24/08/2012

Capitulo 23 + selinho






Fiquei lá parada na porta da Sophia, me sentindo a maior babaca. Mas como
eu passei a vida inteira me sentindo a maior babaca, não era nenhuma novidade.
Por outro lado, eu geralmente me sinto babaca sem nenhuma razão específica.
Dessa vez eu tinha uma boa razão para me sentir babaca.

E a razão tinha a ver com o fato de eu estar parada na porta da Sophia, sem
ter sido convidada, e provavelmente indesejada, em uma tarde de domingo,
esperando alguém atender à campainha, só que não aparecia ninguém.
E parecia que, se alguém surgisse, ficaria tipo: “Hum, você não sabe que, antes de ir
à casa dos outros, precisa ligar para avisar?”

E a pessoa teria todo o direito de dizer isso, porque era claro que eu não tinha
ligado antes. Mas daí eu tinha medo que, se ligasse antes, a Sophia poderia
ter ficado tipo: “Não dá para esperar até terça, para a gente conversar na aula,
Semi?”

Mas não dava para esperar até terça. Eu precisava falar com a Sophia naquele dia.
Porque meu coração estava partido, e eu precisava que alguém me dissesse o que
fazer. Minha mãe e meu pai eram inúteis. Aquela coisa toda apenas parecia
confundi-los. E a Dallas também não prestava, Ela só mandou: “Coloca uma saia
justa e vá lá pedir desculpa. Credo, qual é a sua, é retardada?” A Medison
simplesmente apertou os lábios e disse: “Eu avisei.” E a Helena ainda estava na
casa do Tito. Nem adiantava perguntar para a Selena. Na cabeça dela só tinha o
Paul.

De modo que eu estava lá, parada na porta da frente da Sophia McDylan sem ter
ligado antes. Era muito mais difícil se recusar a receber quando a pessoa já está lá
parada na sua porta, do que quando ela liga. Eu sei disso por causa de todos os
repórteres que têm tentado falar comigo.

Realmente, não existe sensação pior do que ficar lá parada, esperando alguém
atender à campainha, quando você sabe que quem abrir a porta provavelmente vai
bater de novo na sua cara...
Mas eu tinha que levar alguma coisa. Tipo assim, não dá para aparecer na casa de
alguém sem ter sido convidada e nem levar um presente. É isso aí, preciso admitir,
o pão era meio que um suborno. Porque eu nunca ouvi falar de ninguém que
recusasse uma baguete da Mulher do Pão. Eu torcia para que a pessoa que
atendesse a porta sentisse o cheirinho e ficasse toda: “Ah, entre, por favor.”
E também não foi nada fácil colocar a mão nesses pãezinhos: foi um inferno.
Precisei acordar extra-cedo para arrastar o Bud em seu passeio matinal na
direção oposta à que costumávamos ir, e ele não gostou nadinha. Ficou tentando me
arrastar na direção do parque, e eu ficava puxando a coleira dele na direção da
casa da Mulher do Pão. Meus braços ficaram doendo durante todo o resto do dia.
Acho que o Bud pesa quase o mesmo que eu.

Também acontece que a Mulher do Pão não acorda antes das oito aos domingos. Ela
atendeu à porta com um penhoar muito decotado (para uma senhora casada).
Mas ela não pareceu achar estranho eu ter ido lá bater na porta da casa dela para
encomendar pão para o fim da tarde. Na verdade, pareceu até ficar feliz ao
descobrir que alguém gostava tanto assim do pão dela.
E entregou a encomenda na hora ainda bem. Cinco pães franceses, dourados e
fumegantes, do tipo que não se acha em lugar algum em Washington. O cheirinho
quase me deixou com fome. Mas só quase. Parece que gente de coração partido
nunca tem apetite.

Daí, é claro que eu tive que me virar para pegar o metrô com cinco pães quentinhos,
recém-saídos do forno na mochila, que mal fechava. Uma experiência que eu
prefiro não ter que repetir. Especialmente porque a National Geographic Society
Júnior estava visitando a cidade e os trens estavam lotados com um monte de
famílias do Meio-Oeste do país, cada uma com uns dez filhos, todos usando
camisetas amarelas onde se lia: "Pergunte-me sobre o campeonato da National
Geographic Society Júnior" (algo que eu fiz questão de não perguntar).
Mas todas aquelas criancinhas loiras viravam-se para a mãe e perguntavam:
“Mamãe, por que aquela garota está carregando tanto pão?”.

E a resposta dos pais era mandar todo mundo ficar quieto. Por sorte, ninguém me
reconheceu como a garota que tinha salvado a vida do presidente, porque eu estava
usando um boné de beisebol da Dallas, do time da escola, com todo o meu cabelo
enfiado para dentro.

Ainda assim, um dos vencedores do concurso da National Geographic Society
Júnior ficou me olhando cheio de suspeita durante um bom tempo, depois se virou
para a amiga e cochichou alguma coisa no ouvido dela, que também olhou para mim e
daí disse algo para a mãe.

Por sorte, quando o trem chegou à estação Adams Morgan, perto de onde a Sophia morava, eu saí rapidinho e deixei os membros da National Geographic
Society Júnior à sua própria sorte, seja qual fosse.
Era uma boa caminhada da estação de metrô até a casa da Sophia, mas
aproveitei o tempo para pensar nas minhas desgraças, que eram muitas. Quando
cheguei à grande casa azul com as balaustradas da varanda caiadas, com um monte
de sinos de vento pendurados, já estava praticamente chorando.

Bom, e por que não estaria? Nada além do desespero total teria me forçado a pedir
conselhos para a Sophia McDylan. Tipo assim, umas duas semanas antes, eu odiava
totalmente a mulher. Ou pelo menos eu não gostava muito dela.

Mas daí eu senti que ela era a única pessoa que eu conhecia que poderia me dizer o
que eu tinha feito para acabar com a minha vida daquele jeito e como eu poderia
remediar a situação. Tipo assim, ela tinha me ensinado a enxergar: talvez pudesse
me ensinar como lidar com tudo que eu estava enxergando, agora que eu tinha
aberto os olhos.

Mas eu precisava reconhecer que, apesar dessa convicção, quando finalmente ouvi
passos (e os grasnados do Zac) vindo na minha direção, de dentro da casa, senti
uma certa vontade de sair correndo.

Mas, antes que eu pudesse dar no pé, vi a cortininha de renda na janela ao lado da
porta de entrada afastar-se um pouco para o lado, revelando um dos olhos azuis da
Sophia. Daí ouvi as fechaduras da porta abrindo. Quando dei por mim, a
Sophia estava parada na porta, olhando para mim, com um avental salpicado
de tinta e o cabelo branco e comprido preso em duas tranças que escorriam pelos
lados da cabeça.

-Demetria? – exclamou, surpresa. – O que é que você está fazendo aqui?
Tirei a mochila das costas e logo mostrei os pães para ela:

-Eu estava aqui perto, então pensei em dar uma passada para dar um oi. Você quer
um pouco de pão? É bom demais. É uma senhora da minha rua que faz.

Tudo bem, reconheço: era o maior papo furado. Só que eu não sabia como agir. Tipo
assim, eu nem deveria ter ido até lá. Era insano eu ter ido. Idiota e insano. Tipo
assim, o que é que a Sophia  tinha a ver com os meus problemas? Ela só era
minha professora de desenho, tenha dó. O que é que eu estava fazendo,
procurando a professora de desenho para pedir conselhos sobre a vida?

Empoleirado no ombro da Sophia, Zac grasnou seu cumprimento de praxe, “Oi Zac!
Oi Zac!”, para mim. Acho que ele não me reconheceu com o cabelo escondido
embaixo do boné.
Sophia esboçou um sorriso e fez um sinal:

-Então entra, Demi. Muito gentil da sua parte, hum, passar aqui... trazendo pão.

Entrei na casa da Sophia e não me surpreendi, ao cruzar a propriedade, que era
mobiliada de maneira muito parecida com a do ateliê. Tipo assim, tinha um monte de
móveis antigos e com aparência confortável, mas o que mais tinha lá eram telas
apoiadas em todas as paredes e mais do que um leve cheiro de terebintina no ar.

-Obrigada – murmurei, entrando e tirando o boné. Assim que tirei, Zac se lançou do
ombro da Susan para o meu, gritando “Corvo lindo! Corvo lindo!”.

-Zachary – fez Susan, com ar ameaçador. E depois me convidou para ir até a cozinha
tomar uma xícara de chá.

Fingi que não queria atrapalhar nem nada e disse que sentia muito por estar
incomodando e que só ficaria um minuto. Mas a Sophia simplesmente olhou para mim
com um sorriso e eu não tive outra escolha a não ser ir atrás dela até a cozinha
clara como a luz do sol, pintada de azul (da mesma cor dos olhos dela). Ela insistiu
em fazer um chá, e nem foi em uma xícara no microondas, mas à moda antiga, com
uma chaleira no fogão. Enquanto a água fervia, ela examinou as baguetes que eu
tinha levado e pareceu muito satisfeita. Pegou manteiga e um pote de geléia feita
em casa e colocou em cima da mesa de açougueiro que ficava no meio da ampla
cozinha antiquada. Daí tirou um pedaço da ponta de uma das baguetes, só para
experimentar, e pareceu ficar muito surpresa com a casca, que já estava bem
amanteigada mesmo antes de ela passar alguma coisa ali, derreteu na boca.

-Que gostoso – elogiou. – Esse pão é ótimo. Não como pão francês assim, para falar
a verdade, desde a última vez que estive em Paris.

Fiquei contente ao ouvir isso. Fiquei olhando enquanto ela pegou mais um pedaço e
comeu.

-Então – esbocei -, como foi o seu Dia de Ação de Graças? – parecia uma coisa
besta de se perguntar, assunto de gente chata, e não de artista. Mas o que mais eu
poderia ter dito? E, por sorte, ela não pareceu ficar ofendida.

-Foi bom, obrigada – respondeu ela. – E o seu?

-Ah – repeti -, foi bom.

Rolou um silêncio. Não muito desconfortável, mas sabe como é. Era um silêncio. Só
quebrado pelo som da chaleira que começava a ferver, e Zachary murmurando e
passando o bico por entre as penas, tremendo um pouco.
Daí, a Sophia declarou:

-Tenho uma idéia para o ateliê no verão.

-É mesmo? – eu disse, aliviada por alguém falar alguma coisa.

-Mesmo. Estou pensando em deixar o ateliê aberto todos os dias, das dez às cinco,
para pessoas como você e o Joseph poderem ir lá e ficar desenhando o dia inteiro, se
quiserem. Tipo como se fosse um acampamento de arte, ou qualquer coisa do
gênero.

Eu não disse nada, mas duvidava que o Joseph iria aparecer... se soubesse que eu
estaria lá. Em vez disso, só exclamei:

-Ótimo!

Foi bem aí que a chaleira começou a apitar. A Sophia se levantou e preparou o chá.
Daí me deu uma caneca azul-escura que tinha escrito “Van Gogh”. Depois de
acomodar-se à mesa de açougueiro, segurou uma caneca com as duas mãos, de modo que o vapor envolveu o rosto dela em espirais esfumaçadas.

-Então, por que você não me diz o que é que você veio realmente fazer aqui em um
domingo à tarde, Demetria?

Considerei a possibilidade de, sabe como é, não contar nada. Pensei em enrolar,
dizendo: È sério, estou indo para a casa da minha avó” ou qualquer outra coisa do
tipo. Mas algo no jeito como ela olhava para mim fez com que eu fosse honesta. Não sei o que foi mas, de repente, sentada lá, mexendo no papelzinho da ponta da cordinha do saquinho de chá, despejei toda a história. Simplesmente saiu, espalhando-se pela mesa do açougueiro, com o Zac empoleirado no meu ombro e uns acordes de música erudita tocando baixinho em algum lugar da casa.
E quando eu acabei de botar tudo para fora (tudo, a respeito do Joseph, do Logan, do
concurso Da Minha Janela, da Maria Sanchez e do pai do Joseph), concluí:

-E, além de tudo isso, na noite passada eu descobri que o único filho da Dolley
Lovato que não morreu quando era bebezinho foi do primeiro marido dela. Ela nem
teve filhos com o James Lovato. De modo que não é minha parente. Nem de muito,
muito longe.

Depois de acabar meu longo discurso, fiquei lá sentada olhando para o chá. Não
dava para enxergar muito bem, porque meus olhos estavam meio úmidos. Mas eu
estava decidida a não chorar. Chorar teria sido completamente ridículo, ainda mais
ridículo do que andar de metrô com cinco pães franceses saindo da mochila.
A Sophia, que tinha escutado, em silêncio, enquanto eu recitava todos os meus
dramas, tomou um gole de chá e murmurou, com a voz muito calma:

-Mas, Demetria. Será que você não percebe? Você sabe exatamente o que precisa
fazer. O Joseph já deixou bem claro.

Ergui o olhar da caneca de chá e olhei para ela, do outro lado da mesa. No meu
ombro, o Zac pegou uma mecha do meu cabelo e ficou lá fingindo que só estava
segurando assim, sem maiores intenções, mas nós dois sabíamos que, quando ele
achasse que eu não estava prestando atenção, ele tentaria arrancá-la e fugir.

-Como assim? – perguntei. – O Joseph disse que não ia falar com o pai sobre a Maria
Sanchez. Só isso.

-Ele disse isso, sim – explicou Susan. – Mas você não escutou de verdade, Demi.
Existe uma diferença entre ouvir e escutar, assim como há uma diferença entre
ver e conhecer.

Está vendo? É por isso que eu sabia que eu tinha que ir até lá. Eu não sabia disso.
Tipo assim, da diferença entre ouvir e escutar.

-O Joseph – prosseguiu Sophia – disse que você tem direito à liberdade de expressão
como qualquer outro americano.

-É – respondi. – E daí?

-Daí – e a Sophia falou com uma ênfase que eu não entendi – você tem direito à
liberdade de expressão, Demetria. Como qualquer outro americano.

-Tá – respondi. – Essa parte eu entendi. Mas não sei o que isso tem a ver com...
E daí, de repente, entendi. Não sei como nem por quê. Mas, de repente, caiu a ficha
do que eles (a Sophia e o Joseph) queriam dizer.

E quando caiu, não dava para acreditar.

-Ah, não – falei, engasgada... e não foi só porque o Zac finalmente deu o bote dele:
arrancou um tufo do meu cabelo e depois saiu voando, triunfante, para cima da
geladeira. – Uau. Você não acha mesmo que ele quis dizer isso, acha?

Sophia respondeu, cortando mais um pedaço de pão com as mãos:

-O Joseph geralmente fala o que pensa, Demi. Ele não é político. Não tem a mínima
tendência para seguir a carreira do pai. Quer ser arquiteto.

-Quer? – isso era novidade para mim. Estava começando a perceber que, na
verdade, eu não sabia absolutamente nada a respeito do Joseph. Tipo assim, eu sabia
que ele gostava de desenhar e que ele era bom. E eu sabia da história do garfão e
da colherona, claro. Mas também parecia ter um monte de coisas que eu não sabia.
E aquilo fez com que eu me sentisse pior ainda. Porque eu tinha um mau
pressentimento de que já era tarde demais para descobrir. As coisas que eu não
sabia a respeito do Joseph, tipo assim.

-É – continuo Sophia. – Acho que é fácil entender por que ele não quer muito
se meter nos assuntos do pai. Com certeza, também não quer que o pai se meta nos
dele.

-Uau! - exclamei, porque ainda estava boquiaberta pela revelação que ela havia me
feito. - Tipo assim... uau.

-É mesmo - disse Sophia, recostando-se na cadeira. - Uau. Então, percebe,
Demi? Estava tudo lá.

Fiz uma careta:

-O que é que estava lá?

-O que você queria - respondeu Sophia. - Você só precisava abrir os olhos um
pouquinho para ver. E lá estava.

E lá estava.

E lá estava eu dez minutos mais tarde (meio que sem acreditar que eu estava lá de
verdade), conversando com a Sophia, a mulher que me acusou de conhecer e
não ver, quando a porta dos fundos, que saía da cozinha, se escancarou. Entrou um
homem enorme, com o cabelo amarrado em um rabo de cavalo e os braços cheios de
sacolas de compras. Ele olhou para nós com ar de surpresa. Tinha um bigodão
daqueles curvados na ponta.

-Ah - fez ele, olhando para mim de um jeito simpático, mas curioso, com os olhos
azuis. - Oi.

-Oi - respondi, imaginando se aquele era o filho da Sophia. Ele parecia ter uns
20 anos a menos que ela. Mas ela nunca tinha mencionado filho nem marido. Sempre
achei que eram só ela e o Zac.
Mas pode ser que eu só estivesse ouvindo, e não escutando de verdade.

-Pete - apresentou Sophia. - Esta aqui é a Demetria Lovato, uma das minhas
alunas. Demetria, este aqui é o Pete.

Pete pousou as sacolas de compras. Ele estava usando jeans, com uma chaparreira
de couro por cima, igual à que os caubóis e os Hell's Angles usam. Quando ele
esticou o braço para apertar a minha mão, vi que tinha o logotipo da Harley Davidson
tatuado.

-Muito prazer - ele apertou minha mão esquerda, já que a direita estava engessada.
Daí o olhar dele caiu no pão francês. - Ei, isso aí parece gostoso.

Pete puxou uma cadeira e se juntou a nós. E daí eu descobri que ele não era filho da
Sophia coisa nenhuma. Era namorado dela.

O que só demonstra que a Sophia estava certa a respeito de uma coisa, pelo
menos: às vezes, o que você quer está bem na sua frente. Só é preciso abrir os
olhos e enxergar.


continua ...

*********************************************************

Desculpa gente , mas eu estou sem tempo para responder os comentários ... prometo que no próximo capitulo eu respondo , mas eu li todos eles okay !!! 

Silvia obrigado pelo selo ^^ adorei amor !!! 

e

Mah Jonas Desculpa amor , é que eu não tive tempo de revisar antes de postar aquele capitulo e os nomes originais da fic é aqueles, depois q mudei para Jemi... desculpa mesmo , mas já consertei lá ^^

*********************************************************

Esse capitulo ta meio chatinho, mas era importante ! No domingo eu posto outro capitulo ^^

Beijonas *-*

Meu selinho *-* da Silvia *-*






10 comentários:

  1. cap perfeito...

    espero agora jemi se encontrar...

    bjo bjo e posta logo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadoooo !!!!

      Eles vão .. logo logo^^

      postei^^

      Excluir
  2. Amei :D amei, amei, amei
    finalmente a Demz caiu a ficha T-T

    Adorei o cap :)

    Posta logo!!

    Jenny

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AUSHUASH é .. finalmente ^^

      Obrigado... Postei^^

      Excluir
  3. Ai que curiosidade...só eu não entendi oq o Joseph quis dizer? kkk serio, nao entendi... posta looooogo senão a curiosidade me mata...kk Beijonas ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aushuahsuahsuahsuhas você vai entender uahsuahsua

      postei^^ Obrigado

      Excluir
  4. Nova seguidora *.*
    Tou a amar a história...
    Posta logo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vinda^^

      postei^^ espero q goste!

      Excluir
  5. AMIGAAAA, POSTA O PRÓXIMO CAPÍTULO LOGO! NÃO MATE AS LEITORAS DE CURIOSIDADE u.u

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ASUAHSUAHUSHAUHSUAHSA AWN ... DEMOREI UM POUQUINHO MAS POSTEI AMIGA !!!!

      Excluir

Sem comentários ........... sem capítulos!