01/07/2012

Capitulo 5 - Parte 2 (Maratona)





Tinha escurecido enquanto eu ainda estava na loja de CDs. Todos os carros que
passavam estavam com o farol aceso. E tinha muito mais carros do que antes,
porque era a hora do rush e todo mundo estava tentando voltar para casa para
ficar ao lado de seus entes queridos. Ou talvez só quisessem assistir a Friends. Sei
lá.

Fiquei parada na calçada, na frente da Igreja Fundamental de Cientologia,
apertando os olhos para enxergar atevés da garoa fina e dos faróis, olhando na
direção de que a Helena deveria vir. Parada ali, não pude evitar sentir um pouco
de pena de mim mesma. Tipo assim, lá estava eu: 15 anos, canhota, ruiva, sem
namorado, incompreendida, filha do meio rejeitada, dura, parada na chuva depois
de ter cabulado a aula de desenhos porque não suporta críticas. O que aconteceria
se eu crescesse e abrisse meu próprio negócio de retratos de celebridades ou algo
assim? Será que eu abandonaria tudo se a coisa não pegasse de imediato? Será que
eu ia me esconder na Static? Talvez eu pudesse simplesmente arrumar logo um
trabalho lá, para facilitar as coisas. Na verdade, não parecia um lugar ruim para
trabalhar. Aposto que os funcionários têm desconto nos CDs.

Enquanto eu estava lá com vergonha de mim mesma por não enfrentar as coisas, o
velho que gostava tanto de Billy Joel saiu da Static e ficou parado do meu lado,
apesar de o sinal de pedestres estar verde. Observei-o com o canto do olho. Ele
estava remexendo em alguma coisa embaixo do poncho de chuva dele, que tinha
estampa camuflada. Fiquei imaginando que ele podia ter roubado algo da loja. Na
Static, reparei que eles tinham um Paredão da Vergonha, onde colocavam fotos
Polaroid de pessoas que tinham tentado roubar alguma coisa. Esse sujeito parecia o
melhor candidato para o Paredão da Vergonha que eu já tinha visto.
Logo depois disso, vi luzes vermelhas piscantes se aproximando através da chuva,
quebrando a escuridão, e pensei, tipo assim, pronto, os guardas chegaram. O sr.
Uptown Girl está ferrado.

Só que daí eu vi que as luzes vermelhas não tinham nada a ver com guardas. Em vez
disso, faziam parte da comitiva de carros do presidente. Na frente vinha o carrolíder,
um jipão preto com uma faixa de luzes vermelhas no teto. Depois vinha outro
jipão preto e, atrás dele, uma limusine preta comprida. Atrás dela tinha mais alguns
jipões com luzes vermelhas.

Em vez de ficar anima porque eu ia ver o presidente passar (apesar de não dar para
vê-lo dentro da limusine porque as janelas são daquele tipo esquisito em que as
pessoas conseguem ver de dentro para fora, mas não de fora para dentro), pensei:
que droga. Porque a Helena devia estar em algum lugar atrás da comitiva, que
avançava a passo de tartaruga.

Não só ela ia ficar de mau humor total quando finalmente conseguisse me pegar, como tambémeu não ia ter a chace de não cruzar com o Joseph na saída da aula da Sophia McDylan. Ele com certeza ia me ver ali parada e ficar tipo: "Cara, ela é esquisita", e nunca mais falaria comigo. Não que eu ligasse, porque estou completamente apaixonada pelo namorado da minha irmã. Mas foi legal da parte dele reparar na minha bota. Quase ninguém tinha reparado nisso. E, além do mais, quando se mora em Washington, D.C., ver o presidente passar não é nada de mais, porque ele vive passando o tempo todo. E foi então que uma coisa superesquisita aconteceu. O primeiro jipão da comitiva
aproximou-se do meio-fio bem na minha frente... e parou. Simplesmente parou.
E o sinal nem estava vermelho.

Atrás do primeiro jipão, o segundo parou, depois a limusine e assim por diante. O
trânsito estava totalmente parado atrás daquilo tudo, por toda extensão da
Connecticut Avenue. Daí uns caras com fones nos ouvidos desceram do carro e
foram todas na direção da limusine. E então, para meu completo assombro, o
presidente dos Estados Unidos saiu da limusine e caminhou até a Capitol Cookies,
com um punhado de caras do Serviço Secreto na cola dele, segurando guardachuvas,
olhando em volta e falando nos walkie talkies!
É isso aí, ele simplesmente entrou na Capitol Cookie, como se fizesse aquilo todo
dia.

Eu não sabia que o presidente gostava da Capitol Cookies. A Capitol Cookies é boa,
mas não é a melhor confeitaria que existe por aí, nem nada assim. Tipo assim, só
existe aquela loja, não tem nenhuma filial. E não é se pensar que, se você fosse o presidente, pediria ao dono que enviasse seu suprimento pessoal de biscoitos, de modo que você não precisaria sair da sua limusine, na chuva, só para pegar alguns doces? Tipo assim, se eu fosse dona de uma confeitaria e descobrisse ue o presidente dos Estados Unidos gostava dos meus biscoitos, eu iria me assegurar que ele recebesse um fornecimento completo dos meus produtos.

Por outro lado, os donos da Capitol Cookies provavelmente preferem que todos
vejam o presidente entrando na loja. Assim, obtém-se uma divulgação bem maior do
que se você simplesmente mandasse biscoitos em uma remessa particular.
E então, enquanto eu estava lá no escuro e na chuva, com as luzes vermelhas no
teto do jipão piscando na minha cara, vi o sr. Uptown Girl jogar o poncho de chuva
para trás.

E revelou-se que o que ele estava fazendo lá em baixo não tinha nada a ver com o
roubo de CDs. Nada mesmo. Revelou-se que o que ele estava fazendo lá em baixo
tinha a ver com uma pistola enorme, que ele sacou e apontou na direção da porta da
Capitol Cookies... a porta que o presidente cujos biscoitos haviam sido
providenciados com rapidez surpreendentemente, estava usando para sair da loja.
Eu não sou exatamente o que se pode chamar de uma pessoa corajosa. Eu só
defendo o pessoal da escola que os outros ficam enchendo porque eu lembro como
era eu tratada no Marrocos e durante toda aquela história da fonoaudiologia.

Mas isso não significa que eu seja o tipo de garota que se joga no caminho do
perigo sem dar a mínima para a segurança pessoal. Tipo assim, o mais próximo que
eu cheguei de algo que pode ser qualificado como combate físico nos últimos
tempos foi a última vez que eu e a Dallas brigamos pela posse do controle remoto.
E, obviamente, não sou muito a favor de confrontos. Tipo assim, é, estava dando um
golpe em nome dos espíritos criativos ao boicotar a aula da Sophia McDylan e tal. Mas,
fala sério, eu só estava envergonhada de mais para voltar lá depois da humilhação
que sofri da última vez.
Mas sei lá. O que aconteceu a seguir era tão atípico para mim que foi como se outra
pessoa tivesse possuído o meu corpo durante um minuto, ou qualquer coisa assim. O
que eu sei é que, em um segundo, eu estava ali parada, observando o sr. Uptown Girl
erguer a arma para atirar no presidente quando ele saia da Capitol Cookies...
...e, no segundo seguinte, eu tinha me jogado em cima dele.

Continua ...

Respondendo últimos comentários :

Diana (DSP) Obrigado por comentar ... 

NINA Obrigado por seus comentários fofa ^^

Maay maay , obrigado .. sério , muito obrigado mesmo , é muito importante pra mim !
P.S ... adorei a sua maratona =) 

Carol Duran Obrigado amr ... postei =)

*Alessandra & Vanessa* Ain .. que bom que gostou ! obrigado !


Próximo capitulo daqui a 15 minutos ! 

Comentários ????

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem comentários ........... sem capítulos!