhhh primeiraaaa rsrsrs

    Q sorte a minha. Eu tinha cabado de ler o cap 28 e ia deixar pra comentar amanhã e qnd ia fechar a pag reparei q tinha parecido + 2 caps.
    Tu fez a minha felicidade hj. 3 caps pra ler. Obrigado por sua bondade antes das suas férias. rs Ameiiiiiiiiiiiiiiiii
    Bom.... o q dizer sobre esses 2 caps Jemi super, mega hotíssimos.
    Tu caprichou hein... Quase me senti no lugar da Demi. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Falando sério... Incríveis os caps.
    Foi POV Joe... Ameiii os pensamentos dele. Ele disse q amaaaa ela. Ele se entregou pra ela... Awnnnnnnnnn Ele tá tão apaixonado. Tá fofo de um jeito diferente do Logan. Joe trata a Demi + como mulher, ele é mais intenso.Amo a troca de olhar deles.
    Ela disse q ama ele... awnnn #Jemi é tão lindo.

    Joe querendo ela na cama dele. kkkkkkkkk chega até ser engraçado por causa dos lugares q eles ficaram juntos. kkkk

    Logan não viaja muito não?!
    Eu tenho pensado na amizade dele e do Joe... Será q o Logan é tão fofo qnt parece?? Ainn to querendo saber antes da hr.. desculpe... kkkkk

    Amei os caps dos meu safadões. Q Fogo e imaginaçao eles tem hein... kkkkk

    Já to louca pelos próximos. Bjssssss

    ResponderExcluir
  2. Amei, amei amei ...
    Posta logo, eu comecei a ler a fanfics antes de ontem e achei ela
    perfeita, segue e comenta nos meus blogs e divulga ele?
    www.tudoqueeumaisqueroevoce.blogspot.com
    www.thevampirediariesjemi.blogspot.com
    www.minifanficsjemi.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Ta simplesmente perfeito <3 Nossa como eles são fofos juntos ! Um dia quero conseguir fazer fic's tão perfeitas como as suas !

    ResponderExcluir
  4. mil perdoes por nao ter comentando é`que eu tive uns problemas ai! vou ler os outros capitulos pra conseguir acompanhar direito a historia! ja li esse capitulo e ta muito lindo. nao da pra acreditar que ja esta perto de acabar ~~le-se eu chorando~~!
    beijos e posta logo MINHA diva.............. ah, perfeito o capitulo gata!

    ResponderExcluir
  5. HEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEY I'M BACK BITCHES. U.U okk, parei. uhasuhaus ><
    Arg Juh e seus capítulos perfeitos. u.u ~le inveja. u.u Como tu consegue...? Meu Deus, garota, voce escreve tão perfeitamente...*----*
    Bom, eu tive alguns problemas por isso sumi daqui. Eu não conseguia nem ler as fanfics e escrever. :// Foi barra, mas eu consegui passar por tudo isso e estou de volta, pra comentar e acompanhar.*-*
    Mas então lindja, tá tudo perfeito (como sempre).
    Não demora pra postar.
    Beijooos

    ResponderExcluir
  6. eu não sei nem mais o que dizer ,meu deus bebê e sério eles disseram que se amam.na hora que o joe disse eu começei a chora feito uma doida,aí vem a demi e diz também aí que eu chorei igual uma maluca .
    to quase sem palavras para descrever tudo isso no capítulo,eu to pulando de alegria e chorando de felicidade ao mesmo tempo.
    meu deus,demi escolhe logo o joe pelo amor que você
    tem pelo joe que e 10000000000000000.....
    pois e demi o seu amor pelo joe e infinito,e o dele por você e a mesma coisa.
    bebê agora e para vale esse realmente foi o mais perfeito de todos os capítulos de todos mesmo,você e muito diva para escrever,você não faz noção o quando você é DIVA.
    to doida para você voltar de viagem e posta logo,mais um capítulo perfeito.
    beijos bebê até mais <3<3<3

    ResponderExcluir
  7. Meu Deus, a cada dia mais perfeito. DEMETRIA TERMINA COM O LO LOGOOOOO

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!