04/07/2012

Capitulo 9 - Parte 1






Bom, como é que eu ia saber que ele era filho do presidente dos Estados Unidos?
Ele não se parecia nada com o cara que estou acostumada a ver no noticiário, aquele
CDF que ficava andando atrá dos pais, igual a um cachorrinho, durante a campanha
eleitoral. Aquele cara nunca usou uma camisa da Save Ferris, muito menos coturno.

Aquele cara sempre usava uns ternos bem engomadinhos e certinhos, e só ficava lá
sentado, com cara de interessado nas coisas que o pai dele falava, que basicamente
era um monte de coisa chata que me entediava ao extremo e geralmente fazia com
que eu mudasse de canal... apesar de eu saber que, como cidadã deste país e
membro do planeta, eu deveria ter muito mais consciência política do que tenho. De
qualquer forma, o fato é que, depois de o pai do Joseph virar presidente, e o Joseph
começar a freqüentar a escola aqui em Washington, bom, toda vez que aparecia na
TV ele estava com aquele uniforme tonto que todos os alunos da Horizon usam todo
dia: calça cáqui (saia para as garotas), camisa branca, blazer azul-marinho, gravata
vermelha.

E apesar de o Joseph ficar melhor com aquele uniforme do que a maior parte dos
freqüentadores da Horizon, com o cabelo encaracolado escuro e os olhos castanhos e
tudo o mais, ele continuava sendo, sabe como é, o maior CDF. Tipo assim, não tinha
a menor chance de esse cara aparecer na capa da Teen People mês sim, mês não,
igual ao Justin Timberlake. Só se ele começasse a fazer windsurf sem camisa na
baía Chesapeake, ou qualquer coisa assim.
Eu estava ali parada, olhando para ele bem na minha frente, e era difícil de
acreditar que era o mesmo cara que, só alguns dias antes, tinha dito que gostava da
minha bota.

Pensando melhor, talvez não fosse tão difícil assim de acreditar. Porque, sabe como
é, ver o cara assim de pertinho (não na TV, acenando da porta de um avião, ou em
uma foto posada, olhando para cima na direção do pai, sentado em uma cadeira no
fundo de algum parquinho no Kentucky) fazia com que ele se parecesse muito mais
com o cara legal da camiseta da Sabe Ferris que gostou da minha bota do que com
o filho CDF do presidente.

Não sei dizer qual de nós dois ficou mais surpreso por ver o outro, O Joseph parecia
bem impressionado, e não acho que era por aquilo ser uma coincidência tão
estranha... sabe como é, por a gente se conhecer da aula de desenho. Isso não era
assim tão esquisito: obviamente, a razão por que o presidente estava por ali era
para encontrar-se com o Joseph depois da aula. Aquela coisa de dar uma passadinha
na Capitol Cookies tinha a ver com o comandante da nação ter um fraco por doces...
Não, o Joseph não estava me encarando porque não conseguia se lembrar de onde me
conhecia. Tipo assim, da última vez que ele tinha me visto, eu estava toda de preto,
com coturnos enfeitados de margaridas, cabelo de arame de cobre e nenhuma
maquiagem.

Agora ali estava eu, com a saia da minha irmã e mocassins Cole Haan,
com o cabelo bem macio e lábios que tinham toda a intenção de parecer totalmente
beijáveis... pelo menos era o resultado prometido no tubo de gloss que a Dallas
esparramou na minha boca.
Claro que ele estava olhando fixamente para mim: eu estava igual à Dallas!

-Hã? – Joseph disse, e eu não posso culpá-lo nem um pouquinho por isso. – Oi.
Mas eu me vinguei dele na hora, com uma resposta muito esperta:

-Hum. Oi.

A mãe do Joseph olhou de onde ele estava para mim, e depois fez o trajeto inverso.
Então soltou, com uma voz bastante peculiar:

-Vocês dois já se conhecem?

-É. – Joseph disse de novo. Tinha começado a sorrir. Era um sorriso bacana. Não tão
bacana quanto o do Logan, claro, mas bem bacana, mesmo assim. – A Demetria está
na minha aula se desenho com a Sophia McDylan.
E foi quando me liguei.

A Demetria está na minha aula de desenho com a Sophia McDylan.
O cara podia ter estragado algo que, até aquele momento, eu tinha conseguido
esconder dos meus pais: aquela coisa de cabular a aula de arte.
E tá, tudo bem, qual era o problema, certo? Meus pais iam descobrir que eu cabulei
a aula de desenho. E daí? Eu tinha salvado a vida do presidente. Aquilo tinha que
valer como uma carta de liberação da prisão, nada podia ser mais forte do que
aquilo.

E provavelmente ia servir pata amaciar os meus pais. Eles não eram os
disciplinadores mais rígidos do planeta.
Mas isso nunca, nunquinha, ia amolecer a Helena, a quem eu tinha dado minha
palavra solene de que eu não cabularia a aula. Por mais que a Helena valorize o
presidente deste país que ela aprendeu a amar tanto, no minuto que soubesse que
eu tinha desobedecido, minha vida estaria acabada com A maiúsculo. Nunca mais ia
ter bolinhos para mim no lanche depois da escola. Só iam sobrar barras de cereais
e bolachas integrais daqui para a frente. A Helena era capaz de perdoar quase
qualquer coisa (notas baixas, atrasos, perda de lição de casa, marcas de terra
trazidas do parque e espalhadas por todo o chão limpinho da cozinha), mas
mentira?
De jeito nenhum. Mesmo que fosse por uma causa totalmente justa, tipo preservar
a minha integridade criativa.

E essa foi a razão por que eu fiz o que fiz em seguida, que foi lançar a Joseph um
olhar de súplica, esperando, sem muito otimismo, que ele entendesse. Não sei como
é que ele poderia ter entendido. Tipo assim, ele não estava com o uniforme da
Horizon, mas usava uma camisa abotoada até em cima e calça de pregas. Parecia um
cara que nunca, nem uma veizinha na vida, tinha desobedecidos aos pais, muito
menos à empregada extremamente intolerante. Como é que ele ia compreender?
Mesmo assim, se existisse uma possibilidade, qualquer possibilidade, de eu
conseguir fazer com que ele, assim como os agentes do Serviço Secreto do pai
dele, não mencionassem que eu tinha faltado à aula na tarde anterior...

-Ah, ela está na Sophia McDylan? – a primeira-dama perguntou para a minha mãe, toda
alegre. – A Sophia não é maravilhosa? O Joseph adora – esticou a mão e pegou
no ombro do filho, com um gesto surpreendentemente maternal para uma senhora
casada com o homem mais importante do mundo democrático. – Só agradeço por
Joseph ter se atrasado para sair do ateliê na noite passada. S...

Ela não conseguiu terminar a frase. Acho que ela queria dizer só Deus sabe o que
poderia ter acontecido se ele saísse bem na hora que o sr. Uptown Girl começou a
atirar. Mas a verdade é que nada teria acontecido. Porque eu estava lá. E estraguei
os planos do assassino.

Por favor, Joseph. Estava enviando pensamentos para ele com a maior força possível.
Por favor, não fala nada a respeito de eu não ter ido à aula ontem. Por favor, uma
vez na sua vida de filho de político com camisa abotoada, abra a mente e receba a
minha súplica. Eu sei que você é capaz disso; você adora a Save Ferris, e eu
também, então talvez a gente possa se comunicar neste nível. Não fala nada, Joseph.
Não fala nada. Não fala...

-Eu sei exatamente o que a senhora quer dizer – respondeu a minha mãe, esticando
o braço e pegando no meu ombro igualzinho a primeira-dama tinha feito com o
Joseph. – Nem gosto de pensar o que poderia ter acontecido se os agentes do
Serviço Secreto não o tivessem desarmado com tanta rapidez.

-Eu sei – disse a primeira-dama. – Eles não são fantásticos?

Surpreendentemente, a conversa parecia estar se afastando de Sophia McDylan. Bom,
a não ser pela revelação bastante espantosa de que o Jonh (o cara de meia-idade
que não sabia desenhar e que eu pensei que usava aparelho de audição) era, na
verdade, o agente do Serviço Secreto pessoal do Joseph, e isso era um pouco
esquisito.

Mas imagine só como deve ter sido esquisito para o Joseph entrar naquele quarto de
hospital para descobrir que a garota que tinha salvado o pai dele de um suposto
assassino era eu?
Mas claro que, depois que o choque inicial passou, parecia que o Joseph não estava
dando a mínima para aquilo. Na verdade, parecia até que estava achando meio
divertido. Tipo, ele estava tentando não sorrir, mas não estava conseguindo. Devia
estar pensando naquele abacaxi. Só de lembrar, minhas bochechas começavam a
esquentar.


Continua ...

Oie meninas ! Bom , postei ... 

Espero que gostem , e devo dizer que apartir daqui 
vai ter mais Jemi e a fic vai realmente ficar interessante !

Beijonas e Beijemi !!!! 

OBS: Estou muito feliz , estava vendo o Show do Dia da indepêndencia dos EUA ! 
O Joe cantou e chamou o Nick ... foi perfeito, muitas saudades ... só faltou o Kevin.
Agora estou feliz da vida ... Jonastic Forever !


Respostas dos Comentários :



NINA Obrigado pelo comentário ! postei ... Ela realmente ficou surpresa kkkk

Projeto Jonas Obrigado, postei =)

Diana (DSP) Obrigado por estar sempre comentando ... Postei =) 


4 comentários:

  1. cap perfeito...


    amo jemi

    posta mais...

    bjo bjo e posta logo

    ResponderExcluir
  2. Adorei o capitulo!
    O meu pai faz anos exatamente no dia da independência dos EUA!
    Foi pena não ter visto esse show.

    Posta logo!

    Bjs :)

    ResponderExcluir
  3. Dá uma olhada no meu blog,se voce gostar Divulga,segue e comenta por favor amor http://selembredemim.blogspot.com.br/2012/07/1-capitulo-novos-personagens.html

    ResponderExcluir
  4. cap perfeito


    amo amo amo

    qru jemi

    bjo bjo e posta logo

    ResponderExcluir

Sem comentários ........... sem capítulos!